quinta-feira, 7 de julho de 2011

Compromisso contra escravidão aguarda ações de governadores

Dez dos 12 governadores que assinaram carta contra o trabalho escravo ficaram devendo explicações sobre providências. Há casos mais graves de descumprimento como o da nomeação de envolvido com a prática criminosa

Por Bianca Pyl, da Repórter Brasil

Roseana Sarney
Durante a campanha eleitoral do ano passado, 29 candidatos a cargos majoritários (Presidência da República e governos estaduais) assinaram a Carta-Compromisso contra o Trabalho Escravo, que estabelece diretrizes e obrigações relacionadas ao combate a esse tipo de crime.

Firmaram o documento a presidenta Dilma Rousseff (PT) e outros 12 chefes do Executivo estadual que venceram o pleito. Passados mais de seis meses das cerimônias de posse, a Repórter Brasil assumiu a tarefa de checar o grau de cumprimento das promessas assumidas na época em que os concorrentes ainda estavam disputando os votos de eleitores.

O resultado da apuração foi frustrante: apenas a governadora Roseana Sarney (PMDB), do Maranhão, o governador Beto Richa (PSDB), do Paraná, e representantes de pastas do governo federal comandado pela presidenta Dilma se manifestaram perante as questões encaminhadas.

Dez governadores que assinaram o compromisso não responderam aos pedidos de informações enviados pela reportagem, que entrou em contato diversas vezes por telefone e por e-mail com cada das respectivas assessorias de imprensa. São eles: André Puccinelli (PMDB), do Mato Grosso do Sul; Marcelo Déda (PT), do Sergipe; Marconi Perillo (PSDB), de Goiás; Jacques Wagner (PT), da Bahia; Omar Aziz (PMN), do Amazonas; Cid Gomes (PSB), do Ceará; Ricardo Coutinho (PSB), da Paraíba; Geraldo Alckmin (PSDB) de São Paulo; Wilson Martins (PSB), do Piauí, e Simão Jatene (PSDB), do Pará.

Para além da mera ausência de respostas, há situações mais graves de choque frontal com as cláusulas do compromisso público proposto pela Frente Nacional pela Erradicação do Trabalho Escravo e pela Comissão Nacional para a Erradicação do Trabalho Escravo (Conatrae) - como a nomeação de secretários envolvidos em flagrantes de trabalho escravo e a extinção de programas e pesquisas estaduais especialmente dedicados à temática. Leia mais.

Um comentário:

Anônimo disse...

jOSUÉ,este povo do Maranhão,nunca deixará de ser escravo.Escravo dos politicos,escravo das drogas,escravos dos hábitos desonestos,escravos das igrejas,escravos do sexo,escravos do dinheiro,escravos das vaidades,etc.Vá criar vergonha povinho.