quinta-feira, 2 de dezembro de 2010

Quem precisa de terapia?


Final de mandato, para muitos políticos, costuma representar um alívio. 

Mas para o presidente Lula, a expectativa de passar a faixa adiante parece estar se transformando num elemento de desequilíbrio profundo. 
Só isso poderia explicar o destempero e o comportamento bipolar a cada aparição pública. Leia mais no Blog Polis,  de Sérgio Montenegro.

Um comentário:

Anônimo disse...

De fato, a inclusão social da era Lula ficou mesmo só para os membros do partido revolucionário dele, principalmente para a cúpula, é claro e amigos como o Coronel Ribamar.
No mais, devolveu-nos a inflação e agora estamos assistindo o beneficiários dos programas assistenciais também pagando impostos altíssimos, tudo embutido nos preços dos supermercados.
Um sanduíche que custava cinco reais há oito anos, agora custa quase vinte reais e os preços aqui em Imperatriz ainda não estão majorados como os de Brasília neste exato momento.
No frigir dos ovos, beneficiários mesmo desses últimos oito anos foram só os banqueiros que experimentaram crescimento nunca vistos no mundo todo, enquanto a política industrial parece ser é de desindustrialização e, felizmente, o setor agrícola cresce porque há chuvas, apesar do MST e de outras pragas.
Assistir o Lula defendendo o Sarney - além de um profundo desrespeito com os maranhenses e de denotar que desconhece as reais causas da miséria absoluta que a maioria dos nossos irmãos vive -, é, no fundo, um retrato de tudo que realmente aconteceu nos últimos oito anos, ou seja, o povo brasileiro foi de forma vil traído.
Fomos e estamos sendo vítimas de um imenso estelionato político.