terça-feira, 31 de dezembro de 2013

NOVO SALÁRIO MÍNIMO DE R$ 724 REAIS PASSA A VIGORAR A PARTIR DE QUARTA-FEIRA, 1º DE JANEIRO DE 2014

O novo salário mínimo de R$ 724 passa a vigorar nesta quinta-feira (1°/1). O valor é 6,78% superior aos R$ 678 atuais. O percentual está acima da inflação medida pelo Índice de Preços ao Consumidor Amplo que, segundo a projeção mais recente do boletim Focus, divulgada no início da semana passada pelo Banco Central, deve fechar o ano em 5,72%.

O aumento do salário mínimo está previsto na Lei Orçamentária Anual de 2014, e foi aprovado pelo Congresso na semana anterior à do Natal. No dia 23 de dezembro, a presidenta Dilma Rousseff assinou o decreto com o reajuste e confirmou o novo valor em sua conta no Twitter.

Segundo informações do Departamento Intersindical de Estatística e Estudos Socioeconômicos, o mínimo injetará R$ 28,4 bilhões na economia em 2014. De acordo com cálculos da entidade, o novo valor permite a compra de 2,23 cestas básicas. Trata-se da maior relação de poder de compra desde 1979.

O salário mínimo passou a vigorar no Brasil em 1º de maio de 1940, durante o governo Getúlio Vargas. A Constituição Federal estabelece que o valor deveria ser suficiente para suprir as necessidades básicas do trabalhador e de sua família: alimentação, moradia, educação, saúde, lazer, vestuário, higiene, transporte e Previdência Social.

(Agência Brasil)

CAÍRAM, DE NOVO!

Por Abdon Marinho (advogado)

torturado3
Imagem: blog Marco D’Eça
Como prometi não voltar ao assunto (in) segurança este ano, vou apenas fazer um brevíssimo comentário sobre os últimos acontecimentos.


Inicialmente, quero parabenizar aos meus irmãos maranhenses que ontem foram dormir num estado muito semelhante a uma nação africana e acordaram hoje sabendo que moram na Dinamarca, na Suécia, Noruega ou outra nação de primeiro mundo. E tudo isso sem muito custo, sem gastarmos nada, tudo isso graças apenas a um vídeo de internet. Não é maravilhoso, como diria aquela apresentadora de tv?

Vamos a parte séria. As autoridades a partir de agora, estão imbuídas de um propósito: afirmar e consolidar perante a opinião pública que por conta do vídeo de um cidadão escalpelado que fora apresentado ao CNJ referir-se a outra situação que não a situação dos presídios do Maranhão, aqui está tudo as mil maravilhas. Não fazem isso diretamente. Usam os emissários indiretos, alguns blogues ou jornais, que também tiram sua casquinha das gordas verbas publicitárias.

Já tem até gente sugerindo, os mais audaciosos, que se faça um pedido de desculpas formal ao secretário de administração penitenciária. Não tardam haverão de propor que lhe seja erguido um busto e colocado na Praça do Pantheon, em São Luís, por conta dos belos serviços prestados.

Essas entidades, cidadãos que investigam algo contra a situação dominante não se dão conta que têm que trabalhar com o máximo de cautela e examinar tudo com o máximo de atenção. Umas das mais antigas formas de se desmoralizar qualquer trabalho sério é “plantar” no meio das coisas sérias e graves uma informação disparatada, bisonha e que posteriormente se saberá como falsa e assim desmoralizar todo o resto do trabalho.

Já vi isso dezenas de vezes. Usam essa estratégia para desviar a atenção dos graves fatos que não querem que seja apurados e minimizar os que já foram e que não tem como desmentir. Uma espécie de operação “Cavalo Tróia”. Uma das mais bizarras que tomei conhecimento foi a que sugeriria que um ex-governador, envolto em denúncias, fora flagrado entrando num motel acompanhado por alguns garotões. Era tão absurda que não chegou a ir muito longe.

Ora, a investigação das entidades de direitos humanos e do CNJ dizem respeito as condições dos presídios a matança de 60 presos só esse ano que finda, as condições subumanas a que estão submetidos os presos, as denúncias de estupros. Aí, de repente, aparece um vídeo que escandaliza nacionalmente, e falso, tentam colocar por terra toda a realidade.

Acaso não é verdade que os grupos criminosos dominavam os presídios? Não é verdade que já mataram 60 presos lá dentro? não é verdade que as condições são subumanas? Não é verdade que ocorreram estupros?

Todas essas perguntas tem resposta afirmativas. Até a história dos estupros e das visitas íntimas, em grupo (vejam aí um paradoxo que desafia a gramática) foram confirmadas por mais de uma pessoa. A mãe de um preso usou a expressão “ceder” a esposa, o filho tinha que ceder a esposa se não quisesse sofrer as conseqüências. Aquela senhora mentiu? Com qual propósito?

O certo é que a “Operação Cavalo de Tróia” foi usada mais uma vez, inclusive com propósito de lançar uma cortina de fumaça sobre os recursos não gastos e sobre os que pretendem agastar, de forma emergencial e sem licitação.

A investigação foi determinada pelo CNJ, seria oportuno que o juiz responsável, que caiu na pataquada, requeresse uma investigação da polícia federal com o propósito de apurar as circunstâncias de como esse vídeo chegou até o seu relatório. Quem encaminhou, quem sugeriu? De onde surgiu? Fica a sugestão.

Ano que vem voltaremos a esse assunto. Até lá.

segunda-feira, 30 de dezembro de 2013

CHEFES DO SINDICATO DO CRIME NO MERCADINHO EM IMPERATRIZ TEM PRISÃO DECRETADA PELA JUSTIÇA

No grupo há policiais militares do Maranhão e do Pará, além de empresários.

Em Imperatriz, foram decretadas as prisões preventivas dos integrantes de uma quadrilha responsável por crimes de encomenda no Maranhão e interior do Pará. A prisão preventiva dos oito acusados foi decretada pela Justiça, durante o plantão judiciário do último fim de semana.
A juíza Ana Paula Silva Araújo entendeu que em liberdade os suspeitos poderiam atrapalhar o andamento das investigações que estão em fase de conclusão. P delegado responsável pelo caso tem um prazo de 10 dias para enviar o inquérito à Justiça. De acordo com o delegado, existem provas suficientes para que todos os acusados sejam indiciados.


Os dois policiais militares do Maranhão, Luis Cláudio de Araújo e Carlos Henrique Azevedo Sales, e os três do Estado do Pará, João Bosco Moura Pedrosa, Iltevan Cardoso Machado, Francisco de Assis Bezerra Soares, e o comerciante Francisco Ferreira Costa estão presos desde o fim do mês de outubro.


Eles e mais dois comerciantes de Imperatriz que estão foragidos são acusados de integrarem uma quadrilha que  praticava crimes, como compra e venda ilegal de armas, rinha de galo, jogo do bicho e crimes de pistolagem.


Após a prisão preventiva ter sido decretada, o delegado, que havia sido ameaçado durante a Operação Mercenários, diz que  recebeu novas ameaças. "Recebi, sim, uma ligação, com uma conversa intimidadora, mas a tentativa é em vão. A gente já sabe de onde veio. Não é a primeira, nem a última vez que isso acontece, mas não nos intimida", afirma o delegado Assis Ramos.    Fonte: G1 -MA.

GOVERNO DO MARANHÃO PODE TER QUE PAGAR R$24 MILHÕES POR MORTES EM PEDRINHAS

JULIANA COISSI (FOLHA DE SÃO PAULO)

pedrinhas inferno
O governo do Maranhão pode ter de desembolsar R$ 24,5 milhões em indenizações para familiares de presos mortos de forma violenta no complexo prisional de Pedrinhas, em São Luís.

O valor é uma projeção da Defensoria Pública do Maranhão, que ingressará com pedidos individuais de indenização pelas mortes.

Das 59 mortes ocorridas só neste ano no complexo, a Defensoria calcula que pelo menos 49 tenham sido causadas por ações cruéis. Para cada vítima, o órgão vai pedir à Justiça uma indenização de ao menos R$ 500 mil.

“É uma forma de pressionar o governo a investir na segurança dos presídios”, disse o defensor Paulo Rodrigues da Costa, chefe do Núcleo de Execuções Penais.

Apesar da ação, o “preconceito com o preso”, nas palavras de Costa, dificilmente levará a indenizações justas.

Segundo o defensor, enquanto em casos de mortes em acidentes dos quais o Estado foi culpado os valores chegam a R$ 300 mil, para mortes de presos é raro uma sentença atingir R$ 100 mil.

“O governo parece preferir pagar indenizações baixas do que controlar a segurança no sistema carcerário”, afirmou.

Desde outubro, defensores fazem uma triagem das mortes em Pedrinhas. Identificadas as vítimas, o órgão faz contato com parentes. Pelo menos 20 deles já disseram à Defensoria que pretendem processar o Estado.

O CNJ (Conselho Nacional de Justiça) entregou ontem, sexta-feira, ao STF (Supremo Tribunal Federal) um relatório sobre a situação em Pedrinhas.

O documento baseia-se em visita ao complexo feita na semana passada por representantes do CNJ, do CNMP (Conselho Nacional do Ministério Público) e por advogados.
Uma das denúncias que deve constar no relatório é a de que mulheres e irmãs de presos são estupradas dentro do presídio.

A OEA (Organização dos Estados Americanos) manifestou preocupação com o número de mortos e cobrou do Maranhão medidas para coibir a violência.

A Procuradoria-Geral da República deu até dia 6 para a governadora Roseana Sarney (PMDB) explicar as falhas no sistema penitenciário.

Promotor de Execuções Penais em São Luís, Carlos Avelar Silva defende a intervenção do governo federal no sistema penitenciário do MA.

Em nota, o governo informou que a Polícia Militar do Maranhão reforçará a segurança das penitenciárias do Estado e que uma diretoria de segurança militar será criada para cada unidade prisional e funcionará em paralelo às atuais diretorias.

