terça-feira, 14 de junho de 2011

Caso Tamires Vargas: Relatório da Comissão de Direitos Humanos aponta que garota foi assassinada



Tamires Vargas

 A deputada Gardênia Castelo (PSDB) revelou nesta segunda-feira (13), durante pronunciamento na tribuna da Assembléia Legislativa, que um minucioso relatório da Comissão Direitos Humanos e Minorias da Casa aponta fortes indícios que a jovem Tamires Pereira Vargas, de 19 anos, encontrada enforcada dentro da delegacia de Porto Franco, foi assassinada.
Segundo Gardênia, o relatório - elaborado durante a audiência pública realizada no município de Campestre sobre o caso Tamires - será submetido à apreciação da Comissão de Direitos Humanos e Minorias na quinta-feira (17). "Depoimentos de pessoas envolvidas no caso deixam claro que a jovem foi assassinada e não se enforcou como disse a polícia", afirma. 

A morte da jovem Tamires provocou grande repercussão no Maranhão. A presidente da Comissão de Direitos Humanos e Minorias da Assembleia Legislativa, deputada Eliziane Gama (PPS), cobrou várias vezes esclarecimentos e providências sobre a morte da jovem, encontrada enforcada no corredor da delegacia de Porto Franco, a cerca de 800 km de São Luís.

Deputados vieram à Porto Franco e Campestre
O Caso Tamires foi considerado emblemático, porque aconteceu no dia 08 de março, Dia Internacional da Mulher, quando o Brasil e o mundo param para fazer uma discussão sobre o tema. Para Eliziane Gama, a morte de Tamires é mais um caso dentro do sistema prisional do Estado do Maranhão. "Ano passado, tivemos 42 mortes e hoje, estamos chegando a quase 20, em três meses", criticou.
 

SUSPEITAS - Eliziane Gama questionou o fato de haver uma corda dentro da cela. Disse que as informações obtidas é que a janela era alta e não havia outro instrumento para facilitar o suicídio. Segundo ela, além dos sinais de enforcamento, havia hematomas no corpo da jovem, portanto não houve apenas enforcamento. De acordo com a deputada, o exame de conjunção carnal não foi pedido pelo delegado de polícia de Porto Franco. Mas a família de Tamires tem fotos das partes intimas da jovem, que podem evidenciar violência sexual. "Vários presos que estavam na delegacia não viram o enforcamento, só viram Tamires no chão, sentada", comentou. (Cláudio Brito - Agência Assembleia)

Um comentário:

Anônimo disse...

descance em paz
sei que esta em um lugar bom !
ao lado de deus não existe lugar melhor!