quinta-feira, 26 de janeiro de 2012

Foi ele? Marido foge e não comparece na reconstituição do assassinato da mulher

Morta na noite do dia 24 de dezembro do ano passado a Enfermeira Ozeana  é mais uma vítima de crimes contra a mulher em Imperatriz . Com a possível fuga do principal suspeito, o crime corre o risco de entrar para impunidade...

A Polícia Civil realizou na manhã de ontem, quarta-feira (25) a reconstituição do crime da enfermeira Ozeana dos Santos Ribeiro (foto). O principal suspeito, André Pereira da Costa, ex-marido da vítima, não esteve na reconstituição e, segundo seu advogado, ele está fora da cidade há dois dias. Ozeana foi morta na noite do dia 24 de dezembro do ano passado.


Para a PC, a situação do acusado se complicou mais ainda porque existem contradições entre seu depoimento e o que foi constatado pela perícia criminal. Sem o principal suspeito, a reconstituição do crime foi realizada com Jeferson e Jaciara, amigos do casal e que bebiam junto com eles na noite do crime.



O delegado Regional da PC, Francisco de Assis Ramos, aponta as contradições entre a versão de André e o que a perícia já concluiu: “A perícia veio contradizer, principalmente no que diz respeito ao local onde a vítima foi alvejada, que segundo as testemunhas, não foi o mesmo local que ele (André) divulgou, assim como a distância do disparo”, disse. Para o delegado Regional, “André tem alguma culpa no cartório”, justificando a ausência do mesmo na reconstituição.



“Desde o inicio ele (André) é o autor em potencial, a gente achava que ele poderia ser o autor, mas não temos certeza. Embora hoje nós ainda não tenhamos certeza absoluta que ele foi o autor, mas nós temos certeza de que a versão inicial dele não condiz com a verdade”, completou Assis Ramos. 



A recém-formada enfermeira Ozeana foi morta com um tiro no abdômen, em sua residência, na Rua Simplício Moreira, bairro Bacuri, na véspera de Natal de 2011. Ela foi socorrida por André e deu entrada no Hospital Municipal, mas em óbito. 



As testemunhas que participaram da reconstituição de ontem não estavam no local quando o crime ocorreu. O grupo (casal e amigos) estava num momento de descontração e ingerindo bebida alcoólica, porém, antes da morte da enfermeira.



A arma do crime não foi encontrada e a Polícia não sabe do paradeiro do acusado. O delegado Assis Ramos afirma que a PC agilizará o processo para o fechamento do inquérito e que André será intimado a comparecer à delegacia a fim de dar esclarecimentos sobre o não comparecimento na reconstituição do crime do qual ele foi a única testemunha. 



(Texto de Ronie Petterson, do jornal Correio Popular, título e sub-título deste blog).

Nenhum comentário: