terça-feira, 30 de março de 2010

Mapa da violência: Imperatriz está em 26º lugar na evolução de homicídios de jovens de 15 a 29 anos


Caros leitores, o momento é de muitas matérias negativas. Sei, eu mesmo tenho defendido que está na hora de mudarmos a pauta, mas não é fácil, pois  não podemos jogar para debaixo do tapete as informações,  não podemos esconder, nem tampouco desconhecer que a violência está em nosso meio e qualquer um de nós pode ser  vítima dela. Ninguém está imune a violência.

Portanto conhecer os números dessa mazela é importante para nos defender-mos e combatermos esse mal que atinge as civilizações. Para quem governa, também é importante conhecer os números da violência saber onde e como deve realizar as políticas públicas. Pensando assim trancrevo para estas páginas as mais novas estatísticas sobre a violência no Brasil, estudo recente, conhecido como o Mapa da Violência. Quem quiser conferir, depois de ler a matéria a seguir acesse:
 http://www.mapadaviolencia.org.br/ .

Uma triste constatação: Nossa querida Imperatriz está em 26º lugar entre as cidades na evolução dos Homicídios Jovens (15 a 29 anos) nos Municípios. No ranking das cidades mais violentas Imperatriz ficou no 41º lugar .

Violência em 10 anos migra das capitais para o interior do Brasil, diz estudo

Tatiana Farah, de O Globo - Publicada em 30/03/2010 às 12h28m

SÃO PAULO - A violência migra das capitais para o interior do país. Segundo o Mapa da Violência 2010 - A Anatomia dos Homicídios no Brasil, caiu o número de assassinatos nas capitais e regiões metropolitanas na última década. Enquanto estados como Rio de Janeiro, São Paulo e Minas Gerais forçaram as taxas para baixo, pequenas cidades do interior alimentam o que o pesquisador Júlio Jacobo Waiselfisz, responsável pelo estudo, chama de espiral da violência, crescendo 37,1% de 1997 a 2007.

----------------------------------------------------------------------------------------------------------
" A história da violência no Brasil é a história do assassinato dessa juventude "
----------------------------------------------------------------------------------------------------------

O estudo foi feito de acordo com os registros de morte por agressão do Datasus, do Ministério da Saúde, e considerou 5.600 municípios do país. Nas capitais, essa taxa caiu 19,8% e nas regiões metropolitanas ainda mais, 25%. De acordo com a pesquisa de Waiselfisz, no interior o índice de morte por 100 mil habitantes cresceu de 3,5% para 18,5%. Nesses municípios mais violentos estão os novos pólos de crescimento, as cidades litorâneas vítimas de turismo predatório, as cidades do arco do desmatamento e os de violência tradicionais.

O Mapa revela ainda que os negros são as maiores vítimas da violência no país. Para cada branco assassinado em 2007 foram mortos 2 negros.

- Não significa apenas que o número de negros mortos subiu. Foi o de brancos mortos que diminuiu muito - destaca o pesquisador, para quem a privatização da segurança tem contribuído para essa diferença.

----------------------------------------------------------------------------------------------------------
" Não significa apenas que o número de negros mortos subiu. Foi o de brancos mortos que diminuiu muito "
----------------------------------------------------------------------------------------------------------
Entre 2002 e 2007, o número de pessoas brancas vítimas de homicídio caiu de 18.852 para 14.308, uma queda de 20,1%. O de negros, no entanto, aumentou de 26.915 para 30.193, um crescimento de 12,2%. Se em 2002 morriam 46% mais negros que brancos, em 2007 essa diferença foi para 108%.

A pesquisa do Mapa da Violência confirma que as vítimas de homicídios no Brasil são em maioria os jovens, com idades entre 14 e 24 anos. De acordo com o pesquisador, o perfil dessas vítimas em maioria é o mesmo que o de seus agressores.

Confira as cidades mais violentas do país

As cidades mais violentas do país são Juruena (MT), com 139 homicídios por 100 mil habitantes; Nova Tebas (PR), com 132; Tailândia (PA), com 128,4; Guaíra (PR), com 106,6; Coronel Sapucaia (MS), com 103,6 homicídios para cada 100 mil habitantes. Coronel Sapucaia, por exemplo, é uma cidade de recentes conflitos entre índios e fazendeiros.

Em seguida vem Viana (ES), recentemente citada na Organização das Nações Unidas (ONU) por conta da violência e das péssimas condições que os presos enfrentam na Casa de Custódia, com 99 mortes por 100 mil.

A primeira capital no ranking da violência é Maceió, que aparece em 8º lugar, com 97,4 mortes por 100 mil habitantes. Em seguida vem Recife, em 19º lugar, com 87,5, seguida de Vitória, que ocupa a 34ª posição, com 75,4 homicídios por 100 mil habitantes.

Rio, São Paulo e Minas puxam queda de homicídios

De acordo com o pesquisador, os estados do Rio de Janeiro, São Paulo e Minas Gerais forçaram a queda dos homicídios por desenvolverem políticas mais eficientes de segurança pública. No ranking dos estados, São Paulo em 1997 tinha o quarto lugar, e hoje caiu para 25º, registrando 17,1 mortes por 100 mil habitantes. O Rio de Janeiro era o estado mais violento do país e caiu para 4º lugar, com uma taxa de 52,2 mortos por 100 mil habitantes. Já Alagoas, que em 97 estava no 14º lugar, hoje é o estado com maior índice de violência, registrando 59,6 mortes por 100 mil habitantes.

---------------------------------------------------------------------------------
Evolução dos Homicídios Jovens (15 a 29 anos) nos Municípios

Dadas as possíveis oscilações devidas a fatos esporádicos em municípios de menor porte, optou- se por incluir no cômputo só municípios com mais de 3.000 jovens na faixa de 15 a 29 anos de idade. O total de municípios nessa situação, em 2007, foi de 3.464.

Para o ordenamento, empregou-se a técnica da média móvel. Para Municípios com mais de 50 mil jovens, em 2007, foram utilizados os dados de homicídios do último ano disponível, isto é, de 2007. Para Municípios de 10 até 50 mil jovens, utilizou-se a média de homicídios dos últimos três anos – em nosso caso, de 2005, 2006 e 2007; para municípios com menos de 10 mil habitantes, a média dos cinco últimos anos (de 2003 a 2007).

O número de anos utilizados para calcular as taxas pode ser encontrado na coluna Média/Anos. Como existem 5.564 municípios no país, seria materialmente impossível incluir a totalidade nesta edição. Por esse motivo, na publicação, foram incluídos os 300 municípios com maiores índices do país. Mas, para os interessados, as planilhas em Excel contendo a totalidade dos Municípios encontram-se disponibilizadas no site da instituição28.

Fonte: SIM/SVS/MS

-------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------
Em dez anos, país registra 512,2 mil assassinatos

Demétrio Weber - O GloboAgência Brasil
BRASÍLIA e SÃO PAULO - Os dados do Mapa da Violência 2010 - Anatomia dos Homicídios no Brasil, divulgado nesta terça-feira, mostra que, de 1997 a 2007, o Brasil registrou 512.216 assassinatos. Só em 2007, foram 47.707 vítimas, nada menos do que 130,7 por dia. Em 2007, a taxa de homicídios no país era de 25,2 mortes para cada grupo de 100 mil habitantes, a mais baixa dos onze anos no período estudado. Ainda assim, apenas dois décimos menor do que a de 1997 (25,4). Ou seja, uma década depois, o país retomou o patamar de 1997. O estudo é baseado nos atestados de óbito do Sistema de Informações de Mortalidade (SIM), do Ministério da Saúde.

A queda foi maior nas capitais do país, onde as ocorrências passaram de 45,7 homicídios a cada 100 mil habitantes em 1997 para 36,6 em 2007. Porém, no interior os números são bem diferentes. A taxa de homicídios no interior do país cresceu de 13,5 (a cada 100 mil) em 1997 para 18,5 em 2007. De acordo com o estudo, os dados indicam o fenômeno da "interiorização da violência", que começou na virada do século, e consiste no deslocamento dos pólos dinâmicos da violência das capitais e regiões metropolitanas para o interior.

