segunda-feira, 11 de julho de 2011

DRAMA :Maranhenses e piauienses podem ter sido vítimas de trabalho escravo e aliciamento em São Paulo

Catorze maranhenses e 10 piauienses podem ter sido vítimas de trabalho escravo e aliciamento. Vivendo em condições precárias na cidade paulista de Sorocaba, os pedreiros denunciaram o caso e aguardam a visita hoje de auditores da Subdelegacia do Trabalho.

Adalberto Júnior, de O Imparcial

A situação dos 14 pedreiros maranhenses, do município de Santa Helena, que estavam em circunstâncias precárias na cidade de Sorocaba deve ser resolvida nesta segunda-feira. De acordo com informações do subdelegado regional do Trabalho em Sorocaba (SP), uma equipe de auditores da Subdelegacia do Trabalho será enviada à casa onde os maranhenses e mais 10 piauienses estão alojados, no bairro Quintas do Imperador. Segundo ele, os auditores verificarão as condições do local, que de acordo com denúncia dos trabalhadores, são degradantes, com muita sujeira, sem chuveiros, cobertores e colchões suficientes para todos os pedreiros.

"Vamos amanhã (segunda-feira) ao alojamento. A informação que temos é de que a empresa colocou eles para fora e que foram trazidos para cá através de uma empresa terceirizada, que chamamos de gato, que aliciou esses trabalhadores no Maranhão. Eles disseram que estavam sem roupas, agasalhos e sem condições no alojamento", disse o subdelegado Vitório José Cattai. Segundo ele, as denúncias dizem respeito a um trabalho análogo ao escravo, e que se for verificada alguma pendência na contratação dos trabalhadores, a Subdelegacia do Trabalho cobrará o pagamento de férias, 13º salário e aviso prévio.

"Essa situação é praticamente de trabalho escravo. Se isso for comprovado, a empresa responsável por eles entrará na lista do Ministério do Trabalho, e vamos acertar pagamento de férias, 13º e o aviso prévio desses trabalhadores, que vão sair com os seus direitos garantidos", disse. Cattai comentou ainda que a Subdelegacia fiscalizará o local para que dê condições justas de trabalho para os pedreiros que ainda quiserem ficar em Sorocaba. A equipe de reportagem de O Imparcial indagou o subdelegado sobre a frequência desse tipo de situação na cidade de Sorocaba. Ele disse que havia registrado casos de outras áreas, mas da construção civil, este teria sido o primeiro. Saiba mais.

Um comentário:

Anônimo disse...

Josué,Isso é a confirmação daquela velha frase:Ninguem subjuga um povo civilizado.Os maranhenses são mais facéis de serem escravizados,pelo atraso cultural e geral,que impera neste estado.Convem lembrar tambem,que é comum acontecer nestes casos,alguma coisa tipo o ¨conto do bilhete premiado ¨.Desonesto não é so o vendedor do bilhete,mas tambem o comprador.Abraços, Pedro Malazarte.