segunda-feira, 18 de abril de 2016

BRASÍLIA NÃO PODE DIVIDIR O MARANHÃO - FLÁVIO DINO NÃO DEVE FICAR ESTREMECIDO COM ALIADOS QUEM VOTARAM A FAVOR DO IMPEACHMENT

É certo que a nação está dividida e que existem até casos de ódio entre aqueles que querem a derrubada da presidente e os que defendem a sua permanência. Alguns até sustentam que é uma luta ideológica, entre esquerda e direita, entre pobres e ricos... o que não concordo de maneira alguma. E digo isso com a autoridade de quem não se envolveu nessas escaramuças. 

Alguns poderão dizer da minha insignificância política, porém como formador de opinião não joguei lenha na fogueira, preferi o silencio em respeito a grande aliança que se construiu no Maranhão para a derrubada do sarneysismo e a consequente eleição de Flávio Dino.

Mas, vamos ao ponto: agora, após a votação de ontem na Câmara dos deputados muitos especulam e apostam num racha no Maranhão entre as forças que dão sustentação ao governo estadual.

Na sexta-feira (15) alguns blogs  divulgaram que  o governador havia garantido 10 votos da bancada maranhense contra o impeachment da presidente de Dilma, mas tal previsão não se concretizou e apenas oito votaram contra. De todos os parlamentares a postura de apenas um, Zé Reinaldo Tavares (PSB), vem sendo alvo de comentários dos  que apostam agora num  rompimento com possíveis  retaliações do governo estadual contra Reinaldo e outros favoráveis ao  impeachment.

O deputado teria garantido  que  votaria contra o afastamento de Dilma, mas ao declarar seu voto, Zé Reinaldo se dirigiu diretamente ao governador se desculpando por mudar de opinião: “Peço desculpas ao governador Flávio Dino, mas não posso votar contra, depois de tudo o que passei”, disse, com certeza fazendo uma referência da sua prisão na Operação Navalha durante o Governo Lula e a cassação do governador Jackson Lago.

Segundo o Blog Marrapá, "daqui pra frente essa mudança de opinião de Zé Reinaldo deve ter consequências na política local". 

Será? Mesmo compreendendo que o PCdoB é o maior aliado atual do PT no plano nacional   penso que essa luta não deve ser transportada para o Maranhão, onde o PSDB tem o vice-governador e outras forças compõem o governo de Flávio Dino como o Solidariedade, o PSB e o PPS que votaram a favor do Impeachment.

Caso realmente Dilma seja desapeada da presidência , o que tem a ganhar Flávio Dino rompendo com seus aliados que o ajudaram a ganhar a eleição? Pelo contrário, estes, respaldados no plano nacional podem é ajudar o governo maranhense, evitar retaliações e em breve tempo, em nome da governabilidade do novo governo federal, ajudarem a tapar as arestas e estreitar relações institucionais, no mínimo.

Intrépido, corajoso, firme em suas convicções, Flávio Dino mostrou honradez, fez a sua parte, apesar de não ter tido nenhuma solidariedade do PT Nacional nos seus embates no Maranhão. Mas, agora, como um homem  inteligente, um político moderno, haverá de manter sua governabilidade, levando em consideração o que sempre disse em sua campanha: "Meu Partido é o Maranhão".

Eu aposto nisso! 


Veja como foi o voto dos deputados do Maranhão:

– Votaram a favor

Alberto Filho (PMDB) – Sim

André Fufuca (PP) – Sim

Cleber Verde (PRB) – Sim

Eliziane Gama (PPS) – Sim

Hildo Rocha (PMDB) – Sim

José Reinaldo (PSB) – Sim

João Castelo (PSDB) – Sim

Juscelino Filho (DEM) – Sim

Sarney Filho (PV) – Sim

Victor Mendes (PSD) – Sim

-Votaram contra

Aluísio Mendes (PTN) – Não

João Marcelo Sousa (PMDB) – Não

Júnior Marreca (PEN) – Não

Pedro Fernandes (PTB) – Não

Rubens Júnior (PC do B) – Não

Waldir Maranhão (PP) – Não

Weverton Rocha (PDT) – Não

Zé Carlos (PT) – Não

Um comentário:

O Neres disse...

Por falar em dividir; o plebiscito de criarem o tal de Maranhão do Sul foi arquivado?