quinta-feira, 24 de novembro de 2011

Informe sobre a paralisação dos policiais militares e bombeiros do MA





Cerca de 1.700 policiais militares e bombeiros e familiares destes estão neste momento na Assembleia Legislativa, depois de terem ocupado a Casa ontem após decidirem paralisarem suas atividades por tempo indeterminado. Parlamentares fazem discursos de apoio ao movimento.
No início da sessão plenária da AL, os militares lotaram a galeria e interromperam o pronunciamento do deputado Bira do Pindaré para cantarem o Hino Nacional. Não há desordem no local.
Os militares se concentram no térreo da Assembleia, onde fica o saguão. Alguns assistem a transmissão da TV Assembléia através de um enorme aparelho de televisão. Outros conversam com a Imprensa. Muitos se concentram também na área externa, no estacionamento.

Em São Luís, cerca de 90% dos militares pararam. A adesão é grande também em várias cidades do interior, como Imperatriz, Timon, Bacabal, Santa Inês, Barra do Corda, Caxias, Pedreiras, Balsas.

Nas ruas da capital é possível ver carros com homens da Força Nacional e poucos PMs.

Sem coletes a prova de balas, cadetes foram destacados para logradouros públicos a vista da população para dar falsa sensação de segurança.

Até agora o governo do Estado não se manifestou para intermediar qualquer acordo com a categoria. 


Líderes do movimento afirmam que permanecerão na Assembléia até o Governo Roseana Sarney atender as reivindicações.

O governo, como sempre utilizando-se da Justiça para intimidar e fazer pressão, por decisão do desembargador José Stélio Nunes Muniz, em resposta a ação protocolada pelo Governo do Estado, a paralisação foi considerada ilegal. Foi determinada, ainda, multa no valor de R$ 200, para cada manifestante, por dia sem trabalhar.

Nenhum comentário: