segunda-feira, 2 de setembro de 2013

TRÂNSITO: IMPERATRIZ SE PREPARA PARA INSTALAÇÃO DE FISCALIZAÇÃO ELETRÔNICA



Trabalho de educação no trânsito será intensificado por toda cidade


Um estudo para levantar os pontos necessários para instalação de fiscalização eletrônica em diversos bairros da cidade será realizado por técnicos da Secretaria Municipal de Trânsito e Transportes (Setran). A garantia é do secretário de Trânsito, José Ribamar Alves Soares, o cabo J. Ribamar.

“Nós estamos buscando uma alternativa viável, pois queremos conversar com algumas empresas para elaborar o projeto e, depois, encaminhá-lo para abertura de processo licitatório para implantação dos equipamentos”, disse ele, que não quis prevê data devido à burocracia para confecção de projeto, de licitação e a instalação dos equipamentos. 

Porém, observa que os controladores eletrônicos de velocidade têm como objetivos principais a educação no trânsito e evitar acidentes em locais potencialmente suscetíveis à sua ocorrência, mediante estudos que demonstrem a efetiva necessidade. 

J. Ribamar argumentou ainda que o órgão realiza trabalho de educação no trânsito, cujo planejamento prevê a execução de ações de orientação, fiscalização e de palestras em escolas, empresas, entidades e faculdades. 

“Nós ainda temos trabalhado de forma a colocar ruas e avenidas da cidade em sentido único, com objetivo de melhorar a segurança no trânsito”, disse.
  
Passarela – Em relação à sinalização da marginal da BR-010, em frente a um shopping center, o secretário J. Ribamar esclareceu que a competência é do Departamento Nacional de Infraestrutura e Transportes (Dnit). “Vou pedi para uma equipe avaliar a situação da passarela, sem entrar no mérito, e, posteriormente informar ao Dnit e aos órgãos competentes, pois devem ser tomadas providências, devido ao risco que expõe às pessoas”, concluiu. (Ascom)

Um comentário:

Anônimo disse...

Deveriam empregar esse dinheiro em educar os motociclistas da cidade ao invés de implantar aqui também a famigerada indústrai da multa.
A pergunta é simples, ou seja, o que vão fazer é restringir a velocidade na cidade para menos de 15 km/h, já que aqui não há pistas para desenvolver velocidade.
Já se descobriu que o objetivo do administrador de Brasília é obrigar que todos andem de ré, uma vez que lá hoje ninguém pode passar de 60 km. Os acidentes agora são causados pelas distrações que o motorista tem ao recorrer a uma parafernalha de itens para evitar as multas, pois o sistema de controle não é inteligente, ou seja, não analisa o tráfeto para estabelece a velocidade máxima. O sujeito é obrigado a andar a 60 mesmo que não tenha ninguém na rua, como sempre ocorre nos finais de semana e feriados. Evidente que para justificar isso, generalizam a culpa dos irresponsáveis (3%) para toda a categoria dos motorista.
Assim, mesmo com controle ou não, os índices de acidentes não se alteram significativamente para justificar o gasto de monitoramento. Aliás, os 3% dos irresponsáveis no trânsito geralmente andam irregular e nada sofrem com esse tipo de controle que tem caráter puramente arrecadatório e que usa um mote de comoção popular para meter a mão no bolso do contribuinte.