quarta-feira, 29 de fevereiro de 2012

PDT maranhense: uma direção "dos sem voto e sem moral”.


Clay Lago, durante coletiva que lançou o CRD
Como filiado do PDT de Imperatriz, eu Josué Almeida Moura, venho anunciar publicamente minha adesão oficial ao Comitê de Resistência Democrática, anunciado em entrevista coletiva na manhã desta segunda-feira, 27, pela ex-primeira dama do Estado Clay Lago, que tem como principal finalidade defender o respeito à vontade da maioria dos filiados ao PDT no Maranhão.
Igor e Clay, recebem solidariedade de companheiros do PDT
Maioria essa duramente vilipendiada pela direção Nacional - leia-se Carlos Lupi e seguidores - que ao invés  de renovar a Comissão Provisória Estadual presidida por Igor Lago, filho do ex-governador, resolveu nomear uma nova Comissão, presidida pelo ex-deputado Julião Amin.
Concordo em gênero, número e grau com as afirmações de Clay Lago quando denuncia: “Foi uma intervenção. É uma direção imposta, autocrática e sem nenhuma representatividade”. 
Clodomir, Jean, Julião, Weverton e Dionísio
Realmente, é uma direção sem moral no campo ético, sem representatividade, inclusive de votos. A direção dos "sem voto".
Senão, vejamos:
1 - Julião Amim, deputado federal, tentou uma reeleição foi derrotado nas urnas na eleição passada; qualquer pessoa minimamente versada na política maranhense saberá que Julião é uma espécie de dinossauro da política maranhense.
2 - Weverton Rocha, um dos mentores do golpe contra Igor Lago, candidato a deputado federal, também foi derrotado no último pleito, sem falar que tem uma péssima imagem no Maranhão, onde responde por denúncias de mau gerenciamento quando foi secretário de Esportes. Este, apesar de ainda jovem representa tudo o que a oposição não precisa: mau exemplo de gestão de recursos públicos, vide denúncias nacionais no Ministério do Trabalho e aqui mesmo no Maranhão quando secretário de Estado no governo Jackson Lago.
3 - Jean Carlo, nunca foi votado. Nunca teve votos para se eleger nem a "inspetor de quarteirão", só assomou à condição de vice-prefeito de Imperatriz por intervenção de Jackson Lago que caiu na sua lábia e o indicou vice de Sebastião Madeira. Notem, é um grande ingrato esse Jean. O vice-prefeito Jean Carlo provavelmente não tem força política para se eleger vereador em Imperatriz;
4 – Carlinhos Amorim, deputado estadual, quase não consegue se eleger. Depois de ter tentado se eleger prefeito uma vez, deputado duas vezes, se elegeu “na rabeira”, como se diz no linguajar popular. Tudo isso, mesmo tendo o apoio do prefeito de Imperatriz e do senador Edison Lobão, de quem dizem que é afilhado de batismo.
5 – Clodomir Paz, quer retornar ao poder político a qualquer preço. Faz qualquer negócio para ele próprio indicar-se a vice de Castelo. Apesar de toda vontade de poder Clodomir tem dificuldades as mais expressivas quando o assunto é o voto popular. Por isso, quer ser o carona do prefeito João Castelo.
6 – Renato Dionísio, em termos eleitorais este não existe e é o tesoureiro da Comissão Estadual do PDT. Não tem força política para se eleger a nada em São Luís e como dirigente partidário mais espalha do que agrega. É um polêmico por natureza.
7 - Os outros integrantes da famigerada Comissão Provisória ligados ao presidente Julião Amim e ao Secretário Geral Weverton Rocha nem são dignos de registro, pois não representam nada no contexto continental de votos no Maranhão.
Carlinhos Amorim e Jean Carlo
Nesta oportunidade concito a companheira Clay Lago, ao companheiro Igor Lago e aos demais companheiros dessa linhagem que repensem a situação política de Imperatriz.
Aqui não basta ser filiado oficialmente ao PDT e ser indicado por essa Comissão fajuta para receber a representatividade do ex-governador Jackson Lago, como quer fazer crer o vice-prefeito Jean Carlo e o deputado pré-candidato a prefeito Carlos Amorim.
Também não adianta ficar "por trás da moita" como faz o deputado Carlos Amorim apoiando um movimento ilegítimo e autoritário como este que destituiu a Comissão Provisória dirigida pelo médico Igor Lago. O deputado revela-se oportunista na medida em que viu na queda de Igor uma oportunidade para crescer dentro do partido.
Neste sentido, peço de público que os companheiros Clay e Igor Lago digam o mais rápido possível qual é a direção que os legítimos pedetistas de Imperatriz devem tomar nas eleições deste ano, independentemente da orientação a ser data pela Comissão Provisória fajuta dirigida pelo dinossauro Julião Amim e pelo rato de Palácios Weverton Rocha.
Finalmente, por concordar que temos que ampliar a resistência contra este arbítrio que se abate sobre nosso partido, convoco os demais filiados do PDT de Imperatriz a se juntarem à brava companheira Clay Lago, Igor, Chico Leitoa e tantos outros, no Comitê de Resistência Democrática.
Ao mesmo tempo também convoco os companheiros a repudiarem veementemente a decisão do deputado Carlinhos Amorim (presidente da Comissão Provisória Municipal) e do vice-prefeito Jean Carlo, em participarem desta comissão autocrática, deste infeliz esquema que maculou e dividiu o nosso partido.
Em nenhum momento Carlinhos e Jean reuniram o partido em Imperatriz para debater o assunto, ouvir, pedir a opinião ou mesmo para anunciar seus tresloucados atos de seguirem por um caminho distanciados da vontade da maioria, razão pela qual não merecem o nosso apoio nessa empreitada, nem mesmo para continuarem à frente do partido em Imperatriz.
Registre-se, por último, que o deputado Carlos Amorim não tem demonstrado capacidade de gerir nem a Comissão Provisória do PDT de Imperatriz. Quem não conhece ou ouviu falar em Imperatriz dos problemas de atrasos do aluguel do prédio sede da Comissão Provisória do partido, de não pagamento do salário da funcionária, dos constrangimentos sofridos pelo pedetista mestre João, isso tendo a frente da Comissão um deputado e um vice-prefeito da  segunda cidade maior do Estado. 

terça-feira, 28 de fevereiro de 2012

Conselhos Tutelares são reforçados para exercerem melhor seu trabalho em Imperatriz

"Há 10 anos as administrações descuidaram de qualquer política de revisão e melhoramento de salário dos conselheiros", disse o Ouvidor geral do Município Daniel Souza.
Hoje foi um dia especial para os conselheiros tutelares de Imperatriz: foi assinado pelo prefeito no auditório da Casa Brasil, Projeto de Lei que cria subsídio para os conselheiros Tutelar de Imperatriz. Um beneficio há muito reivindicado.

A proposta legislativa, gestada em discussão com os membros do Conselho Tutelar e o Ouvidor Geral de Imperatriz, o advogado Daniel Souza, além de recompor perdas salariais de vários anos, fixa um subsídio mensal de R$ 1.400,00 ao invés de R$ 830,00, e vai possibilitar, ainda, que conselheiros percebam um Tiquete-Alimentação de R$ 80,00, assim como acontece com os servidores do Município.
Os Conselhos Tutelares ( área I e área II) receberam hoje pela manhã das mãos do prefeito Madeira e da Secretária de Desenvolvimento Social Miriam Reis, as chaves de dois novos veículos para atender a demanda dos conselhos.

Já para atender a demanda do “social” dos povoados da Estrada do Arroz a assistente social Suzy Negreiros receberam as chaves de uma caminhonete novinha.

Hoje foi um dia especial para os conselheiros tutelares de Imperatriz: foi assinado pelo prefeito no auditório da Casa Brasil, Projeto de Lei que cria subsídio para os conselheiros Tutelar de Imperatriz. Um beneficio há muito reivindicado.

A proposta legislativa, gestada em discussão com os membros do Conselho Tutelar e o Ouvidor Geral de Imperatriz, o advogado Daniel Souza, além de recompor perdas salariais de vários anos, fixa um subsídio mensal de R$ 1.400,00 ao invés de R$ 830,00, e vai possibilitar, ainda, que conselheiros percebam um Tiquete-Alimentação de R$ 80,00, assim como acontece com os servidores do Município.
 DESCASO E DÍVIDA
Ao iniciar o processo de negociação com os representantes dos Conselhos Tutelar I e II, o Ouvidor Geral do Município, Daniel Souza, foi informado que há 10 anos as administrações descuidaram de qualquer política de revisão e melhoramento de salário dos conselheiros.

Durante todo esse tempo, os conselheiros relataram que foram ouvidor em 2009, quando o prefeito Madeira assumiu o cargo, onde conseguiram uma Gratificação de Condição Especial de Trabalho, fazendo com que o salário de R$ 830,00 fosse elevado R$ 1.000,00.

Também se descobriu, no decorrer do processo, que a legislação que criou o cargo de Conselheiro Tutelar de Imperatriz não tratou da fixação de subsídio, preferindo adotar como referência salarial o mesmo provento pago pela Administração a um cargo de nível médio, já, inclusive extinto em 2007.

O novo texto, segundo o Ouvidor Geral, resolve, definitivamente, todas essas questões, fixando subsídio, concedendo Ticket-Alimentação e criando parâmetros objetivos que possibilitarão a revisão dos salários dos conselheiros.

Como advogado trabalhista e ex-sindicalista, o Daniel Souza afirmou que o governo do Prefeito Madeira é, também, um governo trabalhista, que faz história em favor dos trabalhadores.

“Não tenho lisonja em afirmar que este governo faz história. No caso em tela, com a autorização do prefeito Madeira, resolvemos uma demanda que há anos maltratava a dignidade desses servidores eletivos, de atribuições fundamentais para a sociedade, vítimas não apenas do parco salário, mas, sobretudo, de flagrante desprezo. Orgulho-me de participar de um governo que, no quarto, se afirma também como um governo trabalhista, que ouve os servidores e que de fato encaminha suas reivindicações. Como ex-sindicalista posso dizer que se hoje deixasse o governo já teria honrado com os postulados que sempre preguei e defendi”, arrematou o Ouvidor Geral (ASCOM).

SERÁ QUE TEM CURA? Deputado cria projeto para "curar gays"

Deputado João Campos (PSDB-GO)
A proposta é do deputado federal João Campos (PSDB-GO), líder da Frente Parlamentar Evangélica da Câmara, e pretende permitir que a homossexualidade seja tratada como um transtorno passível de cura. 

Para tanto, o projeto de decreto legislativo prevê a abolição de dois artigos instituídos em 1999 pelo Conselho Federal de Psicologia que proíbem a emissão de opiniões públicas ou o tratamento da homossexualidade como um transtorno.

Na opinião de Campos, o conselho extrapolou seu poder ao “restringir o trabalho dos profissionais e o direito da pessoa de receber orientação profissional”. 

A notícia da proposta gerou resposta contundente do deputado federal Jean Wyllys (PSol-RJ), que publicou em seu site um artigo criticando as pretensões de João Campos. “O argumento de que a homossexualidade pode ser ‘curada’ é tão absurdo como seria dizer que a heterossexualidade pode ser ‘curada’ e é usado sem qualquer tipo de embasamento teórico ou científico e sempre por fanáticos religiosos que tem com o objetivo confundir a população com suas charlatanices”, escreveu Wyllys.

O assunto promete render...Vamos aguardar o debate...

Declarações de Clay Lago repercutem nacionalmente

Ganhou repercussão nacional, através da coluna do jornalista Cláudio Humberto, a matéria do blog do jornalista Décio Sá, com as declarações da ex-primeira-dama Clay Lago criticando a direção nacional do PDT e os “traidores” do partido no Maranhão.

O ex-deputado Julião Amim assumiu agora há pouco na sede da legenda, no Centro de São Luís, a presidência da Comissão Executiva Provisória Estadual. Ele minimizou as críticas de Clay dizendo que elas foram feitas num “momento de emoção”.

segunda-feira, 27 de fevereiro de 2012

TRÁFICO DE DROGAS SOFRE DURO GOLPE !

Operação das polícias Civil e Militar estoura laboratórios de refino de cocaína em Imperatriz

Do Jornal O Progresso

Diretor regional de Seg. Dr. Assis Ramos  examina droga apreendida
Em uma operação em conjunto, realizada na manhã desse sábado (25), policiais civis da Delegacia de Entorpecentes e policiais militares estouraram dois laboratórios de refino de cocaína em Imperatriz.

Os laboratórios foram estourados em dois pontos distintos da cidade. Um na Rua Pompeu Marinho, Parque das Palmeiras, e o outro na Rua Tupinambá, Jardim São Luís.

No laboratório do Parque das Palmeiras, os policiais apreenderam três quilos e trinta e nove gramas de cocaína pura; duas balanças de precisão, além de uma grande quantidade de produtos destinados ao refino da cocaína. No laboratório do Jardim São Luís, os policiais não encontraram cocaína, mas apreenderam também uma grande quantidade de produtos para o refino da droga.
Ideglan Gomes

No Parque das Palmeiras, três pessoas foram presas: Ideglan Gomes da Silva, 30 anos; Admael Pereira Soares, 22 anos, que segundo informações da polícia responde por um homicídio na cidade de São Bento, na Baixada maranhense; e Mayara Aquino dos Santos, de 20 anos. Essa jovem se encontrava na casa do Parque das Palmeiras e disse que estava apenas trabalhando e não tinha nada a ver com o refino e a distribuição da cocaína.

Mas ela e os outros dois elementos presos foram autuados em flagrante delito pelo delegado Jarbas Marinho, plantonista durante o dia de ontem, por tráfico e refino de droga.

Os três já se encontram à disposição da Justiça em celas da Delegacia Regional de Imperatriz.

A cocaína apreendida e os produtos para o refino da droga apreendidos serão levados para o Instituto de Criminalística (ICRIM) para os exames de praxe.

Vara de Execuções Criminais de Imperatriz agenda 52 julgamentos até maio

Juíza Samira Heluy
Destaque para os julgamentos dos dias 6 e 13 de março, que envolvem alguns acusados da morte de Renato Moreira, assassinado em 1993, quando era prefeito de Imperatriz.

