segunda-feira, 21 de abril de 2014

"O PRESIDENTE FALA": JULIÃO AMIM ESCLARECE SITUAÇÃO DO PDT

O Imparcial
 “Nós não podemos nos afastar do Flávio”, diz Julião AmimO PDT é considerado o maior partido da oposição no Maranhão. Não só por já ter eleito um governador – Jackson Lago – mas também por possuir a maior militância no estado. São mais de 50 mil filiados nos 217 municípios. Diante dessa importância, a legenda tem sido fundamental para vitória de Edivaldo Holanda Júnior (PTC) na prefeitura de São Luís e pelo crescimento de Flávio Dino (PCdoB).
Apesar de toda essa importância, o presidente da sigla no estado, Julião Amim, deixa bem claro que sua maior preocupação é com a vitória da oposição e não por ocupação de cargos. Tanto que ele chega a afirmar, que abre mão da vaga de vice-governador, em troca de uma ampliação da bancada pedetista na Câmara Federal.
O ex-deputado federal enaltece o principal líder do partido no Maranhão, Jackson Lago e gosta de lembrar que o partido tem penetração em todos os bairro da capital, por isso precisa ser respeitado.
Julião ainda acredita que não existirá racha no PDT até a realização das eleições, que os membros descontentes estarão unidos em torno do projeto maior, que é dar a oposição a vitória nas urnas. Ele lembra ainda que construiu junto com Flávio Dino esse projeto do Partido do Maranhão.

Confira na íntegra a entrevista:
O Imparcial – Como o PDT reagiu a aproximação do Flávio Dino com o PSDB?

Julião Amim – Com naturalidade. Nós entendemos que quanto mais aliados o Flávio for buscar para vencer as eleições, será importante para todos nós. O PDT que incentivou desde o primeiro essa candidatura, que apoia, então cabe a nosso partido estar junto com o Flávio dando sugestões. Mantendo o posicionamento de enfrentamento ao grupo Sarney. Dessa forma acredito ser natural ele buscar o apoio de até outros partidos, para integrar, enriquecer e fortalecer nosso campo. Pois não queremos apenas participar, nós queremos vencer a eleição.

E quanto à vaga de vice? O Carlos Brandão disse que é uma condição primordial para que o PSDB declare apoio?

Acho legítimo essa postura e até reajo com maior naturalidade. O que a gente tem que entender é que vaidades e pretensões pessoais não devem ser colocadas na frente, pois temos um sonho maior que é mudar o Maranhão. A nossa primeira prioridade é ajudar a vencer a eleição do estado. O que nos interessa é mudar as práticas cometidas na política nos últimos anos. E o Flávio é um homem muito inteligente, um homem preparado e no momento exato ele chamará o conjunto de partidos para discutir essa questão.

Dessa forma, mesmo que o PDT não tenha vice, o partido não deixará de caminhar com Flávio Dino?

Eu entendo que não. Nós não podemos nos afastar do Flávio. Nós iniciamos esse processo, não podemos nos afastar. Se isso acontecer, deixaremos a nossa prioridade maior de lado, que é vencer as eleições, mudar o Maranhão. Claro que o partido tem os seus interesses, que é legitimo, mas não pode botar acima do nosso maior objetivo. Entendo que o PSDB e os demais partidos também devem pensar assim. Devem lembrar também que o PDT já se sacrificou muito e já demonstrou muita competência, com as melhores administrações em São Luís. Mostramos isso na prática. Nós estamos firmes.

No entanto existem membros que fazem parte desse grupo, que defendem a saída do PDT dessa frente. Como o senhor recebe essa informação?
Olha eu lamento profundamente. Isso só evidencia o despreparo e a intolerância na convivência democrática. Quem pensa assim, não tem como conviver com os contrários.

O PDT no Maranhão ele é comandado por uma pessoa ou os seus filiados ainda tem força para tomar decisões na coletividade?

O partido nunca teve dono. O PDT já teve um líder, que foi o Brizola. Ele discutia com os segmentos e levava para o partido, era um líder inconteste. No Maranhão, tivemos o Dr. Jackson Lago. Inclusive acredito que nos próximos 100 anos, não aparecerá um líder na política maranhense com as qualidades morais de Dr. Jackson. Quem conviveu com ele, sabe qual papel ele desempenhou. Um homem extremamente tolerável, que sempre tinha lições a passar para nós. Um homem de origem modesta, que conseguiu chegar ao governo com suas atitudes. Hoje não temos o Dr. Jackson, temos um diretório, que discute e tem o diálogo aberto. Existem segmentos fragmentados no partido, mas tudo é muito discutido no PDT.

Existe um racha no PDT hoje? Após a escolha do vice do partido, alguns companheiros se afastaram da legenda. Ainda é possível o PDT caminhar unido nessa eleição?

É claro que é possível. Há anos o partido está mobilizando sua militância, discutindo o projeto político para o estado, inclusive o Flávio Dino participou de várias reuniões. Alguns dos insatisfeitos, se afastaram do partido e não discutiram mais. Eles pensavam que o Flávio Dino iria impor um nome para nós, mas não. Isto seria antidemocrático. Então o partido discutiu ao longo do tempo qual nome seria escolhido e infelizmente no dia da escolha, pessoas que não estavam participando do debate, colocaram seu nome.

Em relação às eleições proporcionais, qual é a meta do PDT?

Eu levei ao presidente nacional, o que é prioridade. O partido precisa se consolidar e eu gostaria que o partido elegesse uma bancada boa de deputados federais. Para ampliar o debate de suas bandeiras. A educação é a nossa prioridade. O partido precisa utilizar o parlamento para fazer essas mudanças. Dessa forma coloquei isso para o Lupi, mas existem alguns companheiros do partido no Maranhão, que acham que a prioridade é uma vaga na chapa majoritária. Eu prefiro fazermos uma chapa que ofereça condições de elegermos 3 ou 4 deputados federais do que ter uma vaga de vice-governador. Vocês tem conhecimento que em muitos casos, o vice fica marginalizado, ninguém nem dá atenção, já o deputado não, ele tem independência. Mas a questão da vice foi tratada como prioridade por alguns companheiros, então temos que respeitar.

E qual seria esse caminho para eleger mais deputados federais? Uma candidatura própria?

Primeiro passo para que isso aconteça, eleger um governador comprometido com mudanças. O que deveríamos fazer para aumentar nossas chances de eleição de deputados? É se integrar a campanha do Flávio, se fazer presente. É discutir nossa participação em um futuro governo. Temos legitimidade e autoridade para discutirmos isso. Nós temos que retomar o caminho de liderança, vencer essa eleição e nos preparar para as futuras.
E qual é a participação do PDT na administração municipal?

Nós temos dirigimos o IPAM, administramos o esporte e participamos em diversas assessorias técnicas. Entendemos que poderíamos ter uma participação maior. Depois da eleição deste ano, devemos discutir a nossa participação na administração municipal, temos que amplia-la.
O PDT ainda sonha em ter um papel de protagonista no governo maranhense?

Eu acho que o nosso sonho é vencer as eleições. Mas gostaríamos de ser respeitados. Nós vencemos com Dr. Jackson, mas tivemos muitos conflitos ideológicos na sua administração. Um homem de esquerda, que teve que governar também com parte da direita. Existia tanto conflito, que solicitei ao Jackson que demitisse todo seu secretariado, pois o povo amava seu governante, mas não amava seu governo. Então o Flávio também tem que se preparar para isso.

Nenhum comentário: