terça-feira, 23 de outubro de 2012

PRESA QUE CARREGAVA CELULAR NO ÚTERO CONTINUA EM DELEGACIA POR FALTA DE VAGAS NOS PRESÍDIOS DE SÃO LUÍS

O fato só foi descoberto devido a fortes dores e febre das quais a presa passou a se queixar, sendo, então, submetida a um exame de raio-X.

Em nota enviada à Assessoria de Comunicação da Corregedoria Geral da Justiça do Maranhão, a juíza da 1ª Vara da comarca de Rosário, Rosângela Prazeres, informou que desde a segunda-feira (22), quando foi comunicada pelo delegado de Bacabeira, Davi Feller, sobre a presa encontrada com celular no útero, determinou a expedição de ofício à Superintendência de Polícia do Interior, bem como ao Secretário de Segurança Pública para adoção das providências que o caso requer. 

O episódio envolvendo a presa de Justiça de São Luís, Leiliane Boás da Silveira, encontrada com um aparelho celular escondido dentro do útero, foi comunicado à magistrada em ofício assinado pelo delegado, no qual Feller relata que “o fato só foi descoberto devido a fortes dores e febre das quais a presa passou a se queixar e, após ser submetida a um exame de raio-X do útero no Hospital Socorrão II, em São Luís”.

No documento, o delegado solicita da magistrada a imediata transferência da detenta para outra unidade prisional, bem como medidas para impedir o encaminhamento de outras presas para a Delegacia de Bacabeira, devido “à precariedade das instalações e à superlotação” da mesma.

Segundo Rosângela, a presa continua na Delegacia de Bacabeira, uma vez que a informação é de que não há vaga para a detenta em São Luís.

Problemas

De acordo com a magistrada, Leiliane Boás da Silveira responde a processos pelos crimes de tráfico de entorpecentes e homicídio na comarca de São Luís, mas foi transferida para a Delegacia de Bacabeira porque apresentava sérios problemas de comportamento no presídio feminino, onde estava custodiada anteriormente.

Interdição

Na nota, Rosângela Prazeres ressalta que inspecionou recentemente a Delegacia de Bacabeira, tendo encaminhado ao Conselho Nacional de Justiça relatório descrevendo o estado precário da unidade prisional. No documento, a magistrada cita o funcionamento da delegacia - apesar de interditada judicialmente - e a omissão da Secretaria de Segurança Pública na correção dos problemas apontados, inclusive relacionados à insalubridade constatadas pela Vigilância Sanitária. (Imirante)

Um comentário:

Caio brutts disse...

bom,queria falar que me recomendaram esse blog é bom demais,ja li esse post varias vezes e outros,é sempre bom ver recomendações,ouvir falar que tem um site bom ai de rastreamento um tal de http://rastreamento.org alguem ja ouviu falar?sabe me falar se é bom?