REVEILLON 2014 IMPERATRIZ: MASTRUZ COM LEITE E ARTISTAS LOCAIS ANIMAM A VIRADA DE ANO EM OITO HORAS DE ESPETÁCULO


Fundação Cultural cuida  dos últimos preparativos  
 
A programação da festa da virada em Imperatriz será aberta a partir das 19horas desta terça-feira, 31 de dezembro, e prosseguirá até às três da madrugada de amanhã, 01 de janeiro de 2014.A festa realizada tradicionalmente no circuito do Viva Beira Rio, contará com a estrutura de dois palcos que revezarão as cinco apresentações da noite. Entre as atrações, a banda de forró Mastruz com Leite e artistas locais animarão o público com  repertório variado.

Tradição - A “Festa da Virada” já se tornou tradição em Imperatriz desde o primeiro ano de mandato do prefeito Sebastião Madeira. O evento que reúne anualmente milhares de pessoas na Beira Rio, já contou com as presenças de cantores famosos como o maranhense Zeca Baleiro, a banda regueira maranhense Tribo de Jah, e no ano passado, teve como atração principal a banda baiana Babado Novo.
 
“Serão oito horas de festa com atrações de diferentes perfis para agradar a todos”, afirma o Presidente da Fundação Cultural (FCI), Lucena Filho, que destaca o apoio do Governo do Estado na realização do evento: “Com o apoio do Governo do Estado realizaremos mais uma grande festa em Imperatriz”.Ele explica que as atrações locais se apresentarão antes da meia noite, e após a queima de fogos que marca a virada de ano, a atração nacional Mastruz com Leite encerrará o evento.

Como acontece todos os anos, o prefeito Sebastião Madeira faz questão de participar da festa da virada ao lado dos familiares, secretários, auxiliares da sua administração, mas como ele costuma dizer, ao lado do povo de Imperatriz. “Passar tão importante data ao lado de familiares dos amigos e da população é o que mais gosto. Por motivo de força maior, estarei ausente nessa edição da festa, mas desde já desejo a todos os imperatrizenes mais um ano de muita saúde, paz, e trabalho.”, disse o prefeito desejando, antecipadamente, um feliz ano novo ao povo de Imperatriz.

Atrações da virada de ano em Imperatriz

19h - Beto Junior e Marcelo – sertanejo

21h – Stênio - arrocha

22h – Madame Lulu – rock pop

23 – Grupo Vibração – axé e swingueira

00 – Show pirotécnico

Encerramento - Mastruz com Leite 


( Ascom-Imperatriz)

domingo, 29 de dezembro de 2013

SERRA PELADA: APENAS R$140,00 REAIS MENSAIS SERÁ O VALOR DESTINADO A CADA GARIMPEIRO DAQUELE QUE JÁ FOI O MAIOR GARIMPO A CÉU ABERTO DO MUNDO

Informações da Colossus dão conta que a parceria entre a canadense Colossus e a Coomigasp em Serra Pelada vai produzir 1.000.000 de onças de ouro (cada onça equivale a 31,1 gramas) ao longo dos onze anos previstos de produção. Se confirmada a expectativa, o sonho de bamburrar dos garimpeiros vai por água abaixo, já que caberia pouco mais de R$140,00 mensais ao longo de onze anos a cada um dos 38.000 garimpeiros hoje associados a Coomigasp.

No final de 1979 a filha de um vaqueiro da Fazenda Três Barras, localizada no então município de Marabá, no sudeste do Pará trouxe algumas pedras junto da água que buscara em um córrego da fazenda. Aristeu, um funcionário da fazenda que já havia trabalhado em um garimpo em Cumarú do Norte reconheceu, encrostada em uma das pequenas pedras, uma “risca” de ouro. Precavido, Aristeu nada disse aos demais funcionários. Todavia, visitou o local pra ver se encontrava algo mais consistente.

No fim semana seguinte, Genésio Ferreira da Silva, dono da fazenda, chegou ao local e foi comunicado por Aristeu das suspeitas de que havia uma boa quantidade de ouro no local que o garimpeiro chamou de Grota Rica. Os dois, em uma única tarde, munidos apenas de um prato esmaltado e uma picareta tiraram do pequeno córrego nada menos que 79 gramas de ouro puro.
A notícia de ouro brotando no pé da Grota Rica correu o país. Garimpeiros ávidos pelo metal precioso migraram de todos os cantos do país para a região. Em abril de 1980, apenas quatro meses após o anúncio da descoberta de ouro, cerca de dez mil garimpeiros já estavam no local que passou a ser chamado de Serra Pelada e que receberia, em dezembro daquele ano, o impressionante número de cento e vinte mil garimpeiros circulando de dentro para fora da cava em movimentos tão sincronizados como se um grupo de balé fosse.
Em 1981 os garimpeiros foram registrados pelo Receita Federal e o garimpo sofreu uma intervenção comandada pelo militar Sebastião Rodrigues de Moura, o major Curió. Todo o ouro ali descoberto teria que ser vendido para a Caixa Econômica Federal.

Ainda em 1981, com a escassez de ouro na superfície, o governo federal deu início a algumas obras visando prorrogar a extração manual. A ação deu certo e em 1982 o garimpo foi reaberto. Curió foi eleito deputado federa, propondo, em 1983, uma lei que dava permissão para que garimpeiros continuassem explorando o ouro de Serra Pelada por cinco anos. Em 1984, a Vale recebeu indenização de US$ 59 milhões pela perda da concessão da mina por quebra de contrato, já que a mineradora era a detentora da lavra.

Em setembro de 1983, Lindolfo de Brito achou em Serra pelada a maior pepita já registrada no Brasil, com 62,3 quilos. O lugar fervilhava a ponto do aeroporto local receber cerca de 30 viagens de monomotores diárias – na época, o movimento de táxi aéreo superava o do aeroporto Santos Dumont, no Rio de Janeiro. Serra Pelada se tornara o maior garimpo a céu aberto do mundo.

Nasceu Curionópolis, um pequeno vilarejo à margem da PA-275 usado para a diversão dos garimpeiros de Serra Pelada, já que no garimpo eram proibidas a entrada de mulheres, drogas, armas e álcool.
Como não havia mais ouro na superfície, os garimpeiros cavavam um buraco, que era drenado todos os dias e a procura pelo ouro de Serra Pelado foi ficando mais perigosa. Para levar o minério até o riacho onde era lavado, os garimpeiros subiam e desciam escadas moldadas no barro ou improvisadas com madeiras. Cada saca pesava 35 quilos: em um dia, um “formiga” carregava 1,7 tonelada de barro. Em julho de 1983, dezenove pessoas morreram em um deslizamento de terra.

Algumas fortunas foram feitas em Serra Pelada. Tantas outras retornaram e se perderam como investimentos para dentro do buraco, que em 1984 já tinha mais de 200 metros de profundidade e hoje é uma grande lagoa que serve apenas para que os antigos garimpeiros que ainda vivem na Vila de Serra Pelada voltem a sonhar em vê-lo novamente produzindo.

O garimpo, a cada dia, se tornava menos lucrativo para o garimpeiro e para o Estado. Mas, apesar de todos esses fatores, os garimpeiros continuavam trabalhando dia e noite na esperança de “bamburrar” – expressão relacionada ao fato de enriquecer.
O garimpo foi interditado por diversas vezes devido a desmoronamentos e quebra das dragas que sugavam a água do fundo do enorme buraco. Numa dessas paralisações, em 1984, garimpeiros revoltados por não serem atendidos em obras de rebaixamento do garimpo que supostamente viabilizariam o reinício da lavra, invadiram Parauapebas e queimaram parte do Núcleo Urbano recém criado pela Vale.

Houve uma tentativa de invadir a mina de ferro em Carajás. Autoridades estiveram sob a mira de garimpeiros por diversas horas. Após intensas negociações, os reféns foram libertados e os garimpeiros voltaram para Serra Pelada, onde aguardariam o início das obras, que jamais aconteceram. Serra Pelada permaneceu desativada.

Vários outros conflitos foram produzidos por garimpeiros e a PM do Pará. Num deles, o garimpeiro João Edson Borges foi espancado e morto por um policial. Em reação, um policial foi morto e a Polícia Militar acabou expulsa de Serra Pelada.

Em dezembro de 1987, um conflito que ficou conhecido como Massacre de São Bonifácio ou Guerra da Ponte aconteceu em Marabá, quando garimpeiros interditaram a Ponte sobre o Rio Tocantins usada pela Vale para escoar o minério de ferro até São Luis-MA.

O então governador Hélio Gueiros mandou desobstruir a ponte e quinhentos soldados do 4º batalhão da Polícia Militar do Pará encurralaram os garimpeiros e avançaram por uma das cabeceiras da ponte, atirando na multidão, enquanto o Exército fechava o acesso na outra cabeceira. Há relatos de que os policiais atiraram durante 15 minutos com metralhadoras e fuzis. Muitos garimpeiros se jogaram do vão de 76 metros da ponte. Dezenas de garimpeiros foram feridos e/ou mortos.

Em 1992, Fernando Collor, presidente do Brasil, decretou o fechamento definitivo do garimpo e devolveu o direito de lavra para a então Cia Vale do Rio Doce, hoje Mineradora Vale, não há notícias de que a Vale devolvera o pagamento recebido pela indenização em 1984.

De forma oficial, cerca de quarenta toneladas de ouro foram extraídas em Serra Pelada.

Mesmo com o fechamento do garimpo cerca de seis mil pessoas teimaram em aguardar a reabertura do mesmo na Vila de Serra Pelada. Entre uma migalha de ouro e outra resgatada das montoeiras deixadas pela garimpo, tais garimpeiros foram sobrevivendo.

No dia 11 de setembro de 2002, o Senado Federal aprovou a devolução aos garimpeiros o direito de lavra de 100 hectares — parte dos 10 mil hectares em mãos da Companhia Vale do Rio Verde. Em 2007 o Ministério das Minas e Energia negociou com a mineradora que cedeu 700 hectares da área à Cooperativa de Mineração dos Garimpeiros de Serra Pelada (Coomigasp) para exploração mineral.

De posse da área, a direção da Coomigasp foi em busca de um parceiro que viabilizasse a lavra. Nesse sentido foi criada, sob o aval do então ministro das Minas e Energia, Edson Lobão, a SPCDM – Serra Pelada Companhia de Desenvolvimento Mineral, resultado da sociedade e entre a Colossus Mineração Ltda, empresa multinacional do grupo canadense Colossus Minerals Inc., e a Cooperativa de Mineração dos Garimpeiros de Serra Pelada (Coomigasp).

No início, essa parceria previa a divisão dos investimentos e dos lucros na ordem de 51% para a Colossus e 49% para a Coomigasp. Posteriormente, em Assembleia Geral promovida pela Coomigasp, foi aprovado novo um contrato onde a Colossus faria todo o investimento necessário para que se chegasse a produção do ouro e em troca a Cooperativa cederia mais 24% do projeto para a mineradora, ficando com 25% do ouro produzido. A parte que caberia à Coomigasp seria distribuída aos garimpeiros devidamente cadastrados e regulares.

Paralelamente ao início do projeto, a diretoria da Coomigasp vinha recebendo recursos mensais da Colossus para sua manutenção. Ninguém da Colossus ou da Coomigasp sabe dizer se tais recursos estavam previstos no contrato inicial e se a somatória deles serão descontados dos valores a serem repassados à Coomigasp quando o projeto estiver em fase de produção.

O uso desses recursos levou à uma eterna briga entre “facções” dentro da Cooperativa pela posse da chave do cofre da mesma. No meio dessa disputa várias ações trabalhistas e cíveis foram impetradas contra a Coomigasp, que hoje é um poço de dívidas.

A justiça do Pará afastou o então presidente Jessé Simão e posteriormente decretou a intervenção na Coomigasp e nomeou Marcos Alexandre Mendes interventor para apurar supostos erros, recadastrar associados e acompanhar a evolução do projeto.

A Colossus, meio que alheia a toda essa briga, continuava a implantação do projeto, já que havia investido cerca de R$30 milhões em pesquisas no local antes mesmo da assinatura do contrato. Divulga-se que o investimento total da Colossus no projeto Serra Pelada é da ordem de R$500 milhões. A Colossus jamais disse de forma oficial quanto ouro e outros minerais ainda há em Serra Pelada e qual a expectativa de produção.

O silêncio da mineradora criou uma expectativa perigosa aos 38 mil associados da Coomigasp. Há relatos do comércio ilegal de direitos na Coomigasp entre associados e especuladores, que acreditam em um grande faturamento e um lucro enorme, já que corre amiúde que em Serra Pelada haveria centenas de milhares de toneladas de ouro

Há alguns meses, durante o evento denominado Anuário Mineral, alguns autoridades estiveram em Serra Pelada a convite da SPCDM para a inauguração do sistema elétrico do projeto. Durante o evento, em reunião que contou com a presença, entre outros, do deputado Raimundo Santos – PEN-PA (presidente da Comissão de Mineração da Alepa); de Wenderson Chamon (prefeito de Curionópolis); Cláudio Mancuso (CEO da Colossus); Rosana Entler (diretora da Colossus); José Fernando Gomes Jr. (presidente do Simineral);
Armando Pingarilho (gerente de relações institucionais da Colossus); Alberto Arias (investidor); Divaldo Salvador de Souza (empresário); e vários garimpeiros da Coomigasp, foi cobrado da Colossus uma posição sobre a expectativa do quantitativo de produção do projeto. Houve certa relutância por parte da mineradora, todavia, após vários questionamentos, foi informado que a expectativa da Colossus é de uma produção de 1.000.000 Oz (hum milhão de onças) de ouro, que seriam aproximadamente 31 mil quilos de ouro durante os 11 anos previstos pelo projeto.

Essa informação deveria ter sido expandida aos garimpeiros imediatamente para que essa expectativa de que com o início da produção milhares de associados da Coomigasp teriam, finalmente, realizados os seus sonhos de bamburrarem, já que segundo a informação da Colossus, ao preço de hoje, cada um dos 38.000 garimpeiros associados à Coomigasp receberá apenas R$18.619,07 (dezoito mil, seiscentos e dezenove reais e sete centavos) ou R$1.692,64 (hum mil, seiscentos e noventa e dois reais e sessenta e quatro centavos) por ano, ou R$141,05 (cento e quarenta e um reais e cinco centavos) por mês durante os 11 anos previstos para o projeto, isto se não forem descontados os custos de produção, o que é normal nestes contratos.

1.000.000 Oz (previsão da Colossus) x

R$2,830,10 ( valor atual da onça de ouro) = R$2.830.100,000,00

25% desse valor (que caberá a Coomigasp) = R$707.525.000,00

Dividido por 11 anos (previsão do Projeto) = R$64.320.454,54

Dividido por 12 meses (ano) = R$5.360.037,87

Dividido por 38.000 (número de associados) = R$141,05 por garimpeiro, sem considerar os custos de produção

Apesar de todas as antigas direções da Coomigasp terem vendido aos associados o sonho de que em Serra Pelada existem ainda centenas de milhares de toneladas de ouro, a realidade é outra, e é preciso que agora, munidos dessa informação oficial, as autoridades busquem algumas alternativas que possam dar sequencia ao projeto. Uma delas deverá ser um rigoroso recenseamento dos associados, já previsto no Termo de Ajustamento de Conduta assinado pelo interventor quando de sua nomeação. (Blog do Zé Dudu)

TEM JEITO NÃO! ÚLTIMA PESQUISA DO ANO REAFIRMA AMPLA VANTAGEM DE FLÁVIO DINO

Pré-candidato da Oposição tem 53,4% dos votos. O levantamento foi realizado entre os dias 06 e 12 de dezembro e ouviu 1940 pessoas de 38 municípios.      
 
Postado por: , do Marrapá.   

Pré-candidato da Oposição tem 53,4% dos votos.De acordo com os números do Instituto Conceito, que realizou mais uma rodada de pesquisa para avaliar a preferência do eleitorado maranhense, o presidente da Embratur, Flávio Dino (PC do B), lidera a disputa. O levantamento aponta que na pesquisa estimulada o ex-juiz teria 53,4% dos votos, seguido por Luís Fernando (PMDB) que aparece com 20,5%. A deputada estadual Eliziane Gama (PPS) teria 7% dos votos e Hilton Gonçalo (PDT) soma 6,2%.
Aqueles que votariam nulo somam 4,1% e outros 8,8% ainda não sabem em quem votar ou não responderam ao questionário. A margem de erro estimada é de 3 pontos percentuais, em um intervalo de confiança de 95%.
O levantamento foi realizado entre os dias 06 e 12 de dezembro e ouviu 1940 pessoas de 38 municípios.

Espontânea

Candidato da oligarquia Sarney é o mais rejeitado.
Luís Fernando
No quesito em que não é colocado nomes para o entrevistado, o presidente da Embratur, também lidera a pesquisa com 37,5%, seguido por Luís Fernando com 10,1%, depois é citado que o “candidato de Roseana” 5,3%, Eliziane Gama aparece com 2,8% e Hilton Gonçalo tem 1,4%. 

Ainda são citados na pesquisa: Edson Lobão (PMDB) 1%; João Castelo (PSDB) 0,6%; Zé Reinaldo (PMDB), João Alberto (PMDB) e Tadeu Palácio (PPS) todos com 0,3%, ainda são citados Marcos Silva (PSTU) com 0,2% e Dutra e Roberto Rocha 0,1%. Nenhum 0,6% e Não sabem ou Não responderam 39,7%.

Rejeição: Candidato da oligarquia Sarney é o mais rejeitado.

O candidato da governadora Roseana Sarney lidera o índice de rejeição nas eleições 2014, de acordo com a pesquisa do Instituto Conceito. O levantamento aponta que na pesquisa estimulada quando é feito a seguinte pergunta: “Em qual destes candidatos você não votaria de jeito nenhum para governador do Maranhão?” Luís Fernando tem 38,9% da rejeição, seguido de Flávio Dino 21,6%, não sabem ou não responderam somam 39,5%.

