terça-feira, 25 de setembro de 2012

Imperatriz e Porto Franco duas administrações bem sucedidas, e Estreito uma administração desastrosa?


Sebastião Madeira
Podem-se discutir vários aspectos relativos às administrações do Prefeito Sebastião Madeira (PSDB), em Imperatriz, e do Prefeito Deoclides Macedo (PDT) em Porto Franco, menos dizer que elas não foram administrações exitosas para as populações e para os próprios municípios.

Deoclides Macedo
Por outro lado, pode-se dizer o que quiser menos a realidade empírica da gestão do Prefeito de Estreito Zequinha Coelho (PSD) de que sua administração foi marcada pelo ineficácia das políticas sociais e na infraestrutura. 

Zequinha Coêlho
Uma administração que é um desastre sem tirar nem por qualquer coisa. Um exemplo do que não se deve fazer na administração pública.

Imperatriz a metrópole do Maranhão do Sul

Em Imperatriz a administração do atual prefeito e candidato a reeleição Madeira foi exitosa especialmente na parte da infraestrutura da cidade, com várias ruas e bairros que receberam benefícios de asfaltamento e outras obras de infraestrutura.

No setor dos negócios Madeira acabou o entrave existente para que grupos empresariais chegassem ao município sem nenhum tipo de estorvo legal ou não. Empresas se instalaram por estas bandas, dois shoppings centers Tocantins Shopping e o Imperial Shopping que tornam a cada dia Imperatriz uma cidade muito mais moderna e atraente para as novas classes sociais ávidas por consumo e bem estar social.

Confirma também as análises de crescimento deste setor em cidade médias do Brasil superando os investimento nos grandes centros, já bem atendidos por shoppings centers.
No setor imobiliário inúmeros investimentos estão  sendo realizados sem nenhum embargo legal, burocrático ou empresarial por parte do município ou do Prefeito Madeira.

Enfim, o ambiente de negócios em Imperatriz melhorou muito na gestão do Prefeito Madeira que não tem nenhuma ligação profissional com o setor empresarial nem mesmo na sua atividade de origem que é a medicina. Madeira mesmo na medicina é muito mais ligado ao setor público e à saúde pública. 

Os setores sociais foram trabalhados mais carecem num segundo mandato de serem transformados em prioridade das prioridades.

Na área de serviços os avanços são substantivos com o curso de medicina autorizado para Universidade Federal do Maranhão em Imperatriz e mais recentemente o Curso de Medicina na Universidade Ceuma que funcionará em Imperatriz. O Ceuma como universidade pode criar o curso para um Campus em Imperatriz que funcionará a partir de 2013 segundo notícias recentes veiculadas na cidade. 

Enfim, Imperatriz vive uma espécie de lua de mel econômica em termos de crescimento, de investimentos e de consumo. 

Claro que os problemas mais fecundos do município ligados à infraestrutura e aos serviços públicos muito carecem de aprimoramentos e investimentos, mas essa é tarefa do segundo mandato que o Povo certamente dará ao Prefeito Madeira.

Registre-se o grande investimento Para um projeto gigantesco, cifras elevadas. A Suzano investe R$ 5,8 bilhões em Imperatriz - quase três vezes o PIB do município, de R$ 2 bilhões em 2009, segundo os dados mais recentes do IBGE.

Com a Suzano, a cidade atrai outros investimentos. Pelo menos três multinacionais fornecedoras da companhia se instalarão na cidade.

Porto Franco a Agroindústria do Mapito 

Em Porto Franco Deoclides Macedo realizou uma transformação profunda. Há dois marcos históricos do município de Porto Franco: um antes de 2005 e outro depois de 2005, com as duas administrações bem sucedidas do prefeito empreendedor Deoclides Macedo de 1.º/01/2005 até 31/12/2012. 

Porto Franco continua uma cidade pequena, mas certamente o município com os melhores indicadores sociais e econômicos da chamada região da Chapada das Mesas e do Maranhão do Sul. 

Tem um dos melhores sistemas públicos de saúde, um setor educacional bem estruturado, inclusive com a segunda escola de tempo integral do estado (a primeira é no município de São José de Ribamar).  Um Distrito Agroindustrial com inúmeras empresas instaladas sem nenhum estorvo e com facilitações e incentivos fiscais para instalação.

As políticas sociais de geração de trabalho e renda em Porto Franco são muito expressivas, especialmente com a chegada da ABC Inco no Distrito Agroindustrial. 

A infraestrutura e a logística urbana e rural do município são de causar surpresa a qualquer pessoa que vive noutro município da região.

Porto Franco desde 2005 vem atraindo empresas, dentre as quais o grupo Algar Agro que escolheu o município para construção de uma unidade de armazenamento e esmagamento de soja de 200 milhões de reais.

Inaugurada em 2007 com capacidade de esmagar 480.000 toneladas por ano, a fábrica mudou a vida do lugar. Desde então, Porto Franco vem consolidando o seu distrito agroindustrial às margens da ferrovia, que além da Algar Agro, já conta com unidades da Cargill, da Bunge e da Ceagro.

A instalação do pólo agroindustrial em Porto Franco tem impulsionado a economia local e regional. O processamento da soja ajuda a desenvolver também atividades como a pecuária e a avicultura.

