quarta-feira, 13 de fevereiro de 2013

PARA LEONARDO BOFF AMBIGUIDADES E POLÊMICAS MARCAM HISTÓRIA DE BENTO XVI

 Por: Pedro Peduzzi, da Agência Brasil

Papa Bento XVI
Brasília - Apesar de serem a mesma pessoa, Joseph Ratzinger e o papa Bento XVI eram duas personalidades diferentes. A opinião é do teólogo e professor universitário Leonardo Boff, um dos poucos brasileiros que conviveram com o líder católico que anunciou ontem (11) o fim de seu pontificado. Para o ex-integrante da ordem franciscana e um dos expoentes da Teologia da Libertação no Brasil, Bento XVI é um líder religioso “de função ambígua e polêmica” e de atitudes rígidas.

“Uma coisa é o Ratzinger professor e acadêmico, que era extremamente gentil e inteligente, além de amigo dos estudantes. Dava metade do salário aos estudantes latinos e da África. Outra coisa é o Bento XVI, que exerce função autoritária e centralizadora, sem misericórdia com homossexuais e [adeptos da] camisinha”, disse Boff.

Leonardo Boff
O teólogo define Ratzinger da fase pré-papal como um pastor e professor extremamente erudito e de fácil acesso. “Era pessoa simples que, ao se tornar cardeal, mudou de comportamento e passou a assumir posições duras. Tratava com luvas de pelica os bispos conservadores e com dureza teólogos da libertação que seguiam os pobres”.

Segundo Boff, dois aspectos caracterizaram o Ratzinger da fase posterior. “Primeiro, o confronto com a modernidade, no encontro com as culturas e com outras religiões. Tinha a compreensão de que a Igreja Católica era o único porta-voz da verdade, e a única capaz de dar rumo a toda humanidade. Por isso, teve dificuldades com muçulmanos e judeus”.

O segundo aspecto tem origem à época em que era cardeal. “Ele pedia aos bispos que impedissem que padres pedófilos fossem levados aos tribunais civis. Na medida em que a imprensa mostrou que havia não apenas padres, mas também bispos e cardeais suspeitos dessa prática, o Vaticano teve de aceitar a realidade. Ratzinger carrega essa marca de, quando cardeal, ter sido cúmplice desses crimes”, declarou Boff.

Na avaliação do ex-franciscano, outro ponto fraco da atuação de Bento XVI como maior líder da Igreja Católica foi o de levar um papado tradicional, voltado para dentro da Europa. Na opinião de Boff, o papa construiu “uma igreja baluarte: fortaleza cercada de inimigos por todos os lados” e dos quais tinha de se defender.

“Acho que o projeto dele era uma reforma da Igreja ao estilo do passado, voltada para dentro e tendo como objetivo político a reevangelização da Europa. Nós, fora de lá, consideramos esse projeto como ineficaz e como opção pelos ricos. Projeto equivocado”, argumentou. “Não é um papa que deixará marcas na história”.

Boff disse não ter recebido com surpresa a notícia de que o papa Bento deixará o posto, e que já sabia que ele vinha tendo problemas de saúde que o comprometiam física e psicologicamente para exercer o ofício.

“Recebo com naturalidade essa notícia. Essa decisão segue sua natureza objetiva. Não é praxe um papa renunciar. Ele desmistificou a figura do papas, que geralmente ficam [no cargo] até morrer. Provavelmente por entender o papado como um serviço. Essa atitude merece toda admiração e respeito. Esperamos, agora, que até a Páscoa, em meados de março, elejam um novo papa. De preferência um papa mais aberto. Até porque 52% dos católicos vivem no terceiro mundo e não mais na Europa”, completou.

2 comentários:

Anônimo disse...

Claro que Boff veria o pontificado de Bento 16 como "não brilhante" pois, o Papa combateu com todas as forças a herege Teologia da Libertação cujo Boff foi um dos principais defensores.

Esse Boff não tem um pingo de credibilidade para falar sobre a Igreja Católica e, sobretudo, sobre Bento 16.

Quem ler esse artigo que tenha sabedoria de ve-lo como algo tendencioso da parte de Boff e não se deixe influenciar por ele.

Anônimo disse...

Claro que Boff veria o pontificado de Bento 16 como "não brilhante" pois, o Papa combateu com todas as forças a herege Teologia da Libertação cujo Boff foi um dos principais defensores.

Esse Boff não tem um pingo de credibilidade para falar sobre a Igreja Católica e, sobretudo, sobre Bento 16.

Quem ler esse artigo que tenha sabedoria de ve-lo como algo tendencioso da parte de Boff e não se deixe influenciar por ele.