sexta-feira, 27 de dezembro de 2013

VALÉRIA MACEDO QUER AGILIZAÇÃO NA IMPLANTAÇÃO DA UNACOM PARA TRATAMENTO DE CÂNCER PELO MUNICÍPIO DE IMPERATRIZ

“Pacientes de Imperatriz, sul do Maranhão e Maranhão central têm que se deslocar para o Piauí e Tocantins para buscar tratamento do câncer”, denuncia a deputada.
Valéria Macedo: 
A deputada estadual Valéria Macedo (PDT), utilizou a tribuna da Assembleia na última sessão ordinária de 2013 (quinta-feira, 19) para tratar sobre o Requerimento de sua autoria solicitando agilização dos governos estadual e federal através do secretário de estado da saúde Ricardo Murad e do ministro da Saúde Alexandre Padilha, respectivamente, para implantação da UNACON - Unidade de Assistência em Alta Complexidade em Oncologia do hospital Municipal de Imperatriz, que deverá prestar os serviços principalmente de radioterapia, quimioterapia e cirurgia oncológica, em vista da grade demanda de pacientes para o tratamento dessas especialidades na região tocantina e centro sul do estado.
“Esse é um assunto que mexe com a vida de muita gente, que mexe também com o sentimento que nós temos de solidariedade, um sentimento até de pesar das pessoas portadoras de câncer do Estado do Maranhão, dos seus parentes, dos seus familiares e dos seus conhecidos. No dia 4 de dezembro, eu, na qualidade de presidente da Comissão de Saúde e os membros, colegas André Fufuca, Vianey Bringel e Francisca Primo, realizamos uma audiência pública da Comissão de Saúde em Imperatriz e pudemos checar in loco a necessidade do projeto que está em andamento aqui na Comissão Intergestora Bipartite no Estado do Maranhão”, disse Valéria.
Segundo a parlamentar pedetista a Comissão viu as instalações hoje existentes em Imperatriz no hospital municipal, as instalações em leitos e aparelhos para realizar quimioterapia e a estrutura para realizar o serviço de radioterapia que só em São Luís, no Hospital Aldenora Belo, está pronta para funcionar, inclusive já funciona esse serviço de radioterapia conveniado pela tabela SUS e até particular para outros, mas que é conveniado ao hospital municipal de Imperatriz para atender a demanda da Região Tocantina.
“Hoje, para se ter uma idéia, nós temos uma fila de espera em São Luís de 285 pacientes para iniciar o tratamento de radioterapia. É uma fila grande para quem depende de um dia para iniciar um tratamento para agilizar a cura, e esse um dia faz a diferença na vida desses pacientes”, informou Valéria acrescentado que existe  em Imperatriz um serviço que está montado e pronto para dar assistência a todos esses pacientes de todo o estado do Maranhão, principalmente do Maranhão Central da Região Tocantina que tem que procurar o estado do Piauí, o estado do Tocantins”, disse.
Em tom emocionado Valéria disse que os pacientes têm que viajar a esses dois estados mais próximos “para mendigar um leito para se submeterem ao tratamento do câncer”.  “Nós sabemos que essa é uma doença devastadora e que mata rápido qualquer pessoa. Se nós tivéssemos um paciente, um parente doente de câncer, nós quereríamos o mais rápido possível iniciar o tratamento. Infelizmente nós temos essa fila e temos já a região tocantina pronta para funcionar o serviço de radioterapia”, apela.
Ao final de seu discurso Valéria se dirigiu ao presidente da casa, deputado Arnaldo Melo, fazendo um apelo para a influencia que este têm junto ao governo estadual, para que este, em nome de todos os deputados, peça agilidade, para que o secretário Ricardo Murad envie o mais rápido possível esse processo ao Ministério da Saúde que já tem conhecimento deste, a fim de agiliza a implantação do serviço de radioterapia, quimioterapia e ampliação da cirurgia oncológica na Região Tocantina e Região Central de forma a atender as três macrorregiões: Presidente Dutra, Imperatriz e Balsas, que é uma região grande e vai atender um número de mais de 100 mil pessoas.
“A Lei, a de nº 12.732, diz que os pacientes que têm câncer devem iniciar o tratamento em no mínimo 60 dias. Infelizmente, como aqui em São Luís nós temos o serviço de radioterapia apenas no Aldenora Bello, isso é impossível pois  temos essa fila. Temos em Imperatriz o serviço de quimioterapia e já há uma fila para isso como de cirurgias oncológicas, a fila é grande e nós sabemos que cada dia custa muito para a vida dessas pessoas”, concluiu Valéria, agradecendo a todos os deputados que assinaram o requerimento para que seja viabilizado o mais rápido possível esse processo, para a implantação dos serviços de radioterapia, cuja carência está custando a vida de muitos maranhenses da região tocantina e de todo o estado do Maranhão.

O PMDB DO MARANHÃO E SEU CAIXÃO DE DEFUNTO PARA ENTERRAR A OLIGARQUIA SARNEY

Em tempo de carnificinas, dentro e fora das prisões do Maranhão (veja em Dom Pedro) um tresloucado vereador de São Luís patrocinou um protesto de mau gosto contra o prefeito da capital, Edivaldo Holanda Jr (PTC). O caixão, que agora não se sabe o que fazer com ele, poderá ser guardado para enterrar de vez o grupo sarney no Maranhão. Leia interessante postagem do jornalista ricardosantos.
Irmão da Fábio Câmara instalou caixão na porta da prefeitura.
Irmão da Fábio Câmara instalou caixão na porta da prefeitura.
Rapaz, é muita baixaria, eita desespero. Nada a ver mesmo. Quem jogou a “macumba”, que tem a obrigação de recolher, afinal de contas, essas coisas de mal gosto, feitas por gente desocupadas, mentes doentes, tem que ser denunciadas para a sociedade.
Onde já se viu, colocar um caixão de defunto em frente à Prefeitura de São Luís, está desejando a morte do prefeito?
A notícia que chegou ao blog foi de que o vereador Fábio Câmara terá que retirar seu “agouro” de volta.
Fiquem com a informação completa retirada do blog do Garrone:
Pelo menos dois peemedebistas de proa manifestaram descontentamento com o gesto tresloucado do vereador Fábio Câmara (PMDB), que passou a ser chamado no meio político de Fábio “Caixão” e seu mentor político Ricardo Murad. É o que informa o blog do jornalistaClodoaldo Corrêa.
A fúnebre iniciativa de Fábio em patrocinar o aluguel de um caixão para expor em frente à Prefeitura de São Luís incomodou o senador João Alberto e o secretário chefe da  Casa Civil, João Abreu.
João Alberto: incomodado com atitude de Fábio 'Caixão'
João Alberto: incomodado com atitude de Fábio ‘Caixão’
Segundo o blog, os graúdos do PMDB fizeram chegar aos ouvidos de Murad e da governadora Roseana Sarney a situação esdrúxula a que está submetido o partido com a patacoada de Fábio “Caixão” e sugeriram que seja encontrada uma forma imediata de retirar o artefato da porta da Prefeitura.
O temor dos peemedebistas é que o tiro saia pela culatra e que, em vez de atingir o prefeito Edivaldo Holanda Júnior o caixão acabe contribuindo para enterrar de vez as chances do grupo Sarney em 2014.
A peça de profundo mau gosto atinge em cheio o Palácio dos Leões, que está emparedado com a crise do sistema penitenciário, que com 59 mortes em um ano, virou alvo da imprensa nacional.
Portanto, caixão é tudo que o governo de Roseana não quer por perto neste momento em que ‘cabeças estão rolando’, inclusive, no grupo Sarney…

quinta-feira, 26 de dezembro de 2013

PREFEITURA DESENVOLVE AMPLA PROGRAMAÇÃO PARA VIRADA DO ANO E ANIVERSÁRIO DE 94 ANOS DE PORTO FRANCO

O prefeito Aderson Marinho, o ex-prefeito Deoclides Macedo e a deputada estadual Valéria Macedo estarão juntos com a população de Porto Franco e região nesse grande momento de confraternização


A Prefeitura de Porto Franco, gestão Prefeito Aderson Marinho Filho (PDT), o “Adersinho”, desenvolve ampla programação comemorativa aos 94 anos de emancipação política de Porto Franco, festividades que se estende desde o dia 23 passado indo até o dia 1º de Janeiro, data do aniversário do município  que mais se desenvolve no sul do Maranhão.

De acordo com a programação distribuída pela assessoria, dia 23/12 aconteceu às 16hs o Natal Solidário 2013 que atendeu 2.000 famílias das zonas urbana e rural. O evento aconteceu no Estádio Municipal Manoel Pereira de Sousa, o “Panelão”; Dia 24/12, ás 08h30 aconteceu o final do Campeonato Municipal Rural de Futebol no Povoado Coité; Ontem, 25/12, as 19h: aconteceu a  Cantata Natalina  na Vila de Natal Praça Anísio Bandeira de Miranda.

Trabalhadores do Residencial com
 Deoclides Macedo e Aderson Marinho
Hoje, 26/12, quinta-feira, acontecerão às seguintes solenidades a partir das 17hs, no Ginásio Poliesportivo João Carlos Hass, no centro de Porto Franco:

1-    Assinatura do contrato para construção de 400 casas do Programa Minha Casa Minha Vida 2ª Etapa – Residencial Esperança “B”;
2-    Assinatura do Termo de Cooperação e Parceria entre a Caixa Econômica Federal e a Prefeitura de Porto Franco para viabilizar a construção de casas na zona rural do município, através do Programa Nacional de Habitação Rural – PNHR;
3-    Anuncio oficial da implantação da Agência da Caixa Econômica Federal em Porto Franco;
4-    Realização do sorteio de 500 casas do Programa Minha Casa Minha Vida – Residencial Esperança “A”.

Dia 28/12/2013, sábado, as 19h30: acontecerá Culto em Ação de Graças, Local na Igreja Batista Nacional Missionária,      Rua Ipiranga – Centro;

Dia 30/12/2013, segunda-feira a partir das 18h: será feita a entrega de Pavimentação de rua Oséas da Silva no Bairro São Francisco, contando doravante com calçamento de Bloquete, calçada, meio-fio e sarjetas. No mesmo dia, as 19h30 também será entregue a Pavimentação de da Rua Nossa Senhora Aparecida (Centro, Próximo à Igreja Matriz) também em Bloquete, com calçada, meio-fio e sarjetas.
     
Dia 31/12/2013 (Terça-feira) as 08h: Entrega do Melhoramento das ruas do Bairro Novo Paraíso com fresado asfáltico. E a partir das 22hs terá início na Praça do Côco a festa de Reveillon Popular em comemoração à chegada de 2014, tendo como atrações a Banda Impactus e a dupla Sertaneja Beto Junior e Marcelo.

Finalmente, dia 01/01/2014 quarta-feira, será o aniversário de 94 de Porto Franco tendo às 19hs: Missa em Ação de Graças na Igreja Matriz e às 21hs grande baile no Espaço Cultural Waldemar Pereira animado pela Banda Asa Elétrica.


O prefeito Aderson Marinho, o ex-prefeito Deoclides Macedo e deputada estadual Valéria Macedo estarão juntos com a população de Porto Franco e região nesse grande momento de confraternização, festejando o aniversário do município, comemorando os avanços e vitórias de 2013 e se irmanando com todos positivamente por um 2014 de muitas bênçãos, saúde e paz...