------------------------------------------------------------------------------------------------------------
" Estamos num momento de equilíbrio instável. Nos últimos anos, as taxas vão baixando, mas não há uma tendência clara "
------------------------------------------------------------------------------------------------------------

Uma análise ano a ano mostra que as estatísticas poderiam ser piores. De 1997 a 2003, a taxa de homicídios no país cresceu na faixa de 5% ao ano, atingindo o pico de 28,9 assassinatos para cada 100 mil habitantes em 2003 - com 51.054 mortos. Depois disso, o índice caiu em 2004 (27) e 2005 (25,8), voltou a subir em 2006 (26,3) e alcançou seu menor patamar em 2007.

O sociólogo Julio Jacobo Waiselfisz, autor do mapa, diz que a queda em 2004 e em 2005 pode ser atribuída à campanha do desarmamento. Ele aposta que o Pronasci (Programa Nacional de Segurança Pública com Cidadania), do Ministério da Justiça, dará bons resultados. Mas observa que o programa foi lançado ao longo de 2007, de modo que sua eventual contribuição dificilmente seria captada no estudo.

- Estamos num momento de equilíbrio instável. Nos últimos anos, as taxas vão baixando, mas não há uma tendência clara. São políticas estaduais, com apoio federal, que estão incidindo nos dados da realidade. O que acontece em São Paulo, Rio e Minas, estados com peso demográfico enorme, influencia a média nacional - diz Julio Jacobo.

Comparando-se os dois extremos do período analisado, a taxa de homicídios do país oscilou negativamente (- 0,7%), entre 1997 e 2007. O número absoluto de assassinatos, porém, aumentou de 40.507 para 47.707, um acréscimo de 17,8%. Essa elevação ficou abaixo do crescimento populacional de 18,6% no período. A taxa leva em conta o tamanho da população e, por isso, caiu.

Violência cresce entre jovens

Além disso, o estudo mostrou que, desde 1980, a violência continua crescendo entre os jovens brasileiros. Se a cada 100 mil jovens (entre 15 e 24 anos) 30 deles morriam por homicídio em 1980, o número saltou para 50,1 em 2007.

"Assim, pode-se afirmar que a história recente da violência que resulta em homicídio no Brasil é a história do crescimento dessa violência entre jovens. Uma não terá solução sem a outra", afirma Waiselfisz no estudo.

De acordo com o Mapa da Violência, em mais de 90% desses casos de homicídio as vítimas eram homens e os mais atingidos no período foram os negros: se em 2002 morriam 46% mais negros do que brancos, em 2007 a proporção cresceu para 108%.


sexta-feira, 26 de março de 2010

14 Enai, estou participando, representando Imperatriz

Estou nesse momento em Poços de Caldas (MG), participando 14º ENAI, Encontro nacional de Associações de Imprensa e do 9º Ciclo de Conferencias da Imprensa Brasileira.

Depois eu falo sobre o assunto, enquanto isso vejam o link do evento:

Caso das UTIs. "Nem tanto ao céu, nem tanto ao mar"


Essa questão da falta de UTIs em Imperatriz vem de muito tempo. No governo do Jomar ele se escondia dos oficiais de Justiça. No governo do Ildon também o problema não foi enfrentado. Foram muitas as ocasiões em que o secretário de Saúde teve até a prisão decretada, Ildon, nem se fala, era como todos sabem um ausente. A siatução não era melhor do que agora, apenas a nossa brava imprensa  não se debruçou sobre o assunto e o MP dormiu em berço esplêndido...

Em 2001 eu quase perco uma filha recém-nascida por falta de UTI neonatal em Imperatriz.Victória Beatriz nasceu com insuficiencia respiratória e o médico deu-lhe poucas horas de vida se não fosse levada urgente para uma UTI, mas o grave é que naquela noite não havia vagas em UTI em nehum hospital de Imperatriz. Dentro de uma ambulancia rodamos pela cidade em completo desespero, até que descobrimos um leito  no Hospital regional materono infantil parcialmente desaparelhado, então a idéia foi conseguir alguns equipamentos, entre eles o respirador,  num hospital particular da cidade e levar para a UTI do materno infatil. Graças a essa providencia já quase fora de hora, Victória Beatriz está viva, lépida e fagueira, com um belo futuro pela frente. Depois vou postar a foto dela aqui, nas duas ocasiões, na UTI e agora. Só não o faço agora porque estou fora da cidade no momento em que escrevo este post.

No governo Madeira, desde o início ele tem encarado o problema de frente, pois é um gestor que não se esconde. Foi a própria secretaria de Saúde, Conceição Madeira quem convidou o Ministério Público para conhecer o problema que não é só uma resposabilidade do município, mas também do estado e do governo federal. A realidade é que sozinho o município não tem recursos para construir UTIs, pois  custo básico de uma gira em torno de 200 mil reais.

Hoje o prefeito e a secretária de saúde estiveram em São Luís para tratar do assunto com a Governadora e uma solução já está a caminho. Como dizem os radicais, "o conflito é que gera a solução". A matéria em rede nacional sobre o assunto deixa mais uma vez Imperatriz na berlinda, mas poderá sensibilizar o Ministério da Saúde e o governo do Maranhão para acudirem o município nessa difícil situação.


segunda-feira, 22 de março de 2010

Campanha Ficha Limpa: Imperatriz dá exemplo de cidadania


A participação de Imperatriz no recolhimento de assinaturas ao projeto Ficha Limpa contribuindo com 66% do total do estado,  é uma demonstração de que o nível de consciência de cidadania está cada vez maior em nossa cidade.

O presidente da Câmara dos Deputados, Michel Temer, afirmou quarta-feira (17/03) que levará o projeto de lei da Ficha Limpa à reunião do colégio de líderes esta semana. O anúncio foi feito no Salão Verde, ao receber o texto do substitutivo do PLP 518/09, das mãos dos deputados Miguel Martini e Índio da Costa, respectivamente, coordenador e relator do grupo de trabalho criado para fazer um texto consensual sobre o tema.


A campanha, que se desenvolve em todo o país desde abril de 2008, protagonizada por várias entidades, mas em espécial pelo Movimento de Combate á Corrupção Eleitoral, MCC, tem  o objetivo de melhorar o perfil dos candidatos e candidatas a cargos eletivos do país. Para isso, foi elaborado um Projeto de Lei de iniciativa popular sobre a vida pregressa dos candidatos que pretende tornar mais rígidos os critérios de inelegibilidades, ou seja, de quem não pode se candidatar. O PL de iniciativa popular precisa ser votado e aprovado no Congresso Nacional para se tornar lei e passar a valer em todas as eleições brasileiras.

No dia 29 de setembro de 2009, o MCCE entregou ao presidente da Câmara dos Deputados, Michel Temer, o Projeto de Lei de iniciativa popular, junto com 1 milhão e 300 mil assinaturas o que corresponde à participação de 1% do eleitorado brasileiro.

O PL já foi protocolado na mesa da Câmara e iniciou seu processo de tramitação na Casa, que será acompanhado de perto pelo MCCE.
 
Imperatriz se destaca nas assinaturas
 
Segundo informações do Boletim do Comitê da Cidadania de Imperatriz, edição nº 19, de março do corrente ano, o Maranhão contribuiu com 45.226 assinaturas, ficando assim em décimo terceiro lugar entre os estados da federação.
 
(Foto 1: Entidades entregam assinaturas à Câmara;
Foto2: Seminário em Imperatriz projeto Ficha Limpa 30/03/2009 ); Foto 3: Padre Argenor, um dos líderes destacados da campanha Ficha Limpa em Imperatriz)
 
 
 
Dessas 45.226 , Imperatriz contribuiu com 30.073 assinaturas (66% do total do estado), alcançando através do esforço do Comitê da Cidadania, 20,18% dos eleitores do município. "Provavelmente Imperatriz seja a única cidade que tenha alcançado essa proporção", diz o Boletim.
 
No ranking de recolhimento dessas assinaturas em Imperatriz , em primeiro lugar vem a Diocese da Igreja Católica com 16.783 assinaturas (55,80%); em segundo lugar o Comitê da Cidadania, com 5.573 assinaturas (18,53) e em terceiro lugar a Aliança Bíblica Universitária, com 1.600 assianturas (0,05%). As demais entidades, cerca de 40, recolheram abaixo de 1.000 assinaturas.
 
(Foto 4: Militantes do Comitê da Ciadadania de Imperatriz)
 
A consciência cidadã de Imperatriz   
 
A participação de Imperatriz no recolhimento de assinaturas ao projeto Ficha Limpa é um recado aos políticos de que o nível de consciência de cidadania do Imperatrizense está cada vez maior, desde o Movimento de janeiro de 1995 que afastou o prefeito Salvador Rodrigues, a chamada Revolução de Janeiro, minimizada por alguns que considerarm um ato consentido pelos "donos do Maranhão", mas que foi ímpar no Brasil e até hoje como uma semente de cidadania, continua germinando.
 
Nesta linha, espera-se que este ano, apesar dos "rapapés" e da propaganda "redentora" da governadora de plantão, o povo de Imperatriz e do Maranhão do Sul continue rebelde e diga não ao continuísmo oligarquico que cambaleante teima em se manter no Maranhão.

sexta-feira, 19 de março de 2010

Jackson Lago: "É meu dever oferecer o meu nome"

O governador deposto Jackson Lago (PDT) anunciou, na tarde desta quinta-feira (18), sua intenção de disputar o governo do Maranhão nas eleições de outubro deste ano. A declaração foi dada durante entrevista coletiva concedida após desembarcar às 16h20 em São Luís depois de uma temporada na cidade de São Paulo para a realização de exames médicos de rotina.


“Tive ausente por um período prolongado em São Paulo procurando recompor a saúde com o objetivo único de estar ao lado de cada mulher e homem que deseje retomar a luta pela ética e justiça social nesse estado. Dessa forma entendo que é meu dever oferecer meu nome”, afirmou.

No auditório da Infraero - prédio anexo ao aeroporto internacional Marechal Cunha Machado -, Jackson Lago disse aos jornalistas que está “muito bem de saúde” e mais uma vez preparado para enfrentar o grupo Sarney na disputa pelo governo do Estado.

“Em relação a minha saúde, ela vai muito bem, estou me sentindo cada dia melhor. É minha obrigação procurar alcançar a rigidez física capaz de atender as aspirações de tanta gente. Para isso, estamos nos esforçando no sentido de que estejamos à altura política e fisicamente de uma tarefa de tamanha relevância”, disse.

Militantes de movimentos sociais, lideranças políticas, amigos, dirigentes partidários, jornalistas e correligionários de Jackson foram recepcioná-lo em um grande ato, que contou com gritos de ordem e palavras e manifestações de apoio ao governador deposto.

Confira abaixo os principais pontos da entrevista:

Discurso de abertura

“É um momento de muita emoção esse reencontro com muitas pessoas que tem dedicado boa parte de suas vidas na luta para melhorar as condições de nosso Estado. Tive ausente por um período prolongado em São Paulo procurando recompor a saúde para estar ao lado de cada mulher e homem que deseje retomar a luta pela ética, a justiça social e pela participação popular. Então é um momento muito feliz para mim de ver que há uma aspiração. Também considero legítimo e correto que todos os maranhenses aspirem chegar ao governo do Estado. Também entendo que é meu dever procurar ser conforme a vontade do meu partido, dos partidos irmãos e do sentimento popular o de oferecer meu nome. Para isso estamos nos esforçando para que estejamos à altura política e fisicamente de uma tarefa de tamanha relevância. Estou de volta, vamos voltar a conviver, sempre fui produto do trabalho, das lutas, dos exemplos, das companheiras e dos companheiros, fico muito feliz que estejamos aqui. Fica meus agradecimentos por essa carinhosa acolhida que nos dar energia, nos dar bastante força”.

Saúde

“Em relação a minha saúde, estou me sentindo cada dia melhor. Desde que sai do governo do Estado eu tenho ido a São Paulo com alguma freqüência, dessa vez quando fui retirado do governo eu demorei um pouco mais. Acho também que é minha obrigação procurar alcançar a rigidez física capaz de atender as aspirações de tanta gente. Minha saúde vai bem melhor, tenho como muita gente problema de próstata e de coronárias. Em 1996 eu operei pela primeira vez na próstata e de lá pra cá eu venho me cuidando e Deus tem me dado uma vida longa”.

Eleições 2010

“Eu estou chegando depois de um longo período de tratamento de saúde, vamos retomar os contatos que são comuns ao longo da nossa vida com os setores democráticos do estado. Vamos ouvir o sentimento das lideranças de diversos partidos e de diversas organizações, recolhendo essas opiniões. Espero fortalecer nossa convicção de que possa cumprir com o dever de oferecer o nome a população do estado para que ele se pronuncie sobre a violência, a usurpação do mandato, não do Jackson Lago, mas de mais de 1 milhão de eleitores”.

Possibilidade de palanque para o PSDB

“Semana passada eu fui convidado por um amigo comum lá em Brasília para jantar com o presidente nacional do PSDB, o senador pernambucano Sérgio Guerra. Achei que foi algo normal, pois de qualquer forma eu sou vice-presidente nacional do meu partido. Foram dois políticos que se encontraram num jantar na casa do senador Sérgio Guerra e trocamos ali opiniões. Estamos avaliando essa possibilidade”.

Perspectiva para enfrentar o grupo Sarney

“Sou militante social desde a juventude e nunca temi ante as fortalezas. Nós entendemos que ficou o sentimento da população, dessa forma temos a certeza que acontecerá este ano a mesma coisa que aconteceu em 2006, a vitória popular. Quem está na luta a quarenta anos como nós, queira os partidos políticos, queira os movimentos sociais, não está atrasado. Eu venho de longe, fui candidato diversas vezes, julgo que comecei cedo, cumpri o meu dever de militância desde a minha juventude”.

Equívocos no governo

“Há equívocos em todas as atividades humanas, e eles são para serem corrigidos”.

Aliança PDT/PSDB

“Nós estamos analisando esse quadro, há estados que têm a sua característica. No nosso estado há vários problemas, é um estado Sui Generis por que não conseguiu fazer alternância de poder mesmo depois do final da ditadura militar. O Maranhão ficou 40 anos sem alternância de poder, nós temos aqui uma política muito dirigida aos interesses do estado. Por isso nós vamos fazer o que for importante para a libertação do Maranhão.”

Candidatura única

“Eu sempre disse desde a eleição passada que o ideal é fazermos um plebiscito no primeiro turno, ou seja, o segundo turno no primeiro, mas também entendo que é legítima a aspiração de qualquer maranhense de dirigir o seu estado. Creio que se quiserem evoluir para uma candidatura única quem tiver o maior respaldo popular e compromissos com o nosso estado será aquele que terá o nosso apoio.”

Corrupção

“Todos os dias nós vemos nos jornais da família Sarney que o Jackson desfalcou vários milhões, nós estamos acostumados a conviver com essas calúnias e difamações. Eu tenho uma vida limpa, eu não construí nenhum patrimônio ao longo da minha vida pública, a única coisa que eu tenho é o apartamento em que eu moro. De maneira alguma isso irá me atingir.” (texto extraído do Blog do jornalista John Cutrim)

quinta-feira, 18 de março de 2010

Juízes e Promotores “TQQ”, quem conhece um?


Chega a ser hilário o debate entre o corregedor do Tribunal Guerreiro Júnior e o presidente da AMMA, Juiz Gervásio Protásio Júnior.

Os dois deixam transparecer que não sabiam que em algumas comarcas do Maranhão, juízes só trabalham terça, quarta e quinta. Não moram na comarca - conforme manda a Lei Orgânica da Magistratura Brasileira -, saem na sexta-feira, geralmente para a capital e só retornam na terça, quase sempre depois do almoço, quando “pegam no batente”.

Recentemente o corregedor do Tribunal, Antonio Guerreiro Júnior, teria feito declarações na imprensa de que “existem juízes TQQ”. Prontamente, no velho estilo corporativista que sempre domina certas classes, o presidente da Associação dos Magistrados do Maranhão – AMMA, Gervásio Protásio Júnior, considerou as declarações de Guerreiro de “precipitadas e inoportunas”.

Segundo Gervásio, tais declarações vão de encontro ao trabalho desenvolvido por Guerreiro e seus antecessores, considerando que cabe à Corregedoria proceder ao acompanhamento e fiscalização da atividade e produtividade de juízes de 1º grau.

“Se essa prática existir, no mínimo os antecessores do atual corregedor foram omissos e se assim tiverem se comportado, devem ser responsabilizados e investigados”, afirmou Gervásio.

Numa coisa o Corregedor pode se defender. Não pode responder por seus antecessores não terem tomado nenhuma providencia contra os gazeteiros. Só agora é o corregedor e me parece disposto a agir contra os abusos. Agora me espanta o Dr. Gervásio, sempre tão zeloso e incentivador das boas práticas forenses colocar dúvida, dizer que “se essa prática existir...”.

Claro que a prática existe, causando prejuízos incontáveis, geralmente aos mais pobres e sedentos de Justiça, fazendo com que a Justiça maranhense seja lenta, tardia, já que centenas de processos dormem nas gavetas ou prateleiras dos Fóruns, principalmente nos chamados grotões, municípios pequenos ou comarcas mais atrasadas do nosso estado.

Vou mais além: não existem apenas juízes “TQQs”. São também “TQQs” alguns Promotores de Justiça, que passam apenas três dias da semana em suas comarcas. Quem não conhece um juiz ou um promotor que age dessa maneira em sua cidade?

Vamos entrar no debate e ajudar o Tribunal de Justiça, a AMMA e o Ministério Público a darem um basta nessa prática nefasta de alguns membros da justiça ou do Ministério Público que tanto colaboram para o atraso da Justiça maranhense?

O email da Corregedoria para quem quiser fazer sua denúncia é:  chefgab_cgj@tjma.jus.br .

Não tenha medo, a Lei Orgânica da Magistratura Brasileira, em seu artigo 34 diz: “São deveres do magistrado: residir na sede da Comarca salvo autorização do órgão disciplinar a que estiver subordinado”.

Aproveitemos então o debate entre as duas autoridades para darmos a nossa contribuição cidadã para a melhoria da nossa Justiça...

Alô Dom Pedro!!!

sábado, 13 de março de 2010

Meio Ambiente Urbano: Câmara aprova Lei Nacional de Resíduos Sólidos

Imperatriz sai na frente. Desde o ano passado debate o assunto internamente e já se prepara para realizar a Coleta Seletiva do lixo.

O Plenário da câmara dos deputados aprovou nesta quarta-feira, dia 10, em votação simbólica o Projeto de Lei 203/91, do Senado, que institui a Política Nacional de Resíduos Sólidos e impõe obrigações aos empresários, aos governos e aos cidadãos no gerenciamento dos resíduos. A matéria retornará ao Senado para uma nova votação.

Os fabricantes, importadores, distribuidores e comerciantes terão agora que investir para colocar no mercado artigos recicláveis e que gerem a menor quantidade possível de resíduos sólidos. O mesmo se aplica às embalagens.

Deverão ser implementadas medidas para receber embalagens e produtos após o uso pelo consumidor de: agrotóxicos, seus resíduos e embalagens; pilhas e baterias; pneus; óleos lubrificantes, seus resíduos e embalagens; lâmpadas fluorescentes; e produtos eletroeletrônicos e seus componentes.

O processo de recolhimento desses materiais, sua desmontagem (se for o caso), reciclagem e destinação ambientalmente correta é conhecido como logística reversa. Para realizar essa logística, os empresários poderão recorrer à compra de produtos ou embalagens usados, atuar em parceria com cooperativas de catadores e criar postos de coleta.

Se a empresa de limpeza urbana, por meio de acordo com algum setor produtivo, realizar essa logística reversa, o Poder Público deverá ser remunerado, segundo acordo entre as partes.

Outros materiais recicláveis descartados ao final da sua vida útil deverão ser reaproveitados sob a responsabilidade do serviço público de limpeza urbana e manejo de resíduos sólidos.

Para fazer isso, o Poder Público deverá estabelecer a coleta seletiva, implantar sistema de compostagem (transformação de resíduos sólidos orgânicos em adubo) e dar destino final ambientalmente adequado aos resíduos da limpeza urbana (varredura das ruas).

As empresas de limpeza urbana deverão dar prioridade ao trabalho de cooperativas de catadores formadas por pessoas de baixa renda, segundo normas de um regulamento futuro. Os municípios que implantarem a coleta com a participação de associações e cooperativas de catadores terão prioridade no acesso a recursos da União em linhas de crédito, no âmbito do plano nacional de resíduos.

Proibições

Serão proibidas práticas como o lançamento de resíduos em praias, no mar ou rios e lagos; o lançamento a céu aberto sem tratamento, exceto no caso da mineração; e a queima a céu aberto ou em equipamentos não licenciados.

O texto proíbe também a importação de resíduos perigosos ou que causem danos ao meio ambiente e à saúde pública.

A regra sobre a disposição final adequada dos rejeitos deverá ser implementada em até quatro anos após a publicação da lei, mas os planos estaduais e municipais poderão estipular prazos diferentes, com o objetivo de adequá-los às condições e necessidades locais.

Empresas também precisarão ter planos de gerenciamento

Diversos segmentos da economia estarão sujeitos à elaboração de um plano de gerenciamento de resíduos sólidos, segundo prevê o PL 203/91. Entre eles, os setores de saneamento básico; de resíduos industriais, de serviços de saúde e de mineração; empresas de construção civil; e responsáveis por portos, aeroportos e terminais rodoviários.

O plano deverá conter um diagnóstico dos resíduos gerados ou administrados, a definição dos procedimentos sob responsabilidade do gerador dos resíduos; metas para diminuir a geração desses materiais e medidas corretivas de danos ambientais.

Esse plano será considerado parte integrante do processo de licenciamento ambiental de empreendimentos. A contratação de prestadores de serviços de coleta, armazenamento, transporte ou tratamento dos resíduos não isentará aqueles que os geraram da responsabilidade por danos provocados pelo seu gerenciamento inadequado.

Imperatriz já se prepara para implantar a coleta seletiva



Desde o segundo semestre do ano passado que um grupo formado por alguns secretários e assessores do governo municipal, coordenado pela Secretaria Municipal de Planejamento Urbano e Meio Ambiente – SEPLUMA, vem se reunindo, debatendo e montando um projeto para a implantação da Coleta Seletiva do Lixo em Imperatriz.

Somando ao projeto da prefeitura está um grupo de catadores de lixo da cidade, organizados pela secção local da Cáritas Brasileira Regional do Maranhão com o projeto “Reciclando Vidas”.

Na próxima quinta-feira (18), acontecerá na comunidade Nossa Senhora de Assunção, na Vila Redenção II, localizado na rua Antônio de Miranda, nº. 34, em Imperatriz, uma oficina de cooperativismo; leitura da proposta, aprovação do estatuto, fundação e eleição da primeira diretoria da Cooperativa de catadores de lixo de Imperatriz.

A idéia é nos próximos dias iniciar a coleta seletiva em caráter experimental. Diversos contêiners padronizados em pontos estratégicos da cidade: Calçadão, na Universidade do Sul do Maranhão (Unisulma), Praça de Fátima, condomínio Vereda Tropical, na Universidade Estadual do Maranhão (UEMA) e no campus da Universidade Federal do Maranhão (UFMA).

Os contêiners serão identificados para que a comunidade possa depositar de maneira consciente os resíduos sólidos que serão utilizados para reciclagem (reutilizado). A secretária adjunta da Sepluma explica ainda que cada contêiner terá capacidade para armazenar até mil litros de resíduos sólidos reciclados, como por exemplo: plásticos, papel, garrafas peti, entre outros.

“O núcleo de educação ambiental, da Sepluma, estará atuando em todos os pontos da circunferência do projeto piloto para conscientizar a comunidade, os trabalhadores e os estudantes sobre a importância de colaborar com a execução da coleta seletiva em Imperatriz”, frisa.

Rubeny Brígida afirma que a implantação do projeto da coleta seletiva é uma responsabilidade de toda a sociedade imperatrizense, especialmente dos pólos de educação (universidades) onde serão instalados os contêiner na cidade. “Essa é uma questão de educação ambiental, pois temos que refletir e questionar a nossa contribuição para o destino final desse lixo, melhorando a qualidade de vida da população e o meio ambiente em Imperatriz”, finaliza.

A seleção dos resíduos será feito pelos catadores previamente organizados pela futura cooperativa e os catadores que trabalham no lixão da estrada do arroz também serão organizados. O local passará por mudanças que estão sendo estudadas, já que ali existe uma obra inacabada de um aterro sanitário.

quinta-feira, 11 de março de 2010

Um ano do golpe que derrubou Jackson Lago. Cem anos do nascimento de Tancredo Neves


Ao completar um ano do golpe que derrubou o governdor do Maranhão Jackson Lago e ao mesmo tempo também cem anos do nascimento do  grande estadista Tancredo de Almeida Neves, o deputado federal Roberto Rocha (PSDB-MA) escreveu o artigo "Como água e óleo", que traça um paradoxo entre Sarney e Tancredo e mostra o descompasso do Maranhão na caminhada do país rumo á sua democracia plena.  Confira  a seguir:

   Como água e óleo

Completou um ano o golpe que feriu de morte a soberania popular do Maranhão. A cassação do governador Jackson Lago, a página mais infeliz da nossa história contemporânea, coincidiu com a data de aniversário de Tancredo Neves, cujo centenário de nascimento se celebra este ano.

As vicissitudes da política reuniram no mesmo drama as figuras de Tancredo e Sarney, este destinado a ser o fiador do poder militar na transição democrática do país. As reverências que a Nação presta hoje ao ilustre político mineiro ressaltam, por todos os contrastes, o inglório ocaso do político maranhense.

Louva-se em Tancredo a trajetória política marcada por princípios, dentre os quais o absoluto respeito ao ideário democrático. Era um "construtor de pontes", nas palavras de seu neto e herdeiro político, o governador Aécio Neves.

Toda a sua história foi moldada pela busca de ampliação dos espaços de diálogo e participação popular, na crença de que o valor maior é a liberdade. Por isso Tancredo passou tanto tempo na oposição, pregando idéias, combatendo lealmente, mas intransigentemente em defesa da democracia. Contraste absoluto, como água e óleo, com a biografia do senador pelo Amapá.

Sobre Tancredo, o senador Heráclito Fortes afirmou que “ele não construiu oligarquias. Não governou com curriolas. Governou com estilo, com sabedoria e, acima de tudo, com princípios”. Ao lado de Fortes, presidindo as homenagens prestadas no último dia 03 no Congresso Nacional, estava o velho oligarca, o patrono das curriolas, o paladino da eterna submissão ao poder sem princípios.

Foi feliz o governador José Serra ao destacar que o grande legado de Tancredo, expresso com os ideais da Nova República, foi a conquista da alternância tranqüila de poder, que no passado provocava a radicalização da sociedade brasileira. E festejou o fato de que “a alternância passou a fazer parte das conquistas adquiridas: já ninguém mais contesta a legitimidade das vitórias eleitorais e do natural desejo dos adversários vitoriosos de governar sem perturbações”, afirmou de cabeça erguida, para um cabisbaixo presidente do Senado.

Triunfo nacional, conquista da cidadania, persiste apenas no nosso Maranhão o velho modelo de dominação que não consente o diálogo, a renovação de quadros, a sadia disputa política. Foi esse o preço que nosso Estado pagou e ainda paga pela tragédia oligárquica, feita de descompromisso, descaso e insensibilidade.

Pontuou ainda o governador Serra que um dos frutos mais benéficos da alternância de poder no país foi a possibilidade de ascensão do Partido dos Trabalhadores, que acabou tornando-se beneficiário das conquistas sociais e culturais da nova Constituição que muitas vezes o próprio PT combatera.

E concluiu que “o Brasil de hoje tem a cara e o espírito dos fundadores da Nova República: senso de equilíbrio e proporção; moderação construtiva na edificação de novo pacto social e político; apego à democracia, à liberdade e

à tolerância; paixão infatigável pela promoção dos pobres e excluídos, pela eliminação da pobreza e pela redução das desigualdades”. Faltou apenas completar com a ressalva, “à exceção do pacto reservatti dominii, o pacto de reserva de domínio das terras do Maranhão".

Tenho dito que esta questão, a cassação do mandato popular outorgado a Jackson Lago, transcende a todos nós, inclusive ao próprio outorgado. Está claro que quando o Senador Sarney, com seus ocultismos, anula em seu favor a vontade da maioria, mais do que um malefício político a seus adversários, ele está em verdade cometendo um crime à democracia, um vilipêndio à República, um escárnio com as instituições basilares das sociedades civilizadas.

quarta-feira, 10 de março de 2010

Jabor cita o Maranhão sobre o ridículo dos escândalos no Brasil


O Maranhão voltou a ser alvo de crítica no noticiário nacional. Desta vez, durante comentário de Arnaldo Jabor, no Jornal da Globo. Jabor afirma: "Mas, nem no Maranhão? Onde há tantos ladrões? Ao menos lá devia haver mais alojamentos", certamente teve como referência os escândalos envolvendo o presidente do Senado, José Sarney (PMDB-AP), e mais recentemente o filho Fernando Sarney, indiciado no inquérito da Operação Faktor, da Polícia Federal, por formação de quadrilha, gestão de instituição financeira irregular, falsidade ideológica e lavagem de dinheiro.

Veja o comentário:

terça-feira, 9 de março de 2010

No Maranhão se intensificam as cobranças para que as Oposições se atirem logo na campanha.


Poucos sabem que, para não variar, como em todas as Oposições que se prezam, as do Maranhão também se fazem com muitos caciques e poucos índios, os quais mesmo sendo poucos ainda são mantidos longe dos apitos, isto porque, como os caciques de antigamente, os das Oposições acham que os índios desta taba timbira só estão a fim de apitos.

Tradições à parte, as conversas avançam


Flávio, do PC do B, será mesmo candidato a Governador com PT ou sem PT na rebarba. Como já está certo mesmo que Lula não vai deixar o PT fora da coligação com o PMDB, o Vice de Flávio deve sair do PSB, possivelmente José Reinaldo.


Tem uma turma querendo queimar Jackson espalhando que ele está na Inglaterra tratando da saúde e que seu estado seria tão grave que não agüentaria dois meses de campanha.

Tudo onda.

Jackson está em São Paulo vivíssimo da silva, com saúde de atleta da terceira idade, e sábado último ele foi visto com Dona Clay, na Feira Livre da Vila Madalena, comendo pastel e bebendo caldo de cana.

Leia mais: http://www.edsonvidigal.com

segunda-feira, 8 de março de 2010

Infraestrutura: Madeira assina nesta terça-feira contrato de 14 milhões de reais com a Caixa Econômica Federal


Recursos são oriundos de emendas parlamentares reivindicadas pelo prefeito e serão aplicados em obras na infraestrutura urbana da cidade


O prefeito Sebastião  Madeira assina às 9h da manhã desta terça-feira (9), no seu gabinete na Prefeitura, contrato com a Caixa Econômica Federal (CEF) na ordem de R$ 14 milhões de reais para obras de infraestrutura urbana no município de Imperatriz.

Os recursos são o resultado de emendas ao Orçamento Geral da União (OGU) de 2009 apresentadas, e já devidamente empenhadas, por sete dos 18 representantes do Maranhão no Congresso Nacional, por reivindicação do prefeito Sebastião Madeira, que mesmo antes de assumir o mandato esteve pessoalmente em Brasília conversando com os parlamentares pedindo por Imperatriz. Madeira esteve praticamente em todos os gabinetes.

“Quase todos os deputados maranhenses apresentaram emendas para o nosso município, mas como todos sabem, nem sempre as emendas apresentadas são empenhadas. Mesmo assim, ainda foi possível empenhar R$ 14 milhões de reais com os quais poderemos executar obras importantes e, há muito, esperadas pela população” declarou o prefeito Sebastião Madeira.

Com esses recursos, informa o prefeito, será possível, por exemplo, o asfaltamento de ruas no Santa Inês, Novo Horizonte, Santa Rita, Vila Redenção I e II, e na grande Vila Nova, e ainda revitalizar a Beira Rio e construir, no hoje Barjona Lobão, a Praça da Juventude com vários equipamentos, incluindo uma piscina, para a prática de esporte e lazer. Também será possível a construção de quadras cobertas no Ouro Verde, Vila Davi II e no Conjunto Planalto.

Segundo o secretário municipal da infraestrutura Roberto Alencar, os projetos para a consecução dessas obras assinaladas pelo prefeito Sebastião Madeira já estão praticamente concluídos; depois, segundo ele, as mesmas entram em fase de licitação e logo em seguida vem a assinatura da ordem de serviço. Em aproximadamente seis meses as obras estarão em pleno andamento.





08 de Março, Dia Internacional da Mulher: Militante feminista de Imperatriz será homenageada hoje na Assembléia Legislativa

Uma das mulheres mais destacadas na vida contemporânea de Imperatriz, a militante Feminista e de Direitos Humanos, Conceição Amorim, será uma das homenageadas hoje na Assembléia Legislativa do Maranhão, por ocasião das comemorações e registros do dia internacional da Mulher, o 08 de Março que nesta data completa cem anos.

A sessão solene que homenageia também outras mulheres terá início às 17h, no Plenário da Assembléia Legislativa. A Casa inicialmente prestará, mais uma vez, homenagem à médica e militante comunista Maria José Aragão (in-memoriam), pelo transcurso de seu centenário de nascimento, ocorrido no último dia 10 de fevereiro.

Conceição de Maria Amorim, solteira, nasceu em Mossoró, no Rio grande do Norte, em 27 de junho de 1963. Em fevereiro de 1977 chegou a Imperatriz juntamente com seus pais e seis irmãos. Concluiu o ensino fundamental na escola Santa Terezinha, começou a trabalhar em 1978 como professora na Escola Frei Dario, ainda em 1977 ingressou no Clube de Jovens Nossa Senhora do Perpetuo Socorro, começou a participar das atividades culturais da cidade pela construção do Teatro Ferreira Gullar e como estudante apoiou a primeira greve de professores do município de Imperatriz.

Como uma das fundadoras do Partido dos Trabalhadores, em 1980 atuou no movimento estudantil até 1983 quando foi para São Paulo, passou num concurso publico na maior empresa de transporte Coletivo da América Latina a CMTC- Companhia Municipal de Transporte Coletivo e passou a militar no movimento Sindical , onde foi a principal articuladora do Departamento Feminino do Sindicato dos Condutores de São Paulo. Dirigiu a maior Comissão de Garagem da Empresa e por lutar contra a privatização foi demitida por “justa causa” pelo Prefeito Paulo Maluf, retornando a Imperatriz em 1994.

Em 1996 juntamente com outros abnegados de Imperatriz, Conceição criou o Comitê Permanente Contra a Violência e a Negligencia Médica, após um companheiro de trabalho ter sofrido um assalto, ser espancado e morrido sem a assistência médica.

Em 1996 assumiu Conceição assumiu a presidência do Conselho da Saúde , e dirigiu a luta pela Municipalização Plena do Município de Imperatriz, representando o Movimento Fagulha. Neste mesmo ano teve sua filha Iza.

Em 1999, foi nomeada e empossada na primeira composição do Conselho Municipal dos Direitos da Mulher. Participou da fundação do Movimento Fagulha, que culminou com a criação do Centro de Promoção da Cidadania e Defesa dos Diretos Humanos Padre Josimo. Foi eleita Coordenadora geral, em 2001, articulou a Coordenação Feminista do Centro de Direitos Humanos para atuar politicamente na luta pelos direitos da mulher e passou a atuar no movimento de mulheres já existente no município, e do Estado dando ênfase a luta contra a violência doméstica e familiar contra a mulher.

Em 25 de novembro de 2000, Conceição Organizou a primeira audiência publica para discutir a política de segurança pública de enfrentamento à violência contra a mulher. Liderou a luta pela implantação dos organismos e instituição de enfrentamento a violência contra a mulher, como o fortalecimento da Delegacia da Mulher, a criação da Casa Abrigo para mulher em situação de risco de vida, a implantação da Vara da Mulher, da Promotoria da Mulher e do Centro de Atenção de Referencia e Assistência à Mulher no Município de Imperatriz.

Formada em Serviço Social em 2009, Foi a primeira Coordenadora da Coordenadoria de Enfrentamento a Violência Contra a Mulher da Secretaria Municipal de Política para a Mulher da Prefeitura Municipal de Imperatriz, na gestão de Sebastião Madeira, é Coordenadora do Centro de Direitos Humanos Padres Josimo, Assessora do Gabinete da Deputada Helena Heluy e Coordenadora do Fórum de Mulheres de Imperatriz.


Prefeitura de Imperatriz realiza ampla programação para homenagear as mulheres


Em Imperatriz a programação alusiva a Semana da Mulher começou desde o dia 1º  de Mraço, com uma blitz, às 8h, nas praças Brasil e de Fátima, no Centro, em Imperatriz e às 17h, a chamada ‘Tarde com Vizinhos’”.

Na quarta-feira (3), das 8h às 11h, foi realizada uma palestra com o tema: “Mulher e Meio Ambiente” cujo público-alvo foram os servidores da Secretaria Municipal de Educação (Semed).

Já na quinta-feira, 4, das 8h às 11h, aconteceu  a palestra “Mulher e Meio Ambiente” destinada aos servidores e servidoras da Secretaria Municipal de Desenvolvimento Social (Sedes). No mesmo dia das 14h às 17h, foi ministrada palestra com o mesmo tema direcionado as funcionárias da Secretaria de Governo (Segov); Secretaria de Administração (Seamo), Secretaria de Planejamento Urbano e Meio Ambiente (Sepluma); Secretaria de Agricultura, Abastecimento e Produção (Seaap), Secretaria de Desenvolvimento Econômico (Sedec) e Secretaria de Trânsito e Transportes (Setran), Secretaria da Juventude e Esporte (Sejuves); Secretaria de Infraestrutura (Sinfra), Secretaria da Fazenda Municipal (Sefazgo); Fundação Cultural de Imperatriz (FCI), Assessoria de Comunicação (Ascom) e Defesa Civil.

Na sexta, dia 5, aconteceu a palestra ‘Mulher e Meio Ambiente’ para servidores da Secretaria Municipal de Saúde (Semus)” e apartir das 15h, foi feita a mudança do nome da Praça Calango, no bairro da Vila Nova, que passará ser chamada Praça "Dona Morena", em homenagem a um líder comunitária (já faleciada)daquele bairro.

No sábado (6), a comemoração alusiva ao Dia Internacional da Mulher teve prosseguimento com a realização das 8h às 11h de uma grande panfletagem no Calçadão, também com entrega de Flores pelo próprio prefeito Sebastião Madeira.

Ainda no sábado, às 15h, foi realizada uma palestra no Clube de Mães dos núcleos Nossa Senhora da Conceição, Santa Rita e Menino Jesus e no domingo, 07, a secretária da Mulher, Conceição Formiga visitou o interio do município, estendendo a programação aos povoados Petrolina, São Félix, Coquelândia, Olho D’Água dos Martins, Lagoa Verde, Camaçari e Centro Novo.