A juíza Samira Barros Heluy, titular da Vara de Execuções Penais de Imperatriz, agendou três reuniões ordinárias do Tribunal do Júri Popular e um mutirão do Tribunal do Júri, totalizando 52 julgamentos. As reuniões ordinárias acontecerão durante os meses de fevereiro, com o primeiro julgamento ocorrendo nesta terça-feira (28), março e abril. Já em maio, ocorre o 1º Mutirão do Tribunal do Júri popular.

Durante as sessões ordinárias, serão realizados 27 julgamentos, nas cidades de Imperatriz e Davinópolis. Destaque para os julgamentos dos dias 6 e 13 de março, que envolvem alguns acusados da morte de Renato Moreira, assassinado em 1993, quando era prefeito de Imperatriz.

Já a pauta do 1º Mutirão do Tribunal do Júri Popular da Comarca de Imperatriz prevê a realização de 25 sessões de julgamento, no período de 21 a 25 de maio.

Para este mutirão, a juíza solicitou junto à Corregedoria Geral da Justiça a designação de dois servidores para auxiliar nos trabalhos no período de 30 de abril e 4 de maio, na realização dos atos preparatórios do mencionado mutirão, bem como no período de 11 a 15 de junho, para a realização dos atos posteriores ao trânsito em julgado das decisões proferidas no mutirão, a fim de que as atividades da secretaria, no tocante à execução penal, não sofram prejuízo.

Durante a semana do mutirão, serão realizadas cinco sessões diárias. Por isso, a juíza solicitou, também, a designação de alguns juízes para auxiliá-la. Entre os quais, Ernesto Guimarães (3ª Vara Criminal da Comarca de Imperatriz), Delvan Tavares do Nascimento (Vara da Infância e Juventude da Comarca de Imperatriz), Flávio Roberto Ribeiro Soares (1ª Vara da Comarca de João Lisboa) e Marcelo Testa (Vara única da Comarca Senador La Roque), que já manifestaram interesse em participar do evento.

Também foram solicitados quatro oficiais de justiça para atuar nos locais de julgamento. No que diz respeito aos locais de realização das sessões, o Poder Judiciário contará com o apoio da Facimp (Faculdade de Imperatriz) e Fest (Faculdade de Educação Santa Terezinha), que já disponibilizaram amplas salas.

No último mutirão do Tribunal do Júri Popular realizado em Imperatriz, em 2011, apenas cinco sessões deixaram de ser realizado em virtude da ausência de representante do Ministério Público, apesar do órgão ter sido previamente comunicado sobre o evento.

Há, atualmente, na Secretaria da Vara das Execuções Penais da Comarca de Imperatriz, 67 processos de competência do Tribunal do Júri Popular, almejando-se submeter ao julgamento, no primeiro semestre deste ano, 60 processos. Dos sete processos restantes, quatro estão suspensos, por força de instauração de incidente de insanidade mental do réu, ficando apenas três processos aguardando inclusão na pauta do 2º semestre deste ano.
(Ascom/CGJ)

domingo, 26 de fevereiro de 2012

CONCURSO PÚBLICO: Imperatriz oferece 707 vagas em 121 cargos.

Inscrições começam em março  e certame ocorrerá em Abril. 

Palácio Dorgival Pinheiro de Sousa, sede do Poder executivo imperatrizense
A Prefeitura Municipal de Imperatriz publicou na última sexta-feira (24) edital de concurso público visando o preenchimento de 121 cargos que totalizam 707 vagas para os concursados dos níveis fundamental, médio e superior. Desde o início da administração do prefeito Sebastião Madeira, a prefeitura já preencheu 2.036 vagas até a 32ª convocação dos concorrentes do concurso público de 2008.

O edital  pode ser acessado no “mural” da  Prefeitura, na Rua Rui Barbosa, ou no  portal . http://www.imperatriz.ma.gov.br/

O secretário de Administração e Modernização, Iramar Cândido Lima é enfático ao afirmar que nunca na história da administração do município de Imperatriz houve tantas convocações. Tal fato acontece porque a atual administração pública municipal cresceu e se desenvolveu em todos os setores, nas mais diversas secretarias, autarquias, mas principalmente nas áreas de saúde e educação.

O presente concurso regido pelo edital No. 001, de 24/02?2012 e sua realização estará sob a responsabilidade da Fundação Sousândrade de Apoio ao Desenvolvimento da UFMA – FSADU, com supervisão da Comissão de Concurso, instituída pelo Despacho No. 040/2011, de 28 de janeiro de 2011, respeitando a alteração na composição do referido colegiado nos termos do Despacho No. 046/2012.

De acordo com o edital, o calendário de eventos está assim distribuído: Período de pagamento da taxa de inscrição e entrega do laudo médico (para portadores de deficiência), de 19/03 a 09/04, período de requisição de atendimento diferenciado, de 19/03 a 19/04, divulgação da concorrência e das inscrições indeferidas, 13/04, disponibilização do documento de confirmação de inscrição, em 16/04 e requisição de correção de dados cadastrais, no período de 19/03 a 19/04.

A prova de conhecimentos de nível superior e de nível fundamental acontecerá no dia 29/04 enquanto que a prova de conhecimentos de nível médio, em 22/04. A divulgação do gabarito ocorre no dia posterior à realização das provas. O recebimento dos recursos acontecerá nos dois dias seguintes à divulgação do gabarito.

A convocação para a prova prática, entrevista técnica, prova de capacidade física e prova de títulos, acontece no dia 15 de abril. A prova prática, entrevista técnica, prova de capacidade física e o período de entrega de documentos para prova de títulos acontecem nos dias 18, 19, 20 e 21/05. As datas estabelecidas no presente edital poderão sofrer alterações enquanto não consumada a etapa que lhe disser respeito.

As taxas de inscrição estabelecidas pelo edital são as seguintes: nível superior, R$ 90,00, nível médio, R$ 60,00 e nível fundamental, R$ 30,00. O edital explica ainda que, das vagas destinadas a cada cargo/área/especialidade, 5% serão reservadas às pessoas portadoras de deficiência, amparadas pela Constituição Federal, Artigo 37, Inciso VIII, pelo disposto no Decreto No. 3.298/1999. Eles devem entregar laudo médico atestando a espécie e grau da deficiência no prazo estabelecido.

Para realizar com êxito suas inscrições, o interessado deve ser brasileiro; ter idade mínima de 18 anos completo até a data de posse, estar quites com as obrigações eleitorais, se masculino, estar quites com o serviço militar, não registrar antecedentes criminais, preencher os requisitos básicos exigidos para o cargo, ter aptidão física e mental das atividades, conhecer e estar de acordo com as exigências do edital.
       
As inscrições podem ser feitas pelos sites:

www.fsaduy.org.br/concursos e www.sousandrade.org.br/concursos, no período das 10h do dia 19 de março às 23h59 do dia 8 de abril. A Fundação Sousândrade alerta que “não se responsabiliza por inscrição não recebida por qualquer motivo de ordem técnica, falha de computadores ou de comunicação, congestionamento de linhas de comunicação, bem como quaisquer outros fatores, por ela não ocasionados, que impossibilitem a transferência de dados”.

Nível superior – São oferecidas vagas para Administrador, Administrador Hospitalar, Advogado, Advogado especialista em Direito Ambiental, Arquiteto Urbanista, Assistente Social, Biólogo, Contador, Economista, Educador Físico, Enfermeiro, Engenheiro Agrônomo, Engenheiro Ambiental, Engenheiro Civil, Engenheiro especialista em Trânsito, Engenheiro Florestal e Engenheiro Sanitarista.


Ainda do nível superior, Fonoaudiólogo, Geógrafo, Médico Especialista, Médico Intensivista, Médico Generalista, Médico Veterinário, Nutricionista, Odontólogo (cirurgião buço maxilo), Odontólogo (cirurgião geral), Odontólogo (dentística), Odontólogo (endodontista), Odontólogo (odonpediatria), Odontólogo (pacientes especiais), Odontólogo (protesista), Psicólogo, Químico, Terapeuta Ocupacional, Turismólogo e Pedagogo. (Domingos Cezar - Ascom)

sábado, 25 de fevereiro de 2012

"IMPERATRIZ CRESCENTE, COM MATIZES DO PROGRESSO..."!


Fecoimp e Movelnorte, dois eventos maranhenses no Calendário Brasileiro de Exposições e Feiras de 2012 
serão realizados no segundo semestre deste ano em Imperatriz.

Do Jornal  O Estado do Maranhão 

Fecoimp 2011 - Foto ACII
Dos 365 eventos que integram o Calendário Brasileiro de Exposições e Feiras em 2012, organizado pelo Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior (MDIC) e pelo Ministério das Relações Exteriores (MRE), dois são no Maranhão. Fazem parte do catálogo, a 4ª Feira de Móveis de Imperatriz (Movelnorte) e 12ª Feira do Comércio e Indústria de Imperatriz (Fecoimp).

Os dois eventos maranhenses serão realizados no segundo semestre na segunda maior cidade do Maranhão. De 21 a 24 de agosto, acontecerá a 4ª Feira de Móveis de Imperatriz (Movelnorte), no Centro de Convenções de Imperatriz. E de 12 a 15 de setembro, a 12ª Feira do Comércio e Indústria de Imperatriz (Fecoimp).

A Movelnorte é uma feira setorial/nacional promovida pelo Sindicato das Indústrias de Madeiras de Imperatriz e Região, que reunirá 48 expositores de camas, dormitórios, mesas, cadeiras, racks, estantes, colchões, ventiladores, roupeiros e antenas parabólicas.

Já a Fecoimp, feira anual promovida pela Associação Comercial e Industrial de Imperatriz, deve reunir 100 expositores dos segmentos de confecções, beleza, estética, turismo, moda, saúde, educação, artesanato, informática, automotivo, motociclistas, financeiro, decoração, indústrias de celulose, fábricas de bebidas, etc.

Agrobalsas 
A 10ª edição da Agrobalsas, uma das mais importantes feiras do agronegócio do Norte e Nordeste, que será realizada em maio deste ano, não integra o Calendário Brasileiro de Exposições e Feiras em 2012.

A Agrobalsas terá o tema Agricultura Inteligente. O objetivo é mostrar a experiência positiva do Maranhão na aplicação de sistemas adequados nas propriedades rurais, como plantio direto, integração lavoura-pecuária com floresta, fixação do nitrogênio no solo e biotecnologia. O evento, promovido pela Fapcen, premiará as propriedades que seguem o modelo, com a certificação da soja ( Texto do Jornal o Estado do Maranhão,  o título (trecho do hino de Imperatriz) e sub-título são do Blog).

sexta-feira, 24 de fevereiro de 2012

Justiça Federal rejeita ação contra ex-diretor da Polícia Federal

Luiz Fernando Corrêa era acusado de atos de improbidade administrativa. Com a decisão do magistrado o processo foi extinto.


Luiz Fernando Corrêa
A  8ª Vara da Justiça Federal de Brasília rejeitou uma ação movida pelo Ministério Publico (MPF) contra o ex-diretor-geral da Polícia Federal (PF) Luiz Fernando Corrêa. Com a decisão, assinada pelo juiz Antônio Cláudio Macedo da Silva na última quarta-feira (22), o processo foi extinto.

Corrêa e Odécio Rodrigues, então Coordenador do Grupo de Trabalho de Tecnologia da Informação para o Panamericano de 2007, eram acusados pelo Ministério Público Federal (MPF)  de terem cometido atos de improbidade administrativa que, segundo a Justiça, não foram comprovados.

Na ação movida pelo Ministério Público, Corrêa e  Rodrigues eram acusados de adquirir, por meio de contrato, equipamentos, serviços, softwares e licenças voltados para as Ações de Inteligência dos Jogos do Pan de 2007. O MPF entendeu que houve "sobrepreço" no contrato, e que o valor pago chegaria R$ 17,9 milhões.

De acordo com o juiz da 8ª Vara Federal, supostos atos de improbidade administrativa não foram comprovados. Ainda na decisão, o magistrado afirma que Luiz Fernando Corrêa e Odécio Rodrigues comprovaram, por meio de documentos, que a assinatura do contrato firmado em 2007 não foi de responsabilidade deles.

"Ficou esclarecido que as condutas descritas na inicial como atos de improbidade praticados pelos réus não importaram em atos que ocasionassem lesão ao patrimônio público, ou enriquecimento ilícito", afirmou o magistrado em sua decisão. 

(Enviado ao Blog por Thiago Tavares Fontoura - http://twitter.com/thiagotfontoura )

Alto lá! Mais respeito, critique mas não ofenda!

Neguinho da Beija-Flor
O principal assunto nas rodas políticas e nos blogs do Maranhão nos últimos dois dias é a derrota da Escola de Samba carioca Beija-Flor de Nilópolis que trouxe esse ano como enrredo " O Poema encantado do Maranhão" e acabou em quarto lugar na classificação do desfile do primeiro grupo das chamadas campeãs. 
Por conta disso, gente da própria escola agora coloca a culpa do fraco desempenho da referida, na política e na tentativa de Roseana em fazer uma grande campanha de marketing para o estado, elevando o turismo, deixando em alta o seu governo e seu grupo político.
Roseana, no "baile da cidade", ao lado do pres. da AL Arnaldo Melo
“Nada contra o Maranhão, mas quando se mistura samba com política, ninguém gosta”, disse Neguinho após derrota. 
A derrota da Beija-Flor e as  declarações de Neguinho estão sendo de maneira impensada festejadas pela oposição, que não importa se para atingir os sarneys, gentes do sul do país atinjam o Maranhão.
De minha parte, sem entrar no mérito da ação tão criticada de Roseana em gastar milhões com a Beija-Flor, sem me importar se a Escola merecia ou não ser vencedora, quero externar o meu repúdio a esse ABUSADO Neguinho da Beija-Flor, que deveria sim ter se manifestado publicamente quando a Escola resolveu fazer o acordo com o governo maranhense e receber a vultosa verba de mais de 9 milhões. Agora sua crítica soa como extemporânea e oportunista. Será que se a Escola tivesse sido campeã ele estaria criticando?
Alice Pires, de Coelho Neto
No facebook, Alice Pires, como franca atiradora diz: "Quando eu disse que aquela mulher horrível, desfilando com um chicote na mão batendo num monte de escravos representava Roseana, ninguém acreditou, preferiram pensar que era Donana Jansen. Era só prestar atenção no rosto dos escravos. Uns gritando e outros rindo em adoração, mesmo embaixo de chicotadas. Igualzinho no Maranhão..".
Não quero puxar brasa para o governo, tampouco para Sarney, Roseana, etc., mas quero discordar da Alice quando diz que "...era só prestar atenção no rosto dos escravos. Uns gritando e outros rindo em adoração, mesmo embaixo de chicotadas. Igualzinho no Maranhão.."

Impensável minha cara Alice! Como é que eu como maranhense vou afirmar que gosto de taca? 

Que Alice, Neguinho da Beija-Flor e a oposição maranhense façam suas críticas contra a política e a mistura dela com o carnaval, ou "desperdício" de dinheiro público, que critiquem Roseana, Sarney e seu grupo, mas não concordo que, "de gorja", atinjam o povo maranhense. Ao agirem assim acho que "pularam o corguinho" ao afirmar que somos dóceis e adoramos supostas chicotadas do grupo dominante. 

Só se for lá em Coelho Neto, onde mora a Alice Pires. A quem eu convido para vir á Imperatriz, a capital do Maranhão do Sul, onde aqui não nos ajoelhamos nem aceitamos ser chicoteados. Nem por Sarney, Neguinho da Beija-Flor e tampouco por você, Alice.

Pode até parecer que somos dóceis e adoramos supostos verdugos, mas pelo contrário: "a brava gente das barrancas do tocantins" -como dizia nosso saudoso Jackson Lago - e acredito de todo o Maranhão, não se verga jamais. 

O Maranhão, independente de Sarney e dos demais políticos que têm, merece o respeito de toda a nação, principalmente de nós maranhenses, opositores ou não ao sistema dominante. Não é por desejarmos um dia nos livrar de Sarney e seus prepostos, que devemos denegrir o Maranhão e desmerecer o seu povo. Isso é um "tiro no pé", é "tocar fogo na floresta para evitar que ela seja incendiada".

Leia mais sobre o assunto: 

 “Nada contra o Maranhão, mas quando se mistura samba com política, ninguém gosta”, dispara Neguinho da Beija-Flor
  http://www.jornalpequeno.com.br/blog/johncutrim/?p=27281

 A ingratidão de Neguinho da Beija-Flor
http://www.blogdojorgearagao.com.br/2012/02/24/a-ingratidao-de-neguinho-da-beija-flor/

AS CINZAS DO CARNAVAL DO GOVERNO ROSEANA SARNEY

http://hugo-freitas.blogspot.com/2012/02/o-carnaval-de-cinzas-do-governo-roseana.html

Escolas de samba repudiam ‘falso moralismo’ do prefeito e governador do Rio

Esfera de metal que caiu do céu no interior do Maranhão pode ser lixo espacial

 O astrofísico da UFSCar (Universidade Federal de São Carlos) Gustavo Rojas acredita que a esfera metálica seja parte de um foguete Ariane 4, usado para o lançamento de cargas pesadas, pela ESA (Agência Espacial Europeia).

 GIULIANA MIRANDA
FOLHA DE SÃO PAULO

A suposta queda do espaço de uma esfera de metal com cerca de 30 kg assustou moradores da cidade de Anapurus, no interior do Maranhão. Alguns falaram em invasão alienígena e até em indícios do fim do mundo, mas o mais provável é que se trate de lixo espacial. 

O objeto caiu próximo a casas no município, que tem cerca de 13 mil habitantes, na manhã da última quarta-feira. Segundo moradores,antes de cair, a bola ainda teria atingido-e destruído- um cajueiro em uma fazenda.

Max Garreto/Arquivo Pessoal
A esfera caiu no município de Anapurus, no interior do Maranhão, que tem cerca de 13 mil habitantes
A esfera caiu no município de Anapurus, no interior do Maranhão, que tem cerca de 13 mil habitantes  

O comandante da Polícia Militar do município determinou que o misterioso objeto fosse levado à delegacia para averiguações. 

O caso fez sucesso em vários blogs do Maranhão e levou uma legião de curiosos à pequena cidade para ver a "bola" misteriosa. 

Por meio de sua assessoria, a Aeronáutica afirmou que pretende ir até o local do incidente e recolher o material para estudo. 

O astrofísico da UFSCar (Universidade Federal de São Carlos) Gustavo Rojas acredita que a esfera metálica seja parte de um foguete Ariane 4, usado para o lançamento de cargas pesadas, pela ESA (Agência Espacial Europeia). 

Ele consultou a base de dados do Centro de Estudos de Reentrada de Lixo Orbital e verificou que o objeto estava para cair em um local e área compatíveis. 

Rojas comunicou a reentrada ao centro, que já entrou em contato com a agência europeia. O grupo agora pede mais informações, como o horário exato e a latitude e longitude da queda.
"O procedimento correto é chamar as autoridades locais e consultar um especialista para identificar o objeto. É importante fornecer os dados precisos da reentrada porque isso ajuda a previsão de futuras quedas de lixo espacial." 

O lixo espacial é um problema crescente e há milhares de fragmentos orbitando a Terra. Muitos deles são destruídos na reentrada, mas alguns resistem e podem oferecer riscos. Até agora, no entanto, não houve vítimas fatais em acidentes.

UTILIDADE PÚBLICA: Fórum Municipal da Criança e do Adolescente de Imperatriz convoca entidades para participar do processo eleitoral gestão 2012-2014

As entidades e organizações populares deverão registrar sua candidatura até o próximo dia 29 (quarta-feira) 

Por Gil Carvalho 

Imperatriz O Fórum de Políticas Públicas em Defesa dos Direitos Humanos de Crianças e Adolescentes de Imperatriz (FPPDHCAI) divulgou edital de convocação para o processo eleitoral das entidades que irão participar do Conselho Municipal dos Direitos da Criança e do Adolescente de Imperatriz – gestão 2012-2014. 

A comissão executiva do processo eleitoral é formada por Marilene Brito da Silva, da Associação de Moradores do Jardim Sumaré; Ângela Maria da Silva, da Associação Madalena de Canossa, e Dilsa Cortês Ferreira, do Alber Ambrógio. 

De acordo com o regulamento, compete a comissão executiva convocar a escolha dos conselheiros; mobilizar as entidades para participar do processo (cartas, telefone e e-mail); elaborar edital de convocação, regulamento e divulgar os locais públicos e nos meios de comunicação do município; proceder o registro das candidaturas e vontade; receber e apreciar as impugnações de candidatura e da escolha, garantindo o direito do impugnado; designar a mesa de votação e apuração e proclamar os escolhidos. 

As entidades e organizações populares deverão registrar sua candidatura até a próxima quarta-feira (29), na sede do Fórum de Políticas Públicas em Defesa dos Direitos Humanos de Crianças e Adolescentes de Imperatriz. Para proceder à candidatura, bem como para ter direito a voto, a entidade ou organização deverá comprovar sua existência jurídica e seus serviços prestados, através de estatuto, ata da atual diretoria e de atividade do ano de 2011. 

No ato da inscrição, a entidade deverá nomear seu delegado, bem como seu suplente como representante para votarem. São candidatas às entidades e organização populares com atuação na área de criança e do adolescente, de caráter comprovadamente municipal, constituída, e filiada ao FPPDDHCAI. 

VOTAÇÃO 

A votação acontecerá no dia 13 de março, das 14h às 17h, na sede do Fórum de Políticas Públicas, onde os trabalhos de votação e apuração serão coordenados por uma mesa designada pela Comissão Eleitoral, e será acompanhada pelo representante do Ministério Público, por intermédio da Promotoria da Infância e Juventude, da comarca de Imperatriz. 

“Até o início da votação, cada entidade ou organização popular candidata, poderá designar um fiscal perante a mesa de votação e apuração”, explica Ângela Maria da Silva, da Comissão Executiva Eleitoral. 

 A apuração ocorrerá imediatamente pela mesa de votação, sendo considerada eleita as entidades ou organização populares que obtiveram o maior de votos.  Ao final, será lavrada ata pela mesa de votação e apuração, assinada por seus membros e pela comissão executiva.

quinta-feira, 23 de fevereiro de 2012

Caso Eloá serve de alerta sobre sexualidade precoce, diz ministra

O caso da menina Eloá Pimentel, morta aos 15 anos pelo ex-namorado, dispara um alerta às famílias para que não permitam a sexualização precoce de crianças e adolescentes, declarou no último sábado a ministra Maria do Rosário (Direitos Humanos).

"Em todos os noticiários nós vimos que aquele que matou Eloá entrou na sua casa e pediu autorização para a sua família, quando ela tinha 12 anos, para ter uma relação com ela. Será que é possível que os pais e mães não estejam atentos que, com 12 anos, não é possível que meninas e meninos estejam sexualizados precocemente?", afirmou a ministra, durante ação da campanha de Carnaval contra exploração e abuso sexuais de crianças e adolescentes.

Não basta que governos estejam de olho a casos de violações dos direitos de crianças, disse ela, "estamos tentando fazer nossa parte, mas precisamos de pais e mães mais atentos, cuidadores mais atentos, sociedade mais atenta".

Maria do Rosário disse que não pretendia, com a forte declaração, puxar a orelha da família de Eloá ou atenuar a responsabilidade do crime cometido pelo ex-namorado. "A família não é responsável pelo sujeito que apertou o gatilho, mas uma atenção maior com uma criança de 12 anos acho que todos nós devemos ter no Brasil."

Em 2008, Eloá foi morta com dois tiros pelo ex-namorado Lindemberg Alves Fernandes, 22, após mais de cem horas de cárcere privado. Eles mantiveram um relacionamento por quase três anos, iniciado quando Eloá tinha 12 anos e Lindemberg, 19.

 O namoro, segundo relatos de conhecidos à época do crime, foi inicialmente rejeitado pela família da menina, que acabou aceitando o relacionamento na sequência.

Semana passada Lindemberg foi condenado pelo crime a 98 anos e dez meses de prisão.

Questionada sobre a idade adequada para o início da vida sexual de uma pessoa, a ministra disse que não cabe a ela precisar. "Não sou eu que julgo, mas a legislação diz que, com menos de 14 anos, qualquer relação sexual é de violação e de estupro de vulnerável. Não basta a gente fazer a lei, é preciso que todo mundo cumpra."  (JOHANNA NUBLAT, da Folha de São Paulo)


Comentário de Eduardo Hirata, de Açailandia:
 
Sábias palavras da Ministra Maria do Rosário. Temos toda um distorção socioecultural em torno do assunto. Aqui em Açailândia, já se encara como “normalidade” essa sexualidade precoce, meninas e meninos em ebulição... Famílias, escolas, igrejas, a sociedade e o governo precisam reagir a esse estado de coisas, que mantem tudo do jeito que está, piorando-a a cada dia que passa...

Igor Lago "joga na parede" direção nacional do PDT e expõe a fragilidade da democracia nos partidos brasileiros

Jackson Lago

Em tom civilizado, porém de extrema revolta, o ex-presidente da Comissão Provisória Estadual do PDT do Maranhão, Igor Matos Lago, lança mais uma carta pública endereçada à direção nacional do PDT. 

A missiva, bastante esclarecedora sobre os motivos que levaram Carlos Lupi e seu grupo a retaliarem o filho de Jackson Lago, um dos fundadores do PDT que juntamente com Leonel Brizola e outros ícones do trabalhismo Brasileiro tanto dignificaram esse partido é um libelo que deveria pelo menos despertar os inconformados para uma reflexão e tomada de posição contra o modelo partidário que vem sendo adotado no país.

A carta  expõe a maneira anti-democrática como a maioria dos partidos brasileiros são dirigidos, o que nos faz gritar para que urgentemente seja revista a legislação partidária, de modo a que pequenos grupos não continuem na base de canetadas decidindo ou ditando normas nas mais diversas instancias de uma agremiação partidária.

Revela ainda a carta o discurso frágil, dissimulado, de figuras que se auto-denominam como democratas de esquerda, quando na verdade não passam de "esquerdosos" autoritários, déspotas, que jamais deveriam um dia galgar posições de mando neste país, pois além de ditadores são desonestos, corruptos e não aceitam que ao seu lado existam discordâncias.

Sinceramente, do fundo da minha alma, hoje diante do que venho assistindo, o estelionato eleitoral do PT, a descaracterização do PC do B e o extremo oportunismo e a falta de democracia do PDT, entre  outros comportamentos de partidos que sempre pregaram a democracia e a ética, tenho vergonha de dizer que um dia fui de esquerda. Sim fui, hoje me considero politicamente de centro e com uma grande certeza: partidos no Brasil são apenas siglas, meros aparelhos dominados em sua maioria por gangues, máfias, na defesa dos mais espúrios interesses.

Quando se fala em intenso combate à corrupção, Lei da Ficha Limpa que barra políticos com ficha suja, os partidos brasileiros e mais especificamente o PDT, estão na contramão dessas mudanças. Se fichas sujas não podem ser candidatos, podem dirigir partidos? 

Deixo essa questão para ser respondida pelo leitor e sem  mais delongas, leia abaixo a carta de Igor Lago:


À Executiva Nacional do PDT

Presidente Sr. Carlos Lupi; 1º Vice-Presidente Deputado André Figueiredo; 2º Vice-Presidente Deputado Brizola Neto; Secretário Geral Nacional Sr. Manoel Dias; Secretário Adjunto Deputado Paulo Pereira; Tesoureiro Sr. Marcelo Panella; Consultor Jurídico Prefeito José Queiroz; Sec. de Relações Internacionais Deputado Vieira da Cunha; Sec. Adjunto de Relações Internacionais Vereador Márcio Bins; Vogal Deputada Cidinha Campos; Vogal Sra. Miguelina Vecchio; Líder no Senado Federal Senador Acir Gurgacz; Líder na Câmara Federal Deputado André Figueiredo; Vice-Presidente Regional Sul Sr. Alceu Collares; Vice-Presidente Regional Sudeste Prefeito Sérgio Vidigal; Vice-Presidente Regional Centro-Oeste Senador Cristovam Buarque; Vice-Presidente Regional Nordeste Sr. Ronaldo Lessa; Vice-Presidente Regional Norte Deputado Sebastião Bala Rocha; Vice-Presidente de Relações Institucionais Sr. Hélio Santos; Vice-Presidente de Relações Parlamentares Deputado Miro Teixeira; Secretário Nacional de Finanças Sr. Francisco Loureiro e Secretário Nacional de Divulgação e Propaganda Sr. Mário Heringer,

Senhoras e Senhores,
Companheiras e Companheiros,


Por meio desta venho, em primeiro lugar, manifestar a minha “profunda discordância” com a forma com que os senhores Carlos Lupi e Manoel Dias trataram a questão do Maranhão, no que se refere a não-prorrogação da última Comissão Provisória ou a não-homologação da Comissão Provisória deixada pelo ex-governador Jackson Lago, com a substituição do nome dele pelo meu ou de qualquer outro dos fundadores do partido maranhense, assim como a não-marcação da data de uma Convenção, para que o Partido tenha a oportunidade de escolher, democraticamente, os seus representantes(Apesar de todos os esforços empreendidos por meio de conversas telefônicas, pessoais e por cartas, estes senhores mostraram-se totalmente alheios às nossas legítimas reivindicações);

Segundo, manifestar o meu “não-reconhecimento” da nova Comissão Provisória, uma vez que foi feita por decisão autocrática do presidente Carlos Lupi, numa demonstração de profundo desrespeito à história de nosso partido, à maioria de seus líderes e militantes e ao próprio legado de nosso Jackson Lago. Essa decisão revela um tremendo descompromisso com as boas práticas partidárias, tão preconizadas em nosso Estatuto, e compromete, de forma catastrófica, os destinos de um partido democrático e popular com toda uma história de luta contra a Oligarquia Sarney. Não é demais dizer que, também, revela a natureza antidemocrática com que tem sido conduzida a nossa questão, já que a maioria de nosso partido não foi auscultada e, muito menos, respeitada. Para que se tenha uma adequada noção dessa Comissão formada pelos senhores Lupi e Manoel Dias, quatro dos cinco cargos da Executiva da Comissão, isto é, aqueles que tocam e administram o Partido, são pertencentes à minoria, o que revela um total desrespeito pela maioria de nosso Partido, um nítido exemplo de parcialidade e desequilíbrio por parte de quem tomou a fatídica decisão (Seria uma traição a todos os nossos princípios e valores de um Partido Democrático e Trabalhista, uma subserviência ao pragmatismo político, uma resignação diante do mal feito, à lógica de que os fins justificam os meios etc);

Terceiro, solicitar a “retirada” de meu nome da mesma, uma vez que não a reconheço pelas razões citadas acima, além de não poder participar de uma Comissão feita à revelia dos melhores valores cívicos, democráticos e republicanos. A decisão torna-se ainda mais insólita, senão trágica, quando nomeia-se para esta Comissão alguém de pouca representatividade política, que não participa das atividades partidárias, não contribuiu para a reorganização do Partido e, para cúmulo dos absurdos, ainda participa da última reunião do dia 30 de janeiro, com membros de nosso Partido e os senhores Lupi e Manoel Dias, na qual faltou com respeito e consideração a nossos companheiros e agrediu-me, covardemente, na frente do próprio presidente nacional do Partido.
Quarto, solicitar à Executiva Nacional, baseado no artigo 88 de nosso Estatuto, Titulo VI, Das Disposições Gerais e Transitórias, Capítulo I, que diz: “Das decisões dos diversos órgãos partidários caberá recurso, no prazo máximo de 90(noventa) dias, “ex-officio” ou a pedido da parte prejudicada à Comissão Executiva Nacional e, desta, em caráter terminativo, ao Diretório Nacional”, que a decisão “seja reavaliada por todos os membros desta Executiva Nacional com o intuito de referendá-la ou não”, a qual, para mim, em particular, é fruto da desinformação, da retaliação, da iconoclastia, bem como do que há de pior no exercício da política partidária, que é o não exercício da democracia interna.

Como um partido, que se diz democrático, pode atuar, a todo instante, de forma autoritária e decidir que uma minoria assuma as responsabilidades partidárias em detrimento da maioria?
O artigo 12, de nosso Estatuto, no seu segundo parágrafo, diz: “As decisões serão tomadas, sempre que possível, por consenso e, se este não for alcançado, a minoria acatará a decisão da maioria, devendo todos trabalhar para sua aplicação prática”.

Os senhores citados no primeiro parágrafo demonstraram compromisso com esse artigo? Ou apenas basearam-se, de forma minimamente questionável, no artigo 56, referente à competência da Executiva Nacional que, dentre vários itens, o de letra k diz: “aprovar a nomeação de Comissões Provisórias Estaduais e a designação de delegados do Partido junto ao Tribunal Superior Eleitoral”?

Cabe aqui perguntar se a Executiva Nacional de um partido verdadeiramente democrático não deveria pautar-se no artigo 12, citado acima, para cumprir, de forma democrática, com o item do artigo 56?
Não seria mais prudente e sensato uma postura de concordar com o que a maioria partidária deseja neste ou naquele estado, ao invés de pautar-se pela relação próxima de supostos dirigentes com o único intuito de obter apenas um controle cartorial de um partido político?

O que se faz nas mais diversas decisões coletivas de uma sociedade democrática, em seus grêmios estudantis, sindicatos, movimentos sociais e cívicos em geral, não é justamente essa simples praxe democrática que vem de longe e velhos tempos, espalhando-se pelo mundo, desde a Grécia e as terras nórdicas?

Poderá um partido político sobreviver às crescentes demandas de democracia, cidadania e mudanças da sociedade brasileira assumindo e cultivando tão reprováveis práticas?

Todos sabemos que o Brizola é insubstituível, mas porque não seguirmos o seu exemplo de dirigente partidário que, com toda a sua legitimidade política e histórica(não esqueçamos de sua fama de caudilho!) era sensível aos anseios das maiorias de nosso Partido? São perguntas que não podem calar diante de nossa realidade partidária nacional.

Penso que a questão maranhense é crucial para o PDT. É uma causa que expõe o Partido e revela a natureza de seus dirigentes. É uma espécie de fronteira para todos nós: Ou tomamos a consciência de que o nosso Partido tem e deve ser democrático (até para poder honrar com os valores do Trabalhismo!) ou aceitaremos que as razões de existência do mesmo mudaram e todos devem seguir os ditames da política convencional, fisiológica e descompromissada com os melhores valores civilizatórios.

Quando assumimos a presidência da Comissão Provisória do Maranhão, a convite da maioria de seus membros (8 de 11) em substituição ao nome do ex-governador Jackson Lago, falecido no dia 04 de abril de 2011, após esperar a homologação pela Comissão Permanente desta Executiva durante 56 dias, tratamos de reorganizar o Partido com a participação de todos os seus membros, seguindo os preceitos estatutários e da boa prática partidária. Tivemos êxito ao organizar o PDT em 211 dos 217 municípios maranhenses. Foi um trabalho árduo e coletivo. E, vale dizer, não contamos com nenhum apoio do PDT nacional, apesar de termos feito gestões junto ao Secretário Geral Nacional.

Após o falecimento de nosso principal e insubstituível líder, sempre considerei que o PDT maranhense estava à mercê de interesses alheios e de alguns membros de nosso próprio Partido que, a rigor, não tem projeto partidário maior, a não ser os seus próprios ligados ao imediatismo da política convencional, como a aquisição de cargos, mandatos negociados que comprometem a vida partidária, adesismos de diversos matizes etc. Empreendi todos os esforços para reorganizar o PDT para que pudéssemos dialogar com os outros partidos do campo democrático e popular, baseados numa relação leal, sincera e cordial, sobre possíveis estratégias e alianças para as eleições de 2012, sem submissão, adesismos ou acertos de conveniência política e eleitoral.