A Algar Agro, que é uma empresa de agronegócios do Grupo Algar com sede em Uberlândia, inaugurou a primeira refinaria e envase de óleo de soja de capital exclusivamente nacional da região Nordeste. A unidade está localizada no polo agroindustrial de Porto Franco, na região sul do Maranhão, e foi construída com um investimento de R$ 70 milhões. A planta, com capacidade de produzir 5,5 milhões de caixas de óleo/ano, gera cerca de mil empregos diretos e indiretos.
A partir da refinaria de Porto Franco, a Algar Agro realizará a distribuição do óleo de soja da marca ABC para estados do Norte e Nordeste do país. A planta é a segunda refinaria da empresa. A primeira, localizada em Uberlândia, é responsável pela liderança da marca ABC em Minas Gerais e garante presença do produto no Espírito Santo, São Paulo e Rio de Janeiro.

Com a nova refinaria, a Algar Agro atingirá toda a região norte e nordeste o que deve posicionar a empresa como a terceira ou quarta maior do Brasil no setor. A refinaria da Algar em Porto Franco começou a operar em 2007.

Estreito a Capital Tocantina da Energia Elétrica 

A cidade de Estreito, que fica localizada a 130 quilômetros de Imperatriz, é uma das cidades mais importantes do Estado, bem como a principal porta de entrada da região Norte de quem vem do Centro-Oeste do Brasil, do sul e do sudeste.

Apesar da importância do Estreito, que teve sua economia turbinada em razão da instalação da CESTE e a construção da Hidrelétrica de Estreito, muitos problemas simples e administrativos ainda assolam o município, que teve um PIB extremamente elevado pelas empresas que se instalaram mesmo antes do início da barragem, que já está em seu terceiro ano de operação.

Estreito um retrado cruel do abandono administrativo

Quem anda no município de Estreito, todavia, depara-se tanto na zona urbana como na rural (17 assentamentos) com cidade completamente devastada e uma completa ausência do poder público. As ruas cheias de buracos, uma cidade com uma limpeza urbana precária, a entrada da estrada sem qualquer infraestrutura digna de uma metrópole com vocação regional.

As políticas sociais todas completamente deficientes e tratadas sem o zelo que a saúde, a educação, a assistência social e a geração de trabalho e renda merecem. 

A administração pública municipal é sinônima de abandono da cidade e da zona rural. Os 17 Projetos de Assentamentos e suas populações estão jogados a própria sorte com toda espécie de carências sociais e de infraestrutura. 

A entrada da cidade, isto é, o chamado Trevo da cidade é uma imagem desoladora de desorganização, um cartão postal que diz de plano a situação em que se encontra a infraestrutura e alto estima da cidade. 

A Porta de Entrada de Estreito e do Maranhão passa para os transeuntes uma imagem péssima do ponto de vista urbano e logístico da cidade. 

A imagem que se tem da cidade no primeiro momento é exatamente a primeira imagem que fica, apesar da elevação dos impostos, a população ainda não recebeu a benfeitoria gerada pelo crescimento, não somente pelo asfalto, mas em todos os serviços essenciais para o funcionamento dos serviços públicos.

Em um discurso recente feito pelo atual prefeito, que preferiu não concorrer à reeleição, Zequinha Coelho culpou a oposição pelos estragos no município, que segundo ele tem apenas uns “buraquinhos”, mas logo estaria sendo resolvido. O prefeito - apesar de toda a problemática estrutural do município - qualificou como “falácias” a questão dos buracos e a péssima infraestrutura do município, como se eles não existissem. 
 Os grandes investimentos na hidrelétrica propiciaram sem dúvidas muitos benefícios, sobretudo a produção de energia elétrica. Enormes igualmente foram os danos ambiental e social. E do ponto de vista dos benefícios para a população isso não aconteceu. Pode-se dizer que os investimentos feitos em Estreito, os impostos pagos pelos serviços não internalizaram benefícios para a infraestrutura da cidade e muito menos para a população do município. 
 A hidrelétrica de Estreito é um exemplo de que não é suficiente o investimento de capital privado para trazer desenvolvimento e internalizar benefícios sociais para a população. Essas coisas dependem de quem gere o município, vez que a lógica do mercado maximização os benefícios econômicos o que fez muito bem o Consórcio de empresas que construiu a Hidrelétrica de Estreito. Alguns poucos lucraram muito, os impostos que o município teria direito não se sabe o que ocorreu com eles, apenas que não se revestiram em benefícios para a coletividade. 
Para os pescadores, pequenos produtores rurais, restaram os danos ambientais, os alagamentos da represa, prejuízos os mais diversos e nenhum benefício prático decorrente deste mega investimento do setor elétrico do Brasil. Estreito ganhou uma hidrelétrica, mas não aproveitou esse processo para ganhos efetivos para a infraestrutura do município e benefícios sociais para a população.
 As práticas da administração pública municipal atual e o processo como se revelou este investimento demonstram o não desenvolvimento, a exploração dos recursos naturais e o crescimento da atividade energética para o país sem internalização de vantagens para as classes mais carentes da população. É o chamado crescimento econômico sem distribuição de renda e de benefícios para a população. 

Um comentário:

Anônimo disse...

Olá, Blogueiro!

Viemos te convidar para a Mobilização Nacional pela Doação de Órgãos. Doar órgãos é um ato de amor e solidariedade que traz mais vida e qualidade em seus dias para quem recebe. No Brasil, é a própria família quem autoriza a doação em caso de morte encefálica comprovada. Por isso, a informação é fundamental. É preciso que as famílias saibam desta vontade e se sintam seguras ao tomar esta decisão.

Abrace esta causa com a gente no Facebook:
https://www.facebook.com/DoacaodeOrgaos
E também estamos no Twitter:
www.twitter.com/doeorgaos_MS
O material da campanha para divulgação está disponível em:
http://apps.facebook.com/doacao_orgaos/?fb_source=search&ref=ts
Espalhe esse recado e nos ajude a aumentar o número de vidas salvas.

Obrigada,
Ministério da Saúde