domingo, 31 de março de 2013

HORROR NO PARAÍSO: SOBREVIVENTE DE ESTUPRO É SENTENCIADA A 100 CHICOTADAS EM PÚBLICO

É difícil de acreditar, mas uma sobrevivente de estupro de 15 anos de idade, nas Maldivas, foi sentenciada a 100 chicotadas em público! Vamos dar um fim a essa loucura e atingir o governo no seu ponto mais sensível: a indústria do turismo. 


O padrasto da garota é acusado de matar o bebê que ela trazia em seu ventre. Agora, um tribunal afirmou que ela deve ser açoitada por "fazer sexo fora do casamento" com outro homem que nem mesmo foi identificado! 
 

A República das Maldivas (em maldívio Divehi Rajjeyge Jumhuria) é um pequeno país insular situado no Oceano Índico ao sudoeste do Sri Lanka e da Índia, ao sul do continente asiático, constituido por 1.196 ilhas, das quais 203 são habitadas.

O presidente das Maldivas, Waheed Hassan, já está sentindo a pressão de todos os cantos do mundo, mas podemos forçá-lo a salvar essa garota e mudar essa lei para poupar outras vítimas de um destino cruel. É assim que poderemos acabar com a Guerra contra as Mulheres: nos mobilizando todas as vezes em que algo revoltante assim acontecer.

O turismo é uma grande fonte de renda para a elite das Maldivas, incluindo ministros do governo. Vamos construir uma petição com milhões de assinaturas para o presidente Waheed essa semana, e então ameaçar a reputação das ilhas Maldivas por meio de anúncios publicitários em revistas de viagens e em websites, até que ele dê um passo adiante para salvar essa garota e abolir essa lei revoltante. 
 
As Maldivas são um paraíso para os turistas. Mas não é sempre assim para as mulheres de lá. Existem países com interpretações ainda mais duras da sharia, a lei islâmica, mas nas Maldivas as mulheres de todas as idades podem ser açoitadas em público se forem condenadas por sexo fora do casamento ou adultério. A "fornicação" antes do casamento é ilegal, mas apesar de sempre envolver um homem e uma mulher, 90% dos que são punidos são mulheres! E, ao mesmo tempo em que estatísticas vertiginosas afirmam que 1 a cada 3 mulheres entre 15 e 49 anos já sofreram agressões físicas ou abuso sexual, nenhum estuprador foi condenado nos últimos três anos.
Vencer essa batalha pode ajudar as mulheres em todos os lugares do mundo, pois o governo das Maldivas está, nesse exato momento, concorrendo a um cargo de direitos humanos na ONU em uma plataforma sobre os direitos das mulheres! As Maldivas estão no caminho para construir a democracia e querem ser um 'modelo de democracia islâmica'. O presidente já pediu ao Procurador-Geral para apelar da sentença no caso da jovem de 15 anos. Mas isso não é suficiente. Os extremistas do país forçarão o presidente a abandonar outras reformas se a atenção da comunidade internacional se dissipar. Vamos dizer às Maldivas que o país está prestes a perder a reputação de destino turístico romântico, a menos que tomem medidas rápidas para assegurar os direitos humanos universais e os direitos das mulheres.
Se uma quantidade suficiente de nós levantarmos nossas vozes, poderemos fazer com que o presidente Waheed e seus parlamentares se oponham aos extremistas. O presidente já tem sofrido pressão por medidas concretas em torno dessa história vergonhosa e trágica -- vamos aproveitar esse momento para prevenir mais injustiças contra as jovens garotas e mulheres. 
 
Assine a petição e, em seguida, envie esse email para todos:
 
 Com esperança e determinação,

Jeremy, Mary, Alex, Nick, Ricken, Laura, Michelle e toda a equipe da Avaaz.
 ---------------------------------------------------------------------------------------------------------
A Avaaz é uma rede de campanhas globais de 20 milhões de pessoas que se mobiliza para garantir que os valores e visões da sociedade civil global influenciem questões políticas internacionais. ("Avaaz" significa "voz" e "canção" em várias línguas). Membros da Avaaz vivem em todos os países do planeta e a nossa equipe está espalhada em 18 países de 6 continentes, operando em 17 línguas. Saiba mais sobre as nossas campanhas aqui, nos siga no Facebook ou Twitter.

Nenhum comentário: