segunda-feira, 8 de novembro de 2010

Impunidade e violência imperam no Maranhão

    O quadro no Maranhão  é de desalento, pois não se ouve nenhuma explicação por parte da Governadora Roseana Sarney, do secretário de Segurança Pública, da Justiça ou  da Promotoria Pública.
     
     Não existem dados e pouca gente parece interessada em levantar esses números, mas é visível que a violência tem recrudescido em todo o Maranhão. Basta ficar atento aos noticiários da imprensa em geral para se constatar isso. Até conflitos agrários, que há muito não se ouvia falar estão acontecendo no Maranhão.

     Só na região metropolitana de São Luís até o dia  31 de outubro foram  registrados 58 assassinatos, destes um total de 23 foram praticados com características de execução: uso de arma de fogo, vários tiros e sem chance de a vítima se defender. No mesmo período do ano passado, houve o registro de 42 homicídios, 16 a menos que em 2010.

"Leandrinho", levou a pior com a PM
      Em Imperatriz, a segunda maior cidade do estado, o clima não é muito diferente, nove homicídios foram registrados no mês de outubro. Nos últimos dias os crimes com características de pistolagem também aumentaram sendo que na primeira semana de novembro quatro vidas já foram ceifadas. Três mortes aconteceram em menos de 24 horas do dia três para o dia quatro.
  Na manhã do dia três ( por volta das 7h), na Rua 37, Bairro Vila Vitória, foi morto pela polícia  Leandro de Oliveira da Silva, o "Leandrinho", o mesmo já tinha passagem pela CCPJ, e tinha saido a um més de Pedrinhas. A desculpa para a execulção do meliante teria sido a mesma de sempre: "reagiu contra a polícia".

Juscelino Pereira, em decúbito dorsal

As 12 hs do mesmo dia foi assassinado o presidente da  Cooperativa de Transporte Alternativo do Tocantins,Cootins, Juscelino Pereira dos Santos, quando almoçava em um restaurante localizado no Porto da Balsa. 

O assassino, um homem branco, alto, chegou com capacete na cabeça e de arma em punho efetuou três tiros na cabeça de Juscelino que inerte caiu ao lado da mesa.

  



Isnaldo, morto dentro de casa


Nove horas depois, na madrugada do dia  quatro, o comerciante Isnaldo Pinheiro de Sousa foi morto a tiros  dentro de sua residência na rua Coriolano Milhomem,  bairro Bacurí. Nos dois casos, as vítimas foram alvos de motoqueiros.
Edson, foi degolado
   Finalmente  sábado (6), foi registrado mais um caso, cuja  vítima  foi o pedreiro Edson Faustino, 41 anos, que era morador da Rua Passondas de Carvalho, Santa Rita. O corpo foi encontrado pelo sobrinho da vítima, Rafael Faustino, nesse sábado, por volta de 6h20.

 De acordo com a ocorrência registrada Edson Faustino havia sido degolado, pois apresentava um corte profundo na garganta.

Todos esses crimes, como os demais que acontecem na cidade, foram  registrados no Plantão Central da 10ª Delegacia Regional de Imperatriz. Inquéritos foram abertos, mas a esperança de continuidade ou resolução é mínima, pois já é comum em Imperatriz os crimes cairem no esquecimento. Apenas quando acontece um crime que gera  clamor popular ou em que foi vítima alguém de renome são conhecidas as circuntancias do sinistro e sua elucidação.  Na maioria  das vezes os  assassinatos ou execuções não são desvendados ou se se são os criminosos e mandantes não vão para a cadeia. 

Centenas de processos dormem nas prateleiras das delegacias ou dos cartórios criminais, estes vão para a longa lista da impunidade, fenômeno que não se restringe somente a Imperatriz, se estende a todo o Maranhão. A Impunidade é na visão dos que estudam a criminalidade um incentivo à pratica da violência.

    Como disse inicialmente, não se tem dados oficiais, os levantamentos são feitos pela imprensa  tendo como base as anotações feitas no livro de ocorrências do Instituto Médico Legal (IML) e relatos ouvidos nos locais dos crimes. Faça um teste, abra o site da Secretaria de Segurança Pública do Maranhão e clic em "Estatísticas".

     O quadro no Maranhão  é de desalento, pois não se ouve nenhuma explicação por parte da Governadora Roseana Sarney, do secretário de Segurança, Pública, da Justiça ou  da Promotoria Pública. Também não se vê nenhum questionamento dos políticos de oposição - talvez ainda estejam zonzos com o resultado catastrófico das eleições - para a visível inércia da polícia judiciária ou da ineficácia das políticas preventivas contra esses crimes.
     
    E as entidades da sociedade civil, o que aconteceu com elas? Se dissolveram? Ah, talvez estejam esperando morrer um advogado, ou quem sabe um jornalista, um político, para sairem em passeata, organizarem atos públicos, abaixo-assinados, entre outras iniciativas " pela paz" ou "pelo fim da violencia e da impunidade".
   
    Última hora

     Como se não bastassem os assassinatos, só hoje já aconteceram uma tentativa de assalto ao Banco postal dos correios de Sítio Novo do Maranhão e um assalto ao Banco do Brasil de Buriticupu.

     Segundo o  site da FM Nativa de Imperatriz, por volta das 8h da manhã desta segunda-feira, 08, três homens armados, tentaram assaltar a agência dos Correios na Avenida Presidente Sarney, S/N, centro, em Sítio Novo MA, distante 107 quilômetros de Imperatriz.
     
Av. principal, local do tiroteio
     A agência do Banco do Brasil, na cidade de Buriticupu, distante 240 km de Imperatriz, foi assaltada na tarde desta segunda-feira (8). Homens fortemente armados chegaram na cidade atirando a esmo, invadiram a agência bancária e realizaram o assalto em Buriticupu.
    
    O morador Francisco Arruda narrou, via twitter, detalhes do assalto ao Banco do Brasil. Ele escreceu: "correria na principal avenida de Buriticupu por conta de tiroteio. Bandidos assaltam a agência da cidade deixando toda cidade em pânico”. Veja no site Tribuna do Maranhão.

Um comentário:

Blog do Marcelo Lira disse...

A maior prova de que o Maranhão é a terra da impunidade é não ter nenhum político, desses que há 50 anos afundam o estado, na cadeia...