sexta-feira, 10 de junho de 2011

Livre, Battisti escolhe SP para nova trincheira

Após quatro anos preso, ex-ativista desembarca em Congonhas disposto a retomar a vida na maior cidade do País e se dedicar à literatura

Fausto Macedo, de O Estado de S. Paulo
Beto Barata/AE
Beto Barata/AE
Fora da prisão, Battisti planeja publicar livro
Cesare Battisti, livre das muralhas da Papuda, chegou a São Paulo às 6h50 da manhã gelada de quinta-feira. Da janela do voo TAM que o trouxe, contemplou o amanhecer carrancudo da metrópole, antes do pouso em Congonhas. Ocupava o assento 22 A.

Em seu primeiro dia de liberdade, depois de 4 anos e 2 meses prisioneiro de severa disputa diplomática, ele refletiu sobre o recomeço. Tomou algumas medidas. Aos 56 anos, sua nova trincheira será aqui, na maior cidade do País que lhe outorgou o asilo político. Sua causa, agora, é a literatura e com ela planeja retomar a vida. Sua arma, textos de ficção. "É o meu trabalho. Um romance sem história pode existir, mas não romance sem tema."

Um comentário:

Anônimo disse...

Moura,
A única trincheira que este bandido pode fazer em SP é se associar ao PCC. A irresponsavel atitude de Lula e seu Supremo amestrado não merece nenhum regozijo por parte de nós brasileiros. Muito pelo contrário. Esta esquerdização do estado brasleiro está nos levando na contramão da história - Não devemos esquecer dos familiares das vítimas que este facínora deixou na Itália. Hoje, vivemos num mundo pós Muro de Berlim. Um abraço, onofre Corrêa