PONTO ALTO – Hoje, segunda-feira (8), as 6h, aconteceu  alvorada com queima de fogos de artifícios; palestras das 14h às 16h, nas escolas da rede municipal de ensino e, ainda, às 19h30, solenidade em homenagem de reconhecimento a 10 mulheres na luta pela igualdade de direitos.

domingo, 7 de março de 2010

Sarneysistas dão vexame em inauguração da concessionária da Toyota em Imperatriz


Ildon foi para o dispositivo de honra sem ser chamado. Lobão e João Alberto cansaram a platéia...


Parece até coisa de adversário que não dá trégua, mas não é nada disso. Apenas vou colocar aqui o que é um comentário geral neste fim de semana nas rodas políticas da cidade, as gafes e exageros cometidos pelo pessoal do Sarney no maior evento social do ano até agora em Imperatriz, a inauguração da Umuarama Motors, concessionária da Toyota, na noite de  sexta-feira, 05.

Além da nata empresarial e política da região e do estado, estavam presentes políticos do Tocantins, como o governador Carlos Gaguin, o alto escalão da Toyota no Brasil e o publicitário Duda Mendonça, entre outros figurões.

Mas, vamos aos finalmente: na hora da composição do chamado “dispositivo de honra”, foram convidados apenas os representantes da Toyota, o governador do Tocantins, o governador do Maranhão em exercício, João Alberto, o Ministro Edison Lobão o presidente da Câmara de vereadores Hamilton Miranda e o prefeito Sebastião Madeira.

Pois bem, para espanto geral da platéia o ex-prefeito Ildon Marques subiu ao dispositivo sem ser convidado. Foi uma forçada de barra de quem ainda não entendeu que não representa nada no momento, é apenas um ex-prefeito, que poderia sim ser citado pelo cerimonial, mas não havia motivo para fazer parte do dispositivo de honra e por isso não foi chamado.

Tudo bem, a cerimônia seguiu, com todos falando pouco, cada um em média se atendo a dez ou quinze minutos. Até o prefeito, que deveria e poderia fazer um discurso mais longo, entendeu o momento e apenas deu as boas vindas ao empreendimento, se comprometendo a melhorar cada vez a infraestrutura da cidade e ajudar na formação de mão de obra.

Mas o vice-governador João Alberto e o Ministro Edson Lobão não se deram conta do momento nem do local onde estavam e resolveram aproveitar para realizarem talvez os discursos mais longos de sua vida, fazendo propaganda de Roseana e anunciando a redenção do estado com os empreendimentos mirabolantes que segundo eles acontecerão no Maranhão.

Lobão e João Alberto disseram que agora o Maranhão vai ser um paraíso, haverá emprego pra todo mundo, moradia e segurança pública de primeira. Isso sem esquecer de colocar indiretamente os dois governos anteriores de José Reinaldo e Jackson como corruptos e incompetentes, tudo no velho estilo do “eu sou, eu posso, eu quero”. Lobão chegou a dizer que é o ministro que detém o maior orçamento da nação. Se comparando a um grande general de sorte, sem esquecer de prometer - como faz em todo ano de eleição -, a construção da Hidrelétrica de Serra Quebrada.

Não deu outra, a platéia apenas prestou atenção por cerca de dez minutos e depois praticamente virou as costas durante os dois discursos, formando rodinhas e papeando, como se não houvesse ali nenhum orador. O descaso foi tanto que a cerimonialista chegou a pedir a atenção de todos, pois naquele momento ainda iria falar o último orador, se não me engano um representante da Toyota. Não adiantou, cansados os convidados passaram a andar e conversar.

Foi um vexame, mas que deveria servir de lição aos roseanistas. Estes estão tão afoitos para avançar nos votos dos imperatrizenses que acabam forçando a barra. A coisa ficou tão feia que até pessoas ligadas ao grupo sarney ficaram envergonhadas.

Ontem pela manhã na Banca do Chico, na Praça de Fátima, um roseanista de carteirinha disse: "Eles conseguiram desagradar todo mundo". Outro, formador de opinião, também ligado ao grupo, atacou: "Alguém precisa avisar para o Ildon que ele não é mais nada, está sem cargo político e nem candidato ainda não é, para querer estar sempre em destaque".

Era isso. Depois conto mais...Hasta la vista!



sexta-feira, 5 de março de 2010

Ciro Gomes: "Não sou puxa-saco do Lula"


"Sem papas na língua", o pré candidato a presidencia da República, deputado federal Ciro Gomes, garante já ter tomado a decisão sobre seu destino nas próximas eleições e aproveita para "espinafrar" seus possíveis concorrentes, afirmando também que não está na lista dos puxa-sacos do presidente Luís Inácio Lula da Silva.
A entrevista está na Revista Istoé edição 2103 de 26 Fevereiro do corrente ano. Para quem quiser apreciar, eis o link: 

quarta-feira, 3 de março de 2010

Entrevista com o deputado Aldo Rebelo: “Temos que encontrar um caminho para a sucessão no Maranhão”


Deputado diz que seu partido tem orgulho em ter Flávio Dino, mas também tem um grande apreço por Roseana e José Sarney

Numa encruzilhada difícil, é como se encontra o Partido Comunista do Brasil (PC do B), tanto no Maranhão como em Brasília. Cabe aos comunistas o desafio de manter a candidatura a governador do deputado federal Flávio Dino e ao mesmo tempo se manter fiel ao projeto nacional do seu parceiro o PT, que tem como grande aliado o senador José Sarney, também considerado um “amigão” do Pc do B.

Pelo menos foi o que disse o deputado federal Aldo Rebelo (PC do B - SP) a este jornalista em entrevista concedida durante almoço no restaurante Cabana do Sol na última terça-feira, 02, em Imperatriz, por ocasião da sua vista à cidade para participar de audiência pública que tratou da reforma do Código Florestal.

Aldo Elogia Flávio, mas diz que o Pc do B tem grande apreço por Sarney e até coloca o partido como devedor do velho oligarca. A entrevista do deputado comunista tem dois entendimentos, o de que é preciso pensar no projeto nacional do PT/PC do B e na amizade política que une os comunistas a Sarney/Roseana, mas também na autonomia do PC do B no Maranhão, sendo que um projeto não pode suplantar o outro...

Um fio de esperança para os que defendem a candidatura do ex-juíz federal é a palavra autonomia, pronunciada várias vezes pelo deputado Rebelo, apesar de que sabemos que no PC do B muitas vezes o famoso “centralismo democrático” fala mais alto.

Mas vejam o que disse Aldo Rebelo e tirem suas conclusões... A entrevista foi gravada e está transcrita ipse liter.

- Como fica a situação no Maranhão diante da pretensão do PC do B e outros partidos da base aliada do governo Lula em lançar Flávio Dino candidato a governador? Caso isso aconteça como fica Roseana Sarney e a exigência de Lula em ter um só palanque em cada estado?

“Eu creio que as forças políticas do Maranhão, inclusive o meu partido, com a liderança destacada e respeitada do deputado Flávio Dino, encontrarão um caminho para combinar o arranjo das forças locais com o desafio nacional que é a unidade da base do governo em torno da candidatura que vier a se consolidar, porque atualmente há duas, a da ministra Dilma Rousseff e a do deputado Ciro Gomes, mas creio que o tempo se encarregará de apontar o caminho e de resolver. O Pc do B não é o problema, é parte desse desafio.

- Qual a importância de Flávio Dino para o PC do B?

“O Pc do B tem muito orgulho de ter um líder ainda jovem, respeitado e querido como o deputado Flávio Dino. O Pc do B também tem um grande apreço pela governadora Roseana Sarney e pelo presidente Sarney".

- Por que o PC do B tem tanto apreço por Sarney?

"Nós obtivemos a nossa legalidade como Partido graças ao empenho pessoal do presidente Sarney. Então a nossa responsabilidade é muito grande nisso”.

- A direção nacional do partido vai impor de cima para baixo o apoio a Roseana?

“Nós respeitamos a autonomia do partido nos estados... E... vamos aguardar para que a solução consiga acomodar todos os interesses nessa disputa”.

- É verdade que a direção nacional do PT já pediu que fosse retirada a pré-candidatura do deputado Flávio Dino?

“Eu não tenho conhecimento disso, pois aqui no Maranhão o deputado Flávio Dino é quem conduz essas negociações com a direção do partido. Nós respeitamos... E... eu não tenho conhecimento qual é a decisão ou a posição do PT em relação a sucessão estadual no Maranhão".

- Então nesse caso o PC do B deve ter candidato, pois suas lideranças rejeitam a coligação com Roseana...Como fica então Dilma, com dois palanques no Maranhão?

“O que eu sei é que nós temos que encontrar um caminho para a sucessão no Maranhão e encontrar um caminho para a sucessão no plano nacional. Nós não podemos em nome de um projeto abrir mão de outro, são projetos que tem importância e autonomia, tanto o do Estado como a do país”.

Matéria sobre Educação de Barreirinhas plantada por Alberico sobra para Roseana

Deu no blog do Ancelmo Raposo:

O prefeito de Barreirinhas Alberico Filho, plantou ou conseguiu plantar uma matéria na Rede Globo, sobre as condições precárias da educação de Barreirinhas. O objetivo da matéria era tentar influenciar os magistrados, sobre o destino político de Barreirinhas.

A reportagem teria como objetivo mostrar que o ex-prefeito de Barreirinhas Dr. Miltinho, tinha tratado com descaso as escolas municipais, no entanto a reportagem feita pelo jornalista Sidney Pereira deu a perceber em seu texto que o problema era do Governo do Estado e da Secretaria de Educação que tinham abandonado as escolas.

Alberico ainda deixou passar para o Brasil inteiro que as aulas em Barreirinhas não iriam começar esse ano porque as escolas não tinham as menores condições de funcionamento.

Conversei agora ha pouco com Fábio Rocha, ex secretário de educação, e o mesmo me afirmou que durante toda a administração de Miltinho (PT), as crianças de Barreirinhas não ficaram nenhum dia sem aula.

E completou: "é verdade que ainda exista escola funcionando em casas de taipa, mas a herança que recebemos não pode ser consertada em uma única gestão."

Até o Secretário César Pires já foi envolvido no assunto e não tem nada a ver com isso, pois as escolas são municipais. Alberico Filho tentou atacar os adversários e acabou jogando lama no ventilador.



terça-feira, 2 de março de 2010

Minhas impressões sobre a Audiência Pública de Imperatriz que debateu a reforma do Código Florestal Brasileiro



Inicialmente meio tumultuada, mas depois transcorrendo de maneira tranqüila, aconteceu durante toda a manhã e parte da tarde desta terça-feira, 02, a audiência pública da Câmara dos deputados, em Imperatriz para tratar sobre a reforma do Código Florestal.

As galerias e o plenário da Câmara municipal  ficaram lotados, em sua maioria pelos ruralistas ou representantes do agronegócio, que durante os últimos dias se mobilizaram para participar do evento.

O mesmo não aconteceu com os ambientalistas e lideranças dos chamados movimentos sociais, que ficaram reduzidos a cerca de 50 pessoas encantonadas no final do lado direito das galerias. Inicialmente gritaram palavras de ordem, vaiaram os adversários, mas depois foram se dando por vencidos e ao final já não se ouvia sequer o balançar das poucas bandeiras verdes, confeccionadas para o evento.

A composição da mesa e as inscrições para os representantes dos dois lados não foi nada democrático. Quase 8 defensores do agronegócio e apenas dois pelo lado dos ambientalistas, isso contando com o deputado Valdinar Barros que fez um discurso pela manutenção do Maranhão dentro do zoneamento da Amazônia legal e pela defesa da Agricultura Familiar.

Mesmo assim a situação ficou mais equilibrada ao ser liberado o microfone para a participação das galerias, quando cerca de 30 pessoas se pronunciaram. Também teve uma boa participação a destemida Conceição Amorim, que entregou à comissão - depois de um contundente discurso - um documento assinado por mais de 40 entidades.


"Há os que fumam, há os que cheiram..."
 
Um momento de riso geral aconteceu durante a fala de Conceição Amorim, quando ela ao finalizar fez um protesto contra o que considerou "uma falta de respeito" um adesivo que circula nos carros dos ruralistas afirmando que "Ambientalista não planta o que fuma" e  aproveitou para um contra-ataque: "Quero no entanto dizer que não plantamos o que fumamos, mas os filhos da burguesia rural também não plantam o que cheiram..." Foi um momento de descontração geral.
 
Ambientalistas e ruralistas juntos vaiam Roseana
 
Mesmo ausente na audiência, mas muito bem representada pelos secretários Gastão Vieira e Waschington Rio Branco, a governadora Roseana ao ter simplesmente seu nome citado por Gastão Vieira, recebeu uma sonora vaia. Foi esse o único momento em que os ruralistas, os militantes dos movimentos sociais e ambientalistas estiveram do mesmo lado. Vale lembrar que é a segunda vez que a simples menção do nome da governadora em Imperatriz é motivo para vaias. A vez anterior foi na abertura do carnaval, quando o secretário extraordinário do Sul do Maranhão, Adhemar Freitas, foi fazer agradecimentos "ao apoio de Roseana ao carnaval de Imperatriz".
 
Finalizando, digo que deu para sentir que o novo Código Florestal ficará ao gosto dos ruralistas e defensores do agronegócio. A começar pelo relator, Aldo Rebelo, o tom é de conciliação, mas totalmente favorável aos chamados "produtores".
 
Como defensor do desmatamento zero, só me resta esperar que "nem tanto o céu nem tanto o mar". Que ao pender para atender os reclamos dos ruralistas, os que aprovarão o novo código não sejam tão benevolentes com os desmatadores e lembrem-se que se a gente não barrar a devastação o mundo vai esquentar e ai não haverá mais nada para plantar. E o que vamos colher é o Apocalipse...Que Deus tenha piedade de nós!

Código Florestal: Audiência pública acontece hoje na Câmara


Os ruralistas estão sempre na contramão da história?

Daqui a pouco (9:00 hrs), começa na Câmara Municipal de Imperatriz a Audiencia Pública tão anunciada que vai debater a reforma no Código Florestal Barsileiro.

Durante toda a semana o que se viu aqui na mídia foram os ruralistas, liderados pelo empresário Sabino Costa ocuparem os meios de comunicação para se lamentarem, e exigirem que caso o Código seja aprovado da forma como querem os ambientalistas, o país irá à falência com o fim da produção e por ai destoaram um rosário de defesas.

Pelo lado dos chamados movimentos sociais ou dos ambientalistas,não se viu nem ouviu muita coisa. Apenas
a militante  feminista de Direitos Humanos Conceição Amorim disparou alguns petardos contra o que ela classifica de devastadores da natureza, os  ruralistas.

Vamos ver como os dois lados e comportaram daqui a pouco e quem vencerá o debate. Se a formos olhar só por quem apareceu mais na mídia, os ruralistas comem a parada, pois nunca ví uma cidade tão demobilizada em suas entidades.

Agora gente, vocês já notaram como esses ruralistas só pegam coisa difícil e estão sempre na contramão da história?

Vejam: No período colonial defendiam a escravidão dos negros, depois vem a luta pela reforma agrária e os ruralistas reagiram pesado, na bala. Agora vem a luta pela defesa do meio ambiente, uma coisa que está ai a bater na nossa cara. Se a gente não der uma basta na devastação o mundo vai explodir...Não foi diferente a reação dos ruralistas: estão novamente teimando, remando contra a maré...

Mas, será que eles estão certo, se a gente preservar a maioria das matas o Brasil vai passar fome, sem produção agrícola? Bom, eles diziam que se a escravidão fosse abolida o país se acabaria. Deram "com os burros n'água..."

Bom, prefiro o verde, a vida, as matas... que os ruralistas, oa agronegócio, busque a tecnologia, afinal poque se precisa de tanta terra para criar boi?
Té mais gente, depois eu conto como foi a audiência pública...