Estes interesses tornaram-se mais evidentes, na medida em que organizávamos o partido e aproximava-se o fim da vigência de nossa Comissão Provisória (01 de dezembro de 2011).

Houve uma tentativa de se criar um ambiente de crise para que a nossa Comissão Provisória fosse terminada antes de seu tempo, algo que contornamos cuidadosamente em outubro, no Encontro Regional em Fortaleza, quando tivemos a oportunidade de contra-argumentar e acordar a prorrogação de nossa Comissão com os senhores Carlos Lupi, Manoel Dias e alguns membros da Comissão do PDT maranhense.

Quando surgiram as primeiras denúncias a respeito das relações impróprias dos ex-assessores do Ministério do Trabalho e Emprego (MTE) com ONGs e da famosa viagem ao Maranhão em dezembro de 2009 que, a rigor, foi (mal) organizada e feita com o intuito de privilegiar a candidatura a deputado federal do então jovem assessor do ministro Carlos Lupi, a nota do MTE citando o PDT do Maranhão e o ex-governador Jackson Lago como responsáveis pela viagem, assim como as declarações de cobrança do então presidente em exercício, deputado federal André Figueiredo, ficamos atentos diante da gravidade das mesmas e, quando procurados, demos declarações no sentido de colaborar para o esclarecimento dos fatos e, principalmente, repor a verdade, que está documentada nas declarações de contas de nosso Partido junto ao Tribunal Regional Eleitoral do Maranhão.

Repito mais uma vez que o ex-governador Jackson Lago, cassado em abril de 2009, num conluio entre poderosos de Brasília para satisfazer a oligarquia Sarney e, diga-se de passagem, recebeu pouca ou nenhuma solidariedade dos dois principais dirigentes nacionais de seu próprio Partido, participou dessa viagem como convidado, numa deferência a um ministro e presidente de seu Partido em viagem a trabalho ao Maranhão. A agenda foi organizada por sua assessoria que, volto a repetir, não somente mal organizou aquela viagem, como também mal justificou a cada tentativa quando do período da crise do MTE, o que expôs ainda mais o ministro.

No final do mês de novembro, demos conhecimento por meio de carta eletrônica (email) aos nossos companheiros e à sociedade em geral, das articulações feitas por dois membros bem relacionados do PDT maranhense (e apoiados, segundo os mesmos!) com aqueles do primeiro parágrafo, que divulgavam que a Executiva Nacional não renovaria a nossa Comissão. A repercussão dessa Carta fez com que o então ministro me telefonasse para dizer “que não tinha nada com aquilo e que estava tudo igual ao que fora acordado em Fortaleza”. Então, em comum acordo com ele, fiz uma segunda Carta, na qual relatava o seu telefonema com suas declarações.

No dia 02 de dezembro liguei para o Sr. Manoel Dias para cobrar a prorrogação da Comissão. Disse-me que a Executiva se reuniria na terça-feira seguinte para fazer a prorrogação e que estava tudo dentro da normalidade. No dia 03, ligo novamente para o Sr. Manoel Dias para sugerir a inclusão do nome do Sr. Edson Vidigal (após consultar vários membros de nosso Partido) na vaga de um deputado estadual que saíra recentemente de nosso Partido e que fazia parte da Comissão. Contudo, nem pude fazer a sugestão, pois o mesmo afirmara que havia uma mudança por parte da Executiva, que seria preciso ele ir ao Maranhão, etc. Nos prontificamos em recebê-lo mas, infelizmente, até o presente momento, o Sr. Manoel Dias não veio ao Maranhão. Ao contrário, e mal gastando as verbas partidárias, arcou com passagens para alguns companheiros membros e não-membros de nossa Comissão Estadual para dizer, abertamente, “que o Igor Lago não poderia ser mais presidente do Partido por suas declarações que contrariaram muito ao ministro”.

Após tomar conhecimento dessa grave e equivocada posição de nosso Secretário Geral, que deveria pautar-se pela imparcialidade e isenção, a fim de poder avaliar a situação e decidir com mais fundamento, restou-me aguardar o cumprimento de sua promessa de vinda ao Maranhão para conhecer a nossa realidade partidária.

Também tive a iniciativa de ligar duas vezes para o Sr. Carlos Lupi, então ministro, no mesmo dia 03 de dezembro, contei-lhe do telefonema ao Manoel Dias e da nova decisão, disse-me que não tinha conhecimento e, a última, no dia 17 de dezembro, quando disse ao já ex-ministro que não estava apenas defendendo os interesses maiores do Partido mas, a honra e o legado do nosso ex-governador Jackson Lago, e que tudo aquilo parecia ser uma grande retaliação por nossa posição de defender o esclarecimento dos fatos durante a crise do MTE.

Estabelecido o impasse da prorrogação ou não de nossa Comissão, alguns companheiros tomaram a iniciativa de escrever uma Carta à Executiva Nacional, pregando o bom senso, o diálogo, a prorrogação da Comissão sem exclusão de nenhum nome e a marcação de uma Convenção, a qual foi assinada por Neiva Moreira, Clay Lago, Reginaldo Telles e todos os membros fundadores de nosso Partido, a grande maioria de prefeitos e ex-prefeitos, dois dos três deputados estaduais, pela maioria dos representantes dos movimentos de nosso Partido, pela maioria dos presidentes de Diretórios e Comissões Provisórias Municipais, ex-secretários estaduais e municipais etc, a qual foi entregue pelo ex-deputado federal Wagner Lago na sede do PDT nacional no dia 20 de dezembro (Infelizmente a essa Carta não foi dada a devida importância, pois o já presidente Lupi não a havia lido, conforme sua declaração na reunião do dia 30 de janeiro!). Também tive a iniciativa de escrever uma Carta à Executiva Nacional formalizando todas as nossas posições, assim como a própria Clay Lago que, numa Carta muito lúcida e simbólica, preconizava pela altivez, consideração e respeito ao nosso Partido.

Apesar de todas essas iniciativas, além das outras realizadas pelos mais diversos líderes e militantes de nosso Partido, da reunião do Diretório Nacional no dia 30 de janeiro, da reunião após esta última com os senhores Carlos Lupi, Manoel Dias e alguns membros de nosso Partido, confirmou-se o “esbulho” no último dia 16 de fevereiro, ao constatarmos a formalização da nova Comissão Provisória junto ao sítio eletrônico do TRE com data retroativa a 02 de dezembro de 2011.

Sentimos, ao igual que a maioria de nosso Partido, um verdadeiro golpe, uma traição, um desrespeito e uma desconsideração imensuráveis ao legado de Jackson Lago, a seus fundadores, à maioria de seus líderes e militantes, às boas práticas e virtudes de um Partido democrático e popular.

Espero que, diante do exposto acima, todos os membros desta Executiva Nacional tenham percebido a real dimensão da nossa causa, simbólica para todo o Partido.

Desejo altivez e coragem para corrigir esta decisão que macula a imagem de nosso Partido e, aos olhos de nossos líderes, militantes e da sociedade, configura-se nada mais como uma verdadeira RETALIAÇÃO.
Saudações Trabalhistas!

Igor Lago
Presidente da Comissão Provisória Estadual do PDT do Maranhão entre o dia 06/06 e 01/12/2011.
Membro do Diretório Nacional do PDT.

23 de fevereiro de 2012.