sexta-feira, 28 de janeiro de 2011

Belo Monte: vamos mostrar a nossa indignação e lutar pela revogação da lincença ambiental

Região onde querem construir a Hidrelétrica
Chegou a hora de agirmos! O governo acaba de aprovar uma licença “parcial” que libera a derrubada de árvores para iniciar o canteiro de obras para a construção da usina de Belo Monte.

A decisão já teve forte repercussão, o Ministério Público Federal no Pará declarou que a licença é ilegal e não poderia ser emitida sem o cumprimento das condicionantes ambientais. Mas a Presidente Dilma está se fazendo de surda.

Somente uma mostra da indignação geral de brasileiros de todo o país conseguirá persuadir ela a revogar a licença. Nós sabemos que a pressão funciona! Se um número suficiente de pessoas ligarem para a Dilma, poderemos ajudar a proteger a nossa preciosa floresta e conseguir a revogação da licença ilegal. Se não agirmos, a floresta começará a ser derrubada, a construção dos canteiros de obra iniciará e ficará cada vez mais difícil reverter esse quadro.

Vamos inundar o gabinete da Dilma com telefonemas hoje, mostrando que estamos atentos e prontos para impedir a destruição do Rio Xingu.

Só leva alguns minutos.

Ligue para o gabinete da Dilma agora: (61) 3411.1200, (61) 3411.1201 ou (61) 3411.2403

Veja algumas sugestões do que falar ao telefone

Lembre-se de se apresentar e ser educado:
  • Peça a revogação imediata da licença parcial concedida esta quarta-feira e pare o andamento do projeto
  • Cite a renúncia do Presidente do IBAMA e o processo do Ministério Público Federal declarando a ilegalidade da licença
  • Peça investimento em eficiência energética e fontes verdadeiramente limpas que não causam uma devastação ambiental
  • De acordo com a lei brasileira e internacional, o governo tem a obrigação de proteger os direitos básicos das populações indígenas e comunidades locais
  • Mencione a petição para parar Belo Monte com mais de 385.000 nomes, dizendo que esperamos que ela ouça a população
Duas semanas atrás o ex-Presidente do IBAMA renunciou ao cargo, se recusando a ceder a pressão política para emitir a licença de construção de Belo Monte. Mas o governo rapidamente apontou Américo Ribeiro Tunes, um substituto leal que caladamente assinou a licença pouco depois de assumir o cargo.

Porém, a pressão está aumentando por vários lados. O Ministério Público Federal no Pará está comprometido a entrar na justiça para parar Belo Monte, líderes indígenas estão voando do Pará para se reunir com o governo e a nossa petição de 385.000 nomes será entregue em Brasília.

Vamos mostrar a nossa indignação! Ligue para o gabinete da Dilma agora: (61) 3411.1200, (61) 3411.1201 ou (61) 3411.2403. Juntos nós podemos proteger a Amazônia. Depois de ligar escreva para portugues@avaaz.org para contarmos o número de ligações.

Para fortalecer a nossa ação, ligue também para a Ministra do Meio Ambiente, Isabela Teixeira: (61) 2028-1057 or (61) 2028-1289, peça para ela parar de se omitir, fazer o seu trabalho e impedir este desastre ambiental.

Com esperança,

Luis, Alice, Graziela, Ricken, Ben, Maria, Pascal e toda a equipe da Avaaz

PS. Se você ainda não assinou a petição contra Belo Monte, assine aqui: http://www.avaaz.org/po/pare_belo_monte/?vl

Conheça mais sobre o assunto:

MPF vai à Justiça contra licença precária de Belo Monte:
http://www.prpa.mpf.gov.br/news/2011/mpf-vai-a-justica-contra-licenca-precaria-de-belo-monte

MPF questiona licença de Belo Monte na Justiça:
http://www.estadao.com.br/estadaodehoje/20110128/not_imp672110,0.php

Belo Monte: licença parcial não existe:
http://oglobo.globo.com/economia/miriam/posts/2011/01/27/belo-monte-licenca-parcial-nao-existe-359392.asp

ONGs protestam e chamam licença parcial de Belo Monte de crime:
http://www.jb.com.br/pais/noticias/2011/01/27/ongs-protestam-e-chamam-licenca-parcial-de-belo-monte-de-crime/

Reação em cadeia contra a licença a Belo Monte:
http://colunas.epocanegocios.globo.com/empresaverde/2011/01/27/reacao-em-cadeia-contra-a-licenca-a-belo-monte/




A Avaaz é uma rede de campanhas globais de 5,6 milhões de pessoas que se mobiliza para garantir que os valores e visões da sociedade civil global influenciem questões políticas internacionais. ("Avaaz" significa "voz" e "canção" em várias línguas). Membros da Avaaz vivem em todos os países do planeta e a nossa equipe está espalhada em 13 países de 4 continentes, operando em 14 línguas. Saiba mais sobre as nossas campanhas aqui, nos siga no Facebook ou Twitter.

3 comentários:

Anônimo disse...

Prezado Josue.
vou lutar mais é para acelerar o inicio da construçao da hidreletrica de Belo Montes que vai ajudar o nosso pais a continuar crescendo, com responsabilidade ambiental, as hidroeletricas sao as mais limpas fontes de energia e o nosso pais tem tecnoligia para construir sem destruir, vou ligar para a Dilma e para a ministra para arrochar imediatamente na construçao. (Estas ONGS internacionais que sao bancados com grana de paises que querem vender tecnologia energetica, nao podem impedir nossa felicidade.

sds

Atenágoras Reis Batista
atenagoras.reis@uol.com.br

Blog do Josué Moura disse...

Amigo Atenágoras,
tuudo é uma questão de visão de mundo.
Mas certamente o amigo é um dos que embarcou na propaganda dizendo que Belo Monte é um projeto salvador, que Belo Monte vai fazer o país crescer, que Belo Monte representa nosso compromisso com energia limpa.

Mas Belo Monte não é nada disso. Ela é, em poucas palavras, um descalabro ambiental de imensas proporções. Este descalabro vai afetar dezenas de milhares de pessoas que habitam as margens do rio Xingu. E, é preciso dizer, vai contribuir com o aquecimento global. Isto porque, ao contrário do que todos tentam nos fazer crer, hidrelétricas não fazem energia limpa. Seus lagos represados apodrecem quantidades monumentais de matéria orgânica sob a água parada. Deles, saem milhões de toneladas de metano (CH4), um gás de efeito estufa ainda mais perigoso do que o gás carbônico (CO2).

O governo usa argumentos padronizados. O de que a energia é limpa é um deles, coisa que foi derrubada por estudos como o do professor Felipe Marsai, do Inpa de Manaus que mostra justamente o contrário: as hidrelétricas produzem gás metano em altas concentrações e grande quantidade. Significa uma incidência enorme nmo efeito estufa. Segundo, de que a área inundada será pequena. De fato, em relação a outras barragens, será pequena. Ocorre que, e essa é a questão central, a hidrelétrica de Belo Monte é inviável economicamente. Porque ela vai ficar peo menos seis meses do ano com as turbinas paralisadas por falta de água suficiente para movimentá-las. É, portanto, uma necessidade econômica que outras barragens sejam construídas ao longo do rio Xingu para viabilizar a hidrelétrica. Aí o governo diz que isso não é verdade. Mas isso já está provado que é, por conta da enorme variação do rio Xingu. Suas variações entre seca e cheia são muito grandes. E o nível médio será incapaz de movimentar as turbinas no verão amazônico, o período de seca. O projeto, cujo valor alguns dizem que é de R$ 30 bilhões e o governo diz que é R$ 19 bilhões, não se viabiliza economicamente sem outras barragens. O que significa que essa área de cerca de 500 quilômetros quadrados vai aumentar exponencialmente com a construção dessas outras barragens, provocando danos ambientais irreparáveis.
Finalmente em relação as Ongs, essa aversão não rima com os discursos desenvolvimentistas. As discussões sobre a possibilidade de um novo mundo nos obrigam a refletir sobre a as verdadeiras dimensões do fenômeno da globalização. Na verdade os protestos que hoje se generalizam são atitudes profundamente globalizadas. Todos devemos agir sem fronteiras, pois o que acontece lá na África pode também nos afetar, principalmente em relação ao Meio Ambiente. Hoje todos somos cidadão do mundo...

Anônimo disse...

me desculpa, mas tem que ser um completo estúpido pra apoiar xenofobismo e essas idiotices. Só burro que acha que sendo xenófobo contra ONGs vai melhorar o país...
Se não fosse o trabalho feito por ONGs e pela igreja o mundo estaria muito mais miseravél do que é...(Nilseane